Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Sumé – Por Maria Stella de Novaes

Capa do Livro - Lendas Capixabas, 1968

Enviado, eleito de Tupã, Sumé aparecia, nas praias do sul do Espírito Santo, a fim de conciliar as tribos, em lutas contínuas, e ensinar-lhes a agricultura, de modo que substituíssem as guerras pelo trabalho e, assim, tivessem fartura e felicidade.

Surgiu, de modo original, no horizonte, como se acompanhasse o levante do Sol, aproximou-se, lentamente, da praia, caminhando sobre o mar, quando, certa vez, os goitacás comemoravam uma derrota dos seus inimigos.

Era impressionante a figura de Sumé: — fisionomia doce; barba sedosa, que lhe cobria o tronco e alongava-se aos pés, chegava, mesmo, a tocar nas ondas; olhos ternamente azuis. Espetro da suavidade! ...

Numa revelação do seu poder, com um simples aceno, acalmava os elementos, em fúria, ao passo que se abria a espessura da mata, para a sua passagem fácil, incólume. Feras medonhas vinham deitar-se, mansamente a seus pés.

Admirados, perante a singular figura de Sumé, todo poder e bondade, os índios acalmaram-se; tomaram-no como conselheiro, depois de cientificá-lo dos feitos gloriosos da tribo.

Sumé louvou tanta bravura daquele povo simples e puro; penalizado, procurou ensinar-lhe meios de uma vida mais saudável e abastada. Mobilizou os homens válidos, a fim de que fizessem provisões de caça, pesca e outros alimentos, para os velhos, as mulheres e as crianças. Deveriam, depois, acompanhá-lo. Iam desbravar, cavar a terra, e obrigá-la, assim, a dar-lhes o sustento diário.

Ouviram-no os silvícolas: — "Grande Mãe é a terra! Mãe generosa. Basta-lhe amor, carícia e afago, para que se abra, logo, prodigiosamente em toda a sorte de bens e venturas!"

Objetou-lhe, porém, o astucioso pajé: — "Como, pois, grande Santo, ela nos tem dado somente espinhos e répteis?"

Respondeu-lhe Sumé: — "Porque não a tendes amado, fervorosamente, e trabalhado com perseverança. Deveis regá-la, com o suor de vossas frontes. Cavai-a. Ela rasgar-se-á, para dar-vos a renovação da vida."

Seguiram-no. Cumpriram suas instruções. Atiraram sementes ao solo trabalhado. E, assim, foram caminhando e trabalhando, até os limites das terras dominadas pelas outras nações. Ordenou-lhes, então, o instrutor que retrocedessem.

Oh, deslumbramento!...

Frutas, cereais, flores!...

Sumé ensinou-lhes a devida utilização de tudo. Arrancariam, por exemplo, a mandioca, para a farinha.

A inveja, porém, não se fez esperar. Ressentidos, perante o prestígio daquele benfeitor, alguns pajés tramaram a revolta dos ingratos. Por isso, numa tarde, quando a assistência dos que se conservaram puros e dóceis rodeava o mensageiro e ouvia-lhe os ensinamentos, uma flecha, atirada de longe, atingiu-lhe o peito!

Impassível, Sumé arrancou-a e foi-se retirando, lentamente, para o mar, olhando, porém, calmo e sorridente, para a terra, enquanto outras flechas sucediam-se, arrancadas, sempre, sem magoá-lo.

Assim, aquela visão deslumbrante afastou-se... afastou-se... até desaparecer, misteriosamente, além, muito além, deixando, nos maus, o prêmio do remorso, e, nos bons, o pungir de uma grande saudade!

(Esta lenda, com pequena variante, encontra-se também, no livro "Contos Pátrios", de Olavo Bilac e João Ribeiro.)

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2016

Folclore e Lendas Capixabas

O Judeu Pescador ou Lenda de Brás Gomes - Por Maria Stella de Novaes

O Judeu Pescador ou Lenda de Brás Gomes - Por Maria Stella de Novaes

Brás Gomes, o pescador, desejoso de preparar-lhe um oratório, ou lugar adequado, conservava-o numa caixa de madeira, que lhe servia de banco, em sua casa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Outros tempos – Por Pedro Maia

Por onde andam os tipos populares que em outros tempos enfeitavam de maneira pitoresca  as ruas da cidade?

Ver Artigo
Festejos de Vila Velha - Por Edward Alcântara

Lembro da “Lapinha” de origem pernambucana, aqui introduzida nos fins do século XIX pelo Desembargador Antonio Ferreira Coelho, grande incentivador dos festejos canela verde de então

Ver Artigo
São Benedito do Divino e de Reis – Por Seu Dedê

Atualmente, em Vila Velha, Leonardo Santos (Mestre Naio) e a Mônica Dantas, conseguiram restabelecer os festejos de São Benedito

Ver Artigo
Festas Juninas – Por Seu Dedê

Vila Velha comemorava as festas de Santo Antônio, São João e São Pedro, respectivamente nos dias 13, 24 e 29 de junho

Ver Artigo
A Festa Do Divino – Por Areobaldo Lellis Horta

Foi na povoação de Jacarandá, município de Viana, hoje Jabaeté, que vi pela primeira vez uma bandeira do Divino Espírito Santo

Ver Artigo