Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Palácio das Águias

Igreja Nossa Senhora dos Navegantes (1872-1882) em Barra do Itapemirim

A Barra do Itapemirim, em Marataízes, é um antigo núcleo de povoação fundado no ano de 1771 pelos portugueses que exploravam as minas de Castelo, no alto Itapemirim, quando de uma fuga de um ataque de índios purys.

O Porto da Barra do Itapemirim foi a principal entrada de imigrantes portugueses, italianos, franceses, libaneses e holandeses que se instalaram e colonizaram o sul do Espírito Santo entre 1876 e 1930.

Foi também o principal escoadouro de produtos agrícolas, madeiras e minerais trazidos por tropeiros até o litoral, oriundos do interior e de Minas Gerais e levados para a corte no Rio de Janeiro e Bahia no período imperial.

Possui locais com significado histórico de dimensão regional, um precioso Patrimônio Arquitetônico remanescente da Segunda metade do século XIX e início do século XX, presente nas ruínas do Trapiche (1860-1883), casarão Palácio das Águias (1910-1926 fachadas ecléticas)- também conhecido como o casarão dos Soares, Igreja Nossa Senhora dos Navegantes (1872-1882) e prédio das Oficinas da Estrada de Ferro Itapemirim (1924-1937).

Palácio das Águias, que hospedou o Imperador D. Pedro II. na época do Império, corre atualmente o risco de ruir, tal o estado de abandono. Por toda a história que guarda esse pedaço do Espírito Santo, que sejam tomadas as devidas providências para valorizar as riquezas de nosso Estado.

 

Fontes: http: www.marataizesonline.com.br e http: www.crei.com.br/novosite/noticias.asp?nID=59, 2008
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2013

História do ES

Manifestações típicas do ES

Manifestações típicas do ES

As conchas e os búzios são belos e acessíveis materiais para a criação do artesanato marinho. Com conchas são feitos colares, pulseiras, utilidades domésticas (potes, jarras) e objetos de adorno, como espelhos e quadros

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Mata Virgem – Por Auguste François Biard (Parte IV)

Tinham me falado, várias vezes, desde que chegara ao Brasil, de uma terrível cobra, a maior das trigonocéfalas, conhecida pelo nome de surucucu

Ver Artigo
Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
A Ilha de Vitória – Por Serafim Derenzi

É uma posição privilegiada para superintender, como capital e porto, os destinos políticos e econômicos do Estado de que é capital

Ver Artigo
A história do Jornal A TRIBUNA

Conheça a história do jornal A TRIBUNA, publicada na resvista da Associação Espírito-Santense de Imprensa (AEI) em 12/2008

Ver Artigo
Intervenção federal - Governo Nestor Gomes

A vinte e seis de maio de 1920 começou a luta armada na Capital, com elementos da Força Policial dividida entre as duas facções 

Ver Artigo