Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vitória, cidade portuária

Capa do livro de Francisco Aurélio Ribeiro

No início do século XX, a modernidade chegava a Vitória com a construção de trilhos de bonde, estrada de ferro, ponte ligando a capital ao continente, a urbanização da cidade, avenidas e parques. A cidade vai perdendo a sua característica colonial e o porto de Vitória também se transforma, deixando de ser entreposto de comercialização de mercadorias para um grande porto de exportação de café, e posteriormente, minério de ferro. Em 1906, o Governo Federal autorizou a Companhia Porto de Vitória a modernizar o Porto, construindo um cais de 855 metros, ponte, armazéns, acesso ferroviário, pátio de carga e descarga e drenagem da barra. Tais obras levaram mais de 20 anos, sendo inauguradas na década de 1940, quando o Governo do Estado, a partir da inauguração, assumiu a administração do Porto de Vitória (GURGEL, Antônio de Pádua – Portos do Espírito Santo. Vitória: Contexto, 2001, p.24-30).

Conforme Antônio Gurgel, “O café fez do Porto de Vitória um dos mais importantes do país” (GURGEL, 2001, p.31), mas foi a exportação do minério de ferro, a partir da década de 1960, e a inauguração do terminal de Tubarão, no outro lado da entrada da barra da baía de Vitória, no município da Serra, que modificou totalmente, a cidade, transformando-a, nas décadas seguintes, numa metrópole. Essa transformação da cidade já se pode observar conforme publicação de 1970:

“O Porto de Vitória, situado na Baía do Espírito Santo, tem águas sempre tranqüilas e oferece abrigo seguro às embarcações. A entrada é formada por um canal dragado com cerca de 3,5 milhas marítimas de extensão e uma profundidade mínima de 10,60 metros.

Através dessa pitoresca via de acesso, chega-se à acolhedora cidade de Vitória, Capital do Espírito Santo.

Justificando a fama de uma das mais belas baías do Brasil, ostenta um colar de ilhas esparsas, verdadeiras pérolas engastadas em suas profundas e tranqüilas águas. Por entre esse cenário de rara beleza, que se desdobra ao longo do percurso, entre a ilha e o Continente, os navios vão acostar ao cais da Cidade Presépio”. (Administração do Porto de Vitória. Um passeio ao mar. Publicação de 1970).

O epíteto “Cidade Presépio” a Vitória foi consagrado pelo escritor Aerobaldo Lelis Horta, em poema publicado em 1951, na revista Vida Capichaba, mas outros autores como Almeida Cousin, em 1930, e Teixeira Leite também em 1930, já fizeram referências a Vitória como “Cidade Presépio”, além de Adolfo Fraga, no texto d (TATAGIBA, José. Vitória Cidade Presépio. Vitória: Multiplicidade, 2005, p.06).

 

Fonte: Vitória, Cidade Portuária, na visão de seus cronista, poetas e historiadores-Vitória,2007.
Autor: Francisco Aurélio Ribeiro



GALERIA:

📷
📷


Literatura e Crônicas

Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno

Krikati, Tio Clê e o Morro do Moreno

As histórias do Morro do Moreno são contadas no livro KrikatiTio Clê e o Morro do Moreno”, de autoria de Walter de Aguiar Filho. O livro tem como público-alvo crianças e adolescentes, e conta em forma de diálogo as aventuras vividas por um menino e um homem sábio.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Anos de 1567 e 1569 - Por Basílio Daemon

Ainda outra aldeia em Reritiba, hoje Benevente, na rampa de uma montanha e ao redor dela com outra principiada ainda no lugar chamado Orobó, a dez quilômetros pouco mais ou menos do mar

Ver Artigo
Ontem, Hoje e Amanhã - Por José Carlos Corrêa

Gostávamos muito dali pois o Parque na época era o melhor lugar da cidade. Lá morava a Lurdinha, melhor amiga de Dodora, no Edifício Moscoso

Ver Artigo
Quarta-feira no Parque - Por Maria Helena Hees Alves

Admiro as peças antigas que o Parque ainda guarda: um sinaleiro apagado, um chafariz sem água e um relógio parado

Ver Artigo
Fumaça nos meus olhos - Por Marzia Figueira

A jovem de longo vestido branco, em renda e tule,...correm os anos dourados, suave é a noite, o salão é do Clube Vitória e a debutante sou eu...

Ver Artigo
O Fim - Por Maria Amélia Dalvi

A imagem mais recorrente quando eu pensava nele era: nós dois prendendo as bicicletas com correntes nas calçadas da Rua Sete

Ver Artigo