Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os Engenheiros e os homens do risco

Igreja de São Francisco, Vitória-ES

Examinado atentamente os técnicos dos séculos dezoito e dezenove, vemos que eles não foram nem piores, nem melhores de que os que perambularam pelas demais unidades do Brasil. A diferença negativa, a favor do Espírito Santo, resulta da pobreza real de sua população e, logicamente, dos governos, que a conduziram. Não há riqueza pública sem economia particular e vice-versa, porque o fenômeno é reversível. A cidade é espelho que reflete o índice de prosperidade regional, dentro de certo limite. As obras públicas e a iniciativa particular estão em função direta com o poder econômico da população. O conforto, porém, é fruto da educação e da cultura.

O Espírito Santo viveu séculos de pobreza e de ignorância primária, somando-se ao descaso da Metrópole, sua vida econômica e social se atrofiou de modo singular. E a herança histórica acumulada foi, portanto, pequena no campo material. Não se pode culpar tanto os sargentos e os homens do risco. Aqueles, destacados, em comissão, pelos governos, vinham com fins determinados: fortificar os pontos prováveis de desembarque dos estrangeiros inimigos. Não vinham acudir às necessidades urbanas. Nicolau Abreu, que se demorou de 1731 a 36, na construção dos fortins da Vila, ajudou a reconstruir a Matriz. Não soube dar-lhe proporção. José Caldas, passa por ter feito a planta de 1761 de Vitória, quando veio inspecionar-lhe as fortificações.

Os conventos são obras feitas pelos religiosos, que obedeciam aos tipos padrões de suas ordens. O frontão da igreja de S. Francisco foi ornado ou concluído em 1784 com ajuda do bolsinho de D. Maria I. É obra de frade. Em 1928, o padre Leandro Del Uomo obteve, do bispo D. Benedito, o velho convento para instalar o Asilo Cristo-Rei. Meteu-se com mau arquiteto e péssimo construtor a transformá-lo em arquitetura clássica. Foi um horror. O que ali se demoliu e se acrescentou é simplesmente criminoso. Naquelas vetustas paredes repousavam restos mortais de frades ilustres, de personagens históricos, inclusive de Vasco Fernandes Filho. Completou-se o ato de barbárie contra a tradição da cidade, destruindo-lhe os monumentos de sua fundação. Já nada mais lembra aquele ambiente seiscentista do povoamento da ilha. Misericórdia, Colégio e Santiago com suas torres vigilantes, tudo foi abaixo num falso sentimento de “descolonizar” a cidade minúscula, mas heroica. É preciso amar o passado, no que ele encerra de exemplo, de testemunho e ensinamento. Renan, o ímpio, disse: “O verdadeiro homem do presente é aquele que tem o culto do passado”. Do passado, vêm ensinamentos indispensáveis para se alicerçar o futuro. Guardemos avaramente os monumentos, que sobraram ao ímpeto das picaretas mal sucedidas. O Convento da Penha, altaneiro e miraculoso, as igrejas seculares dos Reis Magos, Guarapari, Araçatiba e Anchieta, testemunhas da fé cristã pregada pelos filhos místicos de Loiola. Reverenciemos a Capela de Santa Luzia, imagem viva da pobreza primitiva da “Vila Nova”. Defendamos a igreja do Rosário em Vila Velha na simplicidade de suas paredes nuas. Ali, oraram os Coutinhos, os Menezes, os Azevedos e D. Luiza Grimaldi. Ali, pedia-se a Deus proteção contra os goitacazes flecheiros. Respeitemos as igrejas do Rosário e São Gonçalo Garcia, construídas pelas irmandades dos escravos devotos, a suplicarem misericórdia ao céu pelos padecimentos, que sofriam por terem nascido negros.

 

Fonte: Biografia de uma ilha, 1965
Autor: Luiz Serafim Derenzi
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2012 



GALERIA:

📷
📷


Monumentos

Escadaria Maria Ortiz

Escadaria Maria Ortiz

Maria Ortiz decidiu a batalha, lançando água fervente sobre o próprio Pieter Heyn de uma das janelas do casario.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Patrimônio ambiental: aspectos na Grande Vitória

A necessidade de intervenção no espaço físico, social e cultural levou a Fundação Jones dos Santos Neves a elaborar o Plano de Preservação do Patrimônio Ambiental Urbano e Natural

Ver Artigo
Mestre Álvaro

Desde os primeiros tempos do século XVI, observado e utilizado por navegadores que por aqui passaram, servindo de notável sinalização para navegação 

Ver Artigo
O Palácio Anchieta - Por Neida Lúcia Moraes

O Palácio do Governo do Espírito Santo, hoje denominado Palácio Anchieta, em homenagem ao Padre José de Anchieta, é uma testemunha de toda a nossa História

Ver Artigo
A Manteigueira - Por José Carlos da Fonseca

Mas hoje persiste na minha memória a figura da manteigueira vista lá da curva do Saldanha como uma paisagem inapagável dos meus primeiros tempos de Vitória

Ver Artigo
Obelisco da Praça dos Namorados

Discurso proferido pelo sr. Alberto de Oliveira Santos no ato da entrega do monumento que a Família Oliveira Santos, comemorando o quatri-centenáriodo Solo Espírito-Santense

Ver Artigo