Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Pregador do Evangelho – Por Frei Antônio de Sta. Maria Jaboatão, OFM

Gruta onde morou Frei Pedro Palácios, sem data

Frei Antônio de Sta. Maria Jaboatão, OFM, 1695-1779, natural de Jaboatão — PE, figura como pregador famoso, poeta desde a juventude, e cronista da província franciscana de Sto. Antônio, na qual ainda exerceu os cargos de mestre dos noviços, em Igaraçu, guardião da Paraíba e do Recife, definidor e secretário da mesma província. Além da obra mais célebre NOVO ORBE SERÁFICO BRASLICO, deixou inéditos o CATALOGO GENEALÓGICO, muitas poesias, cartas, conferências, tratados etc., que reuniu sob o título "Obras Acadêmicas", porque pertencera a "Academia dos Renascidos da Bahia".

Frei Antônio de Sta. Maria Jaboatão, OFM (1695-1779) pernambucano, compôs a sua famosa obra NOVO ORBE SERÁFICO BRASÍLICO, em meados do século XVIII, tendo consultado o arquivo franciscano da Bahia e os autores que antes dele escreveram. Depois de refutar os que negam a fundação do Santuário da Penha por Frei Palácios, apresenta o ermitão como missionário dos Aimorés e primeiro catequista em terras capixabas.

Fonte: Frei Antônio de Sta. Maria Jaboatão, OFM Novo Orbe Seráfico Brasílico Rio de Janeiro 1858-1862 I,2 pág.31ss. André Gomes que sendo rapaz acompanhava ao Servo de Deus, nas saídas que fazia a doutrina das Missões e aldeias... Estas viagens do Servo de Deus em as quais se detinha eram comumente para as aldeias dos gentios que habitavam por aqueles arredores das vilas do Espírito Santo que depois de tantas e tão continuadas guerras e destroços, como ficam referidos alguns, na sua fundação, viviam já em paz por este tempo com os portugueses, mas ainda não agregados ao grêmio da Igreja, e a estes se determinavam as visitas do Servo de Deus Frei Pedro.

Ali se detinha entre eles alguns dias, catequizando a uns, batizando a outros, em especial aos meninos e crianças, e fazendo em todos admiráveis frutos de conversão. E este era um dos maiores empregos do seu abrasado e apostólico zelo. Ele foi o primeiro pregador e anunciador do Santo Evangelho que tiveram os gentios desta capitania, na qual ele só por muitos anos foi o maior instrumento da conversão de muitos, não só para a Igreja, também para a mais fixa e verdadeira amizade com os portugueses. Porque suposto que já quando no ano de 1558, chegou ao Espírito Santo Frei Pedro, tinham nesta vila uma residência os padres Jesuítas, desde o ano de 1551, e nela religiosos de assistência havendo alguns sete anos, ainda não haviam até este tempo dado princípio à conversão do gentio. Não é discurso este da nossa vontade, é expressão de duas testemunhas que assim o expõem com esta explicação no instrumento jurídico, que já dissemos se tirou na mesma vila. É a primeira Amador de Freitas, Capitão da aldeia de Reritiba e morador em Vila Velha, de idade de 69 anos.

Disse que conhecera ao Pe. Frei Pedro Palácios Religioso leigo da Ordem de S. Francisco, haverá cinqüenta anos, nesta capitania o qual era tido de todos por Varão Santo e de muito exemplar vida, andando pelas aldeias desta capitania, aonde ainda então não residiam Padres da Companhia, e batizava e doutrinava aos índios, ensinando outrossim a doutrina cristã pelas ruas, etc.

A segunda testemunha é Nuno Rodrigues, morador na vila do Espírito Santo, homem de idade de cento e dois anos, e adverte a leitura do tal instrumento, que tendo toda esta idade, estava em seu juízo perfeito e andava ainda pelas ruas por seus pés e bem disposto, indo todos os dias ouvir missa e tratando com quem lhe convinha. Disse que:

Conheceu aqui na vila do Espírito Santo ao Pe. Frei Pedro Religioso Leigo da Ordem de S. Francisco, haverá cinqüenta anos, ao qual tratou particularmente, e lhe disse que era castelhano de nação natural de Medina do Rio Seco, perto de Salamanca, e o viu ordinariamente andar pelas ruas, ensinando a doutrina cristã aos meninos e a todos, e o mesmo ia fazer pelas aldeias dos índios, aonde ainda não residiam Religiosos da Companhia, senão aqui na vila. Lá nas ditas aldeias batizava aos índios, que se convertiam a fé católica e era mui zeloso da salvação das almas.

Este é o dito destas duas testemunhas, acaso expressado por elas e muito a propósito para justificar que se Frei Pedro não foi o primeiro Religioso que chegou a capitania do Espírito Santo, porque antes dele chegaram outros, foi o primeiro Pregador e Anunciador do Santo Evangelho que deu conhecimento da fé e luz da verdade católica ao gentio da terra, porque não perdessem os filhos de Francisco esta primazia nas conquistas do Brasil, ainda quando não são os primeiros que a elas chegaram.

 

Fonte: Antologia do Convento da Penha, ano 1974
Autor: Frei Venâncio Willeke O. F. M.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2015

Religiosos do ES

As pretensões dos Padres da Companhia pelo Convento

As pretensões dos Padres da Companhia pelo Convento

Só sabemos por Jaboatão, que teve conhecimento dos autos, que os Jesuítas negavam o direito dos Franciscanos, alegando o voto de pobreza

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Carta de Pe. Anchieta sobre Frei Pedro Palácios

Ao pé do Convento fez uma casinha pequenina à honra de São Francisco, na qual morreu com mostras de muita santidade

Ver Artigo
Frei Vicente do Salvador , O.F.M. e a Penha do Espírito Santo

Há muito bom açúcar e algodão, gado vacum, e tanto mantimento que lhe chamava o mesmo Vasco Fernandes o meu vilão farto

Ver Artigo
O Penitente Frei Palácios – Por Frei Manuel da Ilha, OFM

Tendo recebido do menino a vela acessa, ajoelhou-se na sua sela perante o altar do Pai São Francisco que lá se achava construída

Ver Artigo
As maravilhas da Penha – Por Joaquim José Gomes da Silva Neto

A imagem de Nossa Senhora da Penha, encomendada por Frei Pedro Palácios em Portugal e inaugurada em 1570

Ver Artigo
Um autor corrige outro – Por Frei Apolinário da Conceição, OFM

Nascido em Lisboa a 23 de julho de 1692, emigrou com a família para o Brasil, onde tomou o burel seráfico aos 3 de setembro de 1711

Ver Artigo
Pe. Jorge Cardoso trata de Frei Palácios

Pe. Jorge Cardoso (1606-1669), dedicou-se publicando a sua imortal obra “Agiológio Lusitano dos Santos e varões ilustres em virtude do reino de Portugal e suas conquistas.”

Ver Artigo
A Serra da Arrábida - Frei Agostinho da Cruz, OFM

Descubra o segredo porque Frei Palácios escolheu o morro da Penha para nele prosseguir a vida contemplativa

Ver Artigo
Jesuítas em Romaria à Penha – Por Pe. Fernão Cardim, S.J.

Acompanhado de alguns confrades, o Pe. Fernão Cardim, S.J subiu à Penha aos 30 de novembro de 1584, relatando suas impressões

Ver Artigo