Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Regresso do donatário Vasco Fernandes Coutinho

Obeslico em homenagem a Vasco Fernandes Coutinho - Foto: Lobão

Talvez o regresso se tivesse verificado em 1547, na frota mencionada na carta de Fernando Álvares de Andrade, ou pouco depois. Frei Vicente do Salvador, referindo-se à viagem de Coutinho para o Reino, escreveu que deixara ordenados quatro engenhos de açúcar.(16) Em 1545, vindo à capitania para a arrecadação dos dízimos reais, Ambrósio de Meira comprovou, e disto deu ciência ao rei, que “ha nesta capitanja cinco armaçois pera agoa e duas fazem jaa e duas forão de janeiro de 1546 por diamte ha duas de caualos e faz hua”.(17)

Dois anos depois, isto é, em 1547, Álvares de Andrade, cumprindo determinações de D. João III, apresta um navio de socorro às costas do Brasil e é o próprio Vasco Coutinho quem serve de mensageiro entre os dois figurantes, para completar providências.

O “omem que veyo do brasylI”, citado por Álvares de Andrade, e que acompanhou Coutinho à presença do rei “pera qualquer emformaçam que da terra comvyr”,(18) deve ter levado ao donatário o aviso sobre o estado em que os silvícolas haviam deixado o Espírito Santo, provocando, dessa forma, seu regresso à terra brasileira. Deve ter sido, pois, entre 1545 e 1547 que se verificou a quase ruína da capitania, ocasionada pelas incompatibilidades entre brancos e índios, conforme adiante se verá, já que Ambrósio de Meira nenhuma alusão faz ao assunto. Muito ao contrário, sua carta, quando cotejada com o texto de frei Vicente do Salvador, demonstra que houvera progresso na construção dos engenhos.

Ciente da catástrofe que baixara sobre seu senhorio, Vasco Coutinho teria deixado Lisboa para vir tentar o reerguimento do Espírito Santo. Não seria razoável julgar que permanecesse em Portugal até o embarque de Tomé de Sousa, em 1549, ante as notícias alarmantes sobre o destino do seu senhorio, do aniquilamento de todos os seus bens. A relação dos que faziam parte da expedição do primeiro governador geral, que acolhe nomes escoteiros, não calaria o de um donatário. E em 1550 iremos encontrar Coutinho em Porto Seguro, às voltas com o seu colaborador – Duarte de Lemos.

 

NOTAS

(16) - Hist. Brasil, 95.

(17) - Ver foot-note n.º 13 deste capítulo.

(18) - Notícias Antigas, 14.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

Vasco Fernandes Coutinho

Vasco Fernandes Coutinho Filho e D. Luiza Grimaldi

Vasco Fernandes Coutinho Filho e D. Luiza Grimaldi

Concluo, dos nobres que aportaram à Capitania do Espírito Santo, ser ela a de melhor e mais pura linhagem

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vasco Coutinho à testa do governo – Auxílio a Pero de Góis

Pero de Góis estivera no Espírito Santo e daqui levara para S. Tomé um mestre de açúcar

Ver Artigo
Regresso do donatário Vasco Fernandes Coutinho

Talvez o regresso se tivesse verificado em 1547, na frota mencionada na carta de Fernando Álvares de Andrade, ou pouco depois

Ver Artigo
Produção de açúcar na era Vasco

Primeiro carregamento – Minucioso relatório a carta de Ambrósio de Meira. Tudo quanto dizia respeito ao interesse da Fazenda Real registrou cuidadosamente

Ver Artigo
Empresa difícil, homens de fibra

Vasco Coutinho em busca de recursos. Em Lisboa ficou hospedado em uma casa na Rua do Barão de  Alvito (1540)

Ver Artigo
D. Jorge de Menezes à frente da capitania

Rocha Pombo resumiu o homem nestas palavras: “Valente, é exato, mas cheio de paixões incompatíveis com a compostura de uma autoridade

Ver Artigo