Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Praia do Ribeiro e Ilha da Baleia – Por Edward Athayde D’Alcântara

Ilha da Baleia e a Ponta do Tagano

A Praia do Ribeiro deve o seu nome a um pequeno regato (ribeiro) que corria a céu aberto até a praia e hoje está sob o calçamento. A Praia é formada pela pequena enseada situada entre o Morro do Moreno e o de Santa Luzia. Bem protegida das ondas e do vento, é o abrigo de diversos barcos de pesca. Essa praia deve ser preservada porque faz parte da história da colonização do solo espírito-santense e foi o sítio escolhido para residência dos nossos primeiros donatários. Hoje bastante poluída, sem balneabilidade, recebe dejetos de diferentes procedências.

Parte do Sítio foi loteada em 1929, com o nome de Maria Grinalda e mais tarde o Governo do Estado a desapropriou para a construção do Preventório Gustavo Capanema, que depois passou a ser conhecido como Preventório Alzira Bley.

Atualmente, em parte da área estão: a residência de verão do Governador, o Centro de Reabilitação da Praia da Costa e, na Pedra da Caiçara, o Clube Libanês.

A entrada ao sítio era franca, não havia proibição. Seguindo pela Praia da Sereia, logo à frente havia uma das nascentes do Morro do Moreno, que desaguava numa lagoa à beira-mar e servia de divisa natural do Sítio.

Atravessando a lagoa e subindo a Pedra das Caiçaras, havia o caminho de acesso às praias, ao Farol e à Ilha da Baleia.

Na Ilha da Baleia existe um poço de água potável, e naquele tempo era um excelente lugar para se passar um domingo com a família. Além da água, o local era ideal para pesca e tirada de mariscos.

Também conhecida como Ilha da Praticagem ou dos Práticos, a ilha foi utilizada durante muitos anos pela Capitania dos Portos, como abrigo e ponto de apoio aos práticos que nela aguardavam ordens para conduzir o navio que chegava, desde a barra até o porto de Vitória.

No período do Brasil Império e Colônia foi considerada como ponto estratégico para defesa da Capitania, e por isso, é também de grande valor histórico.

Quando as relações de Portugal com a Espanha aqui na América estiveram ameaçadas, o presidente da Capitania do Espírito Santo, Silvestre Cirne da Veiga, em carta datada de 28/09/1735 escreveu ao Rei de Portugal sugerindo que: “para defender a entrada desta barra, a natureza a fez de sorte que me parece que com duas fortalezas ficará em termos de defensa...uma delas, e, a mais importante me parece se deve fazer em um ilhote que chamam de Baleia, que fica junto da entrada da barra, o qual ilhote tem de comprido oitenta e cinco braças... a comunicação da terra firme para o ilhote, com a circunstância que podem entrar e sair soldados sem serem notados dos navios por onde a artilharia do inimigo não pode fazer dano... Este tal ilhote tem dois morros separados um do outro, no meio fica uma baixa muito funda e nela um poço de pedra que a natureza obrou, bastante fundo com água doce que se supõe é nativa”... A outra fortaleza me parece se deve fazer na Ponta do Tagano que fica perto do Ilhote da Baleia com que se declara no Mapa esta tal ponta é tudo um rochedo que principia do mesmo mar por onde se pode fazer esta fortaleza; desta ponta se descortina a vila de Vitória com distância de mais légua e de lá se vê a fortaleza de S. João e descobre o Ilhote que pode varejar a artilharia por cima dele; nenhuma das fortalezas descobre a vila de vitória exceto a que fica pegada a dita vila; por onde me parece que a dita ponta é própria para uma fortaleza por ter as circunstancias que ensina o governador de praças e juntamente todo o navio que entra pela barra, vem buscando esta ponta e se não pode encostar para a parte da Ilha do Boi que lhe fica defronte por derem baixos”.

 

Nota do Site: 

Procurando fazer uma analogia do texto com a foto atual do Google, chega-se a seguinte conclusão:

Observe que nas pedras submersas era onde se pretendia construir a primeira fortaleza, o canal de navegação fica muito próximo tornando a sua localização estratégica. O acesso a fortaleza seria feito pela Ilha da Baleia.

Já a segunda fortaleza, seria localizada a esquerda da foto, na Ponta do Tagano, no Morro do Moreno. Ali seria também um local estratégico para se construir uma outra fortaleza que desse proteção a um ataque ao porto.

Nada chegou a ser construído na época.

 

 

Fonte: Memória do Menino...e de sua Velha Vila, 2014
Autor: Edward Athayde D’Alcântara
Produção: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2020

Variedades

O maior dourado do Brasil

O maior dourado do Brasil

Capixaba pescou o peixe de 29,7 kg e quase atingiu recorde mundial que é de 31,8 kg

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

O Último Dia – Por Betty Feliz

Fomos passear na Lanchonete Sete e copiar alguns modelos do verão nas vitrinas da Doll Sport, que era o must da moda capixaba em 1968 

Ver Artigo
Nascida em 23 de maio - Por Terê Thomazini

Dia 23 de maio de 1970 foi meu nascimento aqui na cidade de Vila Velha. Na verdade dez anos antes, na cidade de São Gabriel da Palha Dona Lacy Thomazini dava a luz a uma menina que seria a primeira dos seus seis filhos

Ver Artigo
O Titânio na Costa do Espírito Santo – Por Archimimo Mattos

Os depósitos litorâneos de Benevente, Guarapari, Itapemirim  são de fácil exploração comercial, como, aliás, já foi feito com as areias monazíticas

Ver Artigo
A origem do nome Morro da Manteigueira

A Casa da Manteigueira, um antigo solar que tinha fama de ser assombrado pelos espíritos de dois amantes...

Ver Artigo
Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa

Ver Artigo