Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Perfil - Vasco Fernandes Coutinho

Brasão e assinatura de Vasco Coutinho

Em 1º de junho de 1534 foi expedida a carta de doação.

O donatário, Vasco Fernandes Coutinho, era um homem da melhor fidalguia. Servira em Goa, na China e na África.

Depois dessas companhias devia ser um homem da vida.

Não era um personagem notável na Metrópole, nem sua empresa foi objeto de grande interesse para uma população fortemente excitada pela fama das riquezas do Oriente.
Mas Vasco Fernandes Coutinho era um aventureiro.

Era um dos

“... barões assinalados,
Que da ocidental praia lusitana,
Por mares nunca dantes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados,
Mais do que provetia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo reino que tanto sublimaram”.

Teria todas as qualidades positivas e negativas dos seus contemporâneos, aumentadas umas e outras pela luta impiedosa, onde se misturavam, paradoxalmente, o fanatismo religioso e a ambição desmedida. Conjugavam-se nele o desapego pela própria vida e a cobiça pelo poder e pelo fausto.

Era essa a armadura que necessariamente tinham de vestir os cruzados dessa nova conquista. Trazer os homens brutos para a fé cristã e apoderar-se do ouro e das pedrarias com que o sertão deveria recompensar os mais ousados e os mais fortes.
Em 23 de maio de 1535, no Dia do Espírito Santo, o donatário desembarcava na enseada junto ao Monte Moreno.

Trazia consigo cerca de 60 homens, aí incluídos “dois fidalgos da nobreza”, D. Jorge Menezes e D. Simão de Castelo Branco, que vinham cumprir as suas penas de degredo, apenas disfarçado.

 

Fonte: Espírito Santo: história de suas lutas e conquistas – Artgraf, Vitória-ES, 2002
Autor: Neida Lúcia Moraes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012 

Vasco Fernandes Coutinho

Delação de Duarte de Lemos e outras cartas

Delação de Duarte de Lemos e outras cartas

Carta de DUARTE DE LEMOS escrita de Porto-Seguro a D. João III, em 14/07/1550. “Senhor, V. A. saberá como Vasco Fernandes Coutinho...”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pobre Vasco! - Por Francisco Aurélio Ribeiro

Enfim, passa da hora de reabilitar o nome de Vasco F. Coutinho e de lhe fazer justiça

Ver Artigo
Vasco da Glória - Francisco Aurélio Ribeiro

Frei Vicente do Salvador, em sua História do Brasil, de 1600 e pouco, afirmou que Vasco Fernandes Coutinho morreu pobre e abandonado

Ver Artigo
Vida Escolar – Grupo Escolar Vasco Fernandes Coutinho (2ª Parte - final)

Em 1931, surge o Grupo Escolar “Vasco Coutinho”, pelo Decreto n° 1.720 de 23 de outubro. O diretor de então era Flávio Moraes. Em 1932 é iniciada a construção do prédio atual da escola

Ver Artigo
No princípio – Por Mário Freire

A “Glória”, a caravela de Coutinho, permitiu-lhe trazer 60 companheiros. Entre esses, o fidalgo D. Jorge de Menezes e Simão de Castelo Branco

Ver Artigo
Os primeiros Jesuítas do ES - Por Mário Freire

A fundação dessa confraria ou irmandade justifica ser a Misericórdia do Espírito Santo, da qual Anchieta foi capelão, uma das mais antigas do Brasil

Ver Artigo