Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Um lugar chamado Palha

Espírito Santo

Este lugarejo a que chegamos é típico da zona pioneira do Norte do Espírito Santo, embora não seja intenso aqui, como mais para leste ou mais para sudoeste, o plantio de cafezais. O próprio nome do lugar ainda não se fixou. O mapa mais recente do Departamento de Estradas de Rodagem diz “Santo Antônio da Montanha”. Para a Prefeitura de Conceição da Barra este lugar se chama “Governador Santos Neves”, nome que a população começa a adotar, dizendo às vezes “Governador”, às vezes “Santos Neves”; muita gente ainda o denomina “Comercinho de Palha” ou simplesmente “Palha”.

A primeira casa foi construída de 1949 para 1950; calcula-se que hoje existam umas 450 casas, das quais cerca de 45 de comércio. No momento estão em construção o Posto Policial, a Casa do Lavrador e a Escola Pública. A maioria da população é de baianos, parecendo vir em segundo lugar os capixabas e em terceiro os mineiros; estamos na Região Contestada, embora sob domínio exclusivamente capixaba.

A influência baiana é nítida, e aparece no nome das lojas – “Bazar Baiano”, “Casa Ruy Barbosa”, por exemplo – em alguns chapéus de couro, no uso da rede para dormir, em qualquer coisa de sertanejo que a cidadezinha tem, com os comerciantes formando na rua pilhas de bacias, dependurando mantas de carne de sol, vendendo sofrês (corrupiões) e nas próprias construções, mais rústicas do que em uma zona de lavoura antiga do Espírito Santo ou de Minas.

Pelas minhas conversas, a base da colonização é a pequena propriedade; as terras de lavoura estão divididas em fazendolas de 40 alqueires para baixo, com boa produção de café, cereais e mandioca, a farinha feita ainda pelo processo tradicional do tipiti. A zona é boa para criatório – aqui o gado não “toca”, isto é, não é atacado por certa doença comum em algumas regiões dos municípios de Conceição da Barra e São Mateus, e que parece ser uma verminose favorecida pela ausência de algum mineral no terreno. A maior fazenda de criação tem 295 alqueires, sendo as outras muito menores. Um alqueire de terra boa para a lavoura está valendo (mato a derribar) cerca de 3 contos; a maioria dos atuais proprietários “comprou a posse” a caboclos ocupantes e depois requereu a terra ao governo. A cidadezinha tem apenas um motor elétrico – o da sorveteria – e duas geladeiras, sendo uma a querosene. O prefeito prometeu para o começo do ano trazer um motor para iluminação elétrica das ruas e casas. O movimento da rua principal durante o dia é pitoresco e vivo, com muita gente, muita poeira, cavalos, caminhões, carretas de madeira.

Seguimos viagem para oeste, para Comercinho (nome que não pode durar muito porque todo começo de povoação é chamado de “comercinho”) outro lugar completamente novo, em que funcionam ao mesmo tempo polícia mineira e polícia capixaba. Chegaremos lá tarde da noite: a história fica para amanhã.

 

Fonte: Crônicas do Espírito Santo. 1984
Autor: Rubem Braga
Compilação: Walter de Aguiar Filho, dezembro/2011
Obs.: Este livro foi doado à Casa da Memória de Vila Velha em abril de 1985 por Jonas Reis

 

 

Nota do Site sobre o Município de Montanha-ES

A colonização do território do atual município de Montanha teve início por volta de 1949, quando madeireiros, procedentes da Bahia, internando-se nas matas virgens da região, à procura de madeiras para o comércio, acamparam às margens do córrego Montanha. Surgiu pequeno povoado que, mais tarde, recebeu nos nomes de Comercinho da Palha e, posteriormente Governador Jones dos Santos Neves.

Em 1953, o povoado foi elevado à categoria de sede de distrito com a denominação de Montanha, nome do córrego que nasce entre as montanhas de granito, que circundam a cidade. 

Distrito foi criado com a denominação de Montanha (ex-povoado), pela lei estadual nº 767, de 11-12-1953, subordinado ao município de Mucuricí.

Em divisão territorial datada de 01-07-1955, o distrito de Montanha figura no município de Mucuricí. Assim permanecendo em divisão territorial datada de 01-07-1960.

Elevado à categoria de município com a denominação de Montanha, pela lei estadual nº 1913, de 28-12-1963, desmembrado de Mucuricí. Sede no antigo distrito de Montanha constituído do distrito sede. Instalado em 16-04-1964.

Em divisão territorial datada de 01-01-1979, o município é constituído do distrito sede.

Pela lei estadual nº 3344, de 09-05-1980, Montanha adquiriu do município de Conceição  da Barra o distrito de Vinhático. 

Em divisão territorial datada de 1988, o município é constituído de 2 distritos: Montanha e  Vinhático.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2009. 

 

Fonte: IBGE

Recantos Escondidos

Comunidade de Araçatiba

Comunidade de Araçatiba

A atmosfera pacata da pequena Araçatiba repousa, na verdade, sobre um turbilhão de história. História de um povo que vive ali no sentido mais literal da palavra comunidade

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Pontos turísticos em Afonso Cláudio

Pedra dos Três Pontões símbolo do município e um dos lugares mais bonitos do lugar. Com 1.100 m de altitude, fica a 10 quilômetros da sede. São usados para vôos de asa delta

Ver Artigo
Um lugar chamado Palha

Para a Prefeitura de Conceição da Barra este lugar se chama “Governador Santos Neves”, nome que a população começa a adotar, dizendo às vezes “Governador”, às vezes “Santos Neves”; muita gente ainda o denomina “Comercinho de Palha” ou simplesmente “Palha”.

Ver Artigo
Pedra da Concha - Barra do Jucu

"O valor das coisas não está no tempo em que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis"

Ver Artigo
Barra Nova

Conheça Barra Nova, o paraíso em São Mateus, norte do Espírito Santo!

Ver Artigo
Praia das Virtudes

Comecemos pela água. Como é possível uma água tão cristalina! Há algum tempo, quando eu dava um mergulho, a aliança caiu do meu dedo...

Ver Artigo