Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Os pioneiros: Degredados

Os degredados na colonização do Brasil

Portugal era um reino pequeno e pouco povoado. Esse dado pode nos ajudar a compreender por que apenas 60 pessoas embarcaram na caravela Glória a fim de iniciar o processo de conquista e ocupação da Capitania do Espírito Santo. Aliás, exceto dois funcionários públicos – um escrivão e um almoxarife -, todos eram degredados, até mesmo aqueles que, por nascimento, pertenciam à nobreza. Ou seja, nossos “pioneiros” eram criminosos que foram banidos, desterrados de Portugal para cumprir suas penas de prisão perpétua na colônia. A capitania havia se convertido, na prática, em uma “colônia penal”, refúgio de condenados pela justiça metropolitana.

Pelas informações disponíveis, Vasco F. Coutinho foi o primeiro donatário responsável pela arriscada tarefa de dar abrigo – homizio – a malfeitores. As instruções ditadas pelo rei colonizador D. João III, tornaram-se públicas por intermédio de alvará de 1534 e são esclarecedoras:

“ (...) que os criminosos fiquem em terra de meus senhorios e vivam e morram nela, especialmente na capitania do Brasil que ora fiz mercê a Vasco Fernandes Coutinho (...) e indo-se para morar e povoar a capitania do dito donatário, não possam lá ser presos, acusados nem demandados por nenhuma via nem modo que seja pelos crimes que cá (em Portugal) tiverem cometido (...)”


Tudo parecia conspirar contra Vasco Fernandes Coutinho. Na “faxina” que deveria ser feita nos presídios e masmorras de Lisboa só não poderiam ser retirados os bandidos acusados de heresia, sodomia, traição real e os falsificadores de moedas. No entanto, os assaltantes, os homicidas, os ladrões, os vagabundos e outros fora-da-lei de estirpe semelhante estavam entre os componentes da tripulação arregimentada. Esses párias da sociedade portuguesa iriam se transformar em aliados turbulentos, perigosos e imprevisíveis, chegando ao ponto de a Capitania do Espírito Santo, ainda no séc. XVI, ficar conhecida como “esconderijo de insubordinados, malfeitores e contrabandistas”.

 

Fonte: Livro História do Espírito Santo - uma abordagem didática e atualizada 1535 - 2002
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2013

História do ES

Muralha Capixaba

Muralha Capixaba

A descoberta de ouro no interior do Brasil criou um grande empecilho ao desenvolvimento do Espírito Santo. Por Antônio de Pádua Gurgel.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

“Descaminhos no dinheyro” em 1650

A carta do conde de Castelmelhor refere-se a diversas irregularidades no Espírito Santo, principalmente nos negócios da Justiça

Ver Artigo
Jesuítas bandeirantes e morte de Francisco de Aguiar Coutinho

A 06/03/1627 já estava morto Francisco de Aguiar Coutinho, pois nessa data foi nomeado Manuel d’Escovar Cabral para governar a donataria

Ver Artigo
Outra vez os holandeses no Porto de Vitória

Sete navios comandados pelo coronel Koin alcançaram o porto de Vitória a 27/10/1627

Ver Artigo
O destacamento de infantaria - Ambrósio de Aguiar Coutinho

O perigo que correra a segurança da capitania levou o governo português a destacar quarenta infantes de tropa regular para servirem no Espírito Santo

Ver Artigo
Jesuítas, índios e Cabo Frio

Após a obtenção de uma sesmaria para os seus índios – em 1610 – que sobreveio o período de prosperidade local, ainda hoje atestada pela igreja

Ver Artigo