Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Vôo dos Sonhos

Vôo de parapente na rampa do Morro do Moreno, Vila Velha -ES

Voar livre pelos céus como os pássaros. Esse é um sonho que os homens acalentam desde a Antiguidade. A mitologia grega conta a lenda do jovem Ícaro, que, aprisionado no labirinto do Minotauro com seu pai, Dédalus, consegue escapar com asas semelhantes às dos pássaros construídas pelo inventivo Dédalus. Mas o jovem, inebriado com o prazer do vôo, não segue as recomendações paternas, voa tão alto que o sol derrete a cera que mantém as asas junto ao seu corpo e acaba caindo na imensidão do mar.

Na Idade Média, o gênio italiano Leonardo Da Vinci desenhou os primeiros esboços do que seria “uma máquina de voar”. Na verdade, algo muito parecido com o nosso helicóptero de hoje. Mas foi o brasileiro Santos Dumont quem, em 1906, levou efetivamente o homem aos céus.

De lá para cá, mesmo com o surgimento de aviões e helicópteros cada vez mais velozes e modernos, a vontade de voar com liberdade, sentindo o vento bater no rosto, levou ao surgimento de “engenhocas voadoras” que são utilizadas em diferentes modalidades esportivas movidas a pura paixão, prazer, adrenalina e vento!

O vôo livre, ao contrário do que muitos pensam, é bem diferente do pára-quedismo. No primeiro, o objetivo é planar durante o maior tempo possível, enquanto no outro, como o próprio nome indica, o grande barato está justamente na sensação da queda livre.

A asa-delta e o paraglider, popularmente conhecido como parapente são as duas versões do Vôo. Desenvolvido por alpinistas suíços, o parapente surgiu da necessidade que esses esportistas tinham de descer facilmente a montanha após escalá-la. No caso da asa-delta, não se sabe ao certo quando e onde surgiu. Austríacos e chineses brigam pela paternidade do invento.

Ambos os esportes levam homens a sentir-se como pássaros, mas têm suas diferenças. No parapente o esportista fica “sentado”; na asa-delta o piloto “deita de barriga” no ar. Na asa é preciso uma rampa para saltar; no outro não, uma montanha ou morro é suficiente.

Parapente ou Paraglider

Está no Brasil há cerca de 12 anos. O piloto manobra o parapente podendo subir, descer ou voar por um bom tempo.

O nome Parapente vem do francês: PARA que significa parachute (pára- quedas) e PENTE é o mesmo que colina, morro e o Paraglider vem do inglês: GLIDER que é planador.

Com o tempo, os modelos foram melhorando sua performance, chegando ao ponto de tornar-se um pára-quedas planador, compartilhando o vôo com asas-delta, chegando às nuvens, percorrendo grandes distâncias, viajando entre cidades.

O equipamento completo vai acondicionado numa mochila e pesa por volta de 17 Kg. Pode ser facilmente transportado em carro pequeno, moto ou nas costas.

Dicas

Faça um curso de paragliding em uma escola especializada - Consuma bastante água - Refeições leves - Roupas que facilitem o movimento - Bota de vôo ou trekking, tênis cano alto - joelheira de skatista - capacete - protetor solar.

Onde praticar

Nas escolas de paragliding você vai receber conhecimentos fundamentais para a prática do esporte, como equipamento, técnicas de pilotagem, meterologia, instruções de segurança, orientação topográfica, preparo físico e muitas outras coisas pra que você possa aproveitar ao máximo sua adventure. O Paragliding é regulamentado no Brasil pelo DAC - Departamento de Aviação Civil do Ministério da Aeronáutica, que fornece licenças para pilotos e instrutores através da ABVL - Associação Brasileira de Vôo Livre.

Rampa do Morro do Moreno

Para aqueles que gostam de curtir um liftão, o Morro do Moreno, com seus 185 metros de altitude, permite ao piloto curtir o belíssimo visual de Vila Velha e também de Vitória. O piloto pode liftar nos prédios por muitas horas, o pouso é na Praia da Costa e o acesso ao topo do morro pode ser feito a pé ou em carro 4x4. Quadrante de Vento - Sul a Leste.

Como diria o capitão Jack Sparrow, interpretado pelo ator Johnny Depp, em Piratas do Caribe:

- Tragam-me o horizonte.

 

Fonte: Revista Nos Trilhos - outubro/2005 e outros sites.
Texto: Fernando Marcelino

Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2012

Aventura

Uma escalada à Pedra do Oratório

Uma escalada à Pedra do Oratório

O padre Torquato, seu filho, ao levantar as divisórias de seus terrenos, deixou como um dos marcos as suas iniciais esculpidas no centro da cavidade do Oratório, ainda hoje bem visíveis 

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Vôo Livre no Moreno

Minha ligação com o Morro do Moreno, teve início quando eu mudei para o Parque das Castanheiras, bem próximo ao morro, e isto foi em 1976

Ver Artigo
Vôo em Alfredo Chaves

O relevo acidentado de Alfredo Chaves é um prato cheio para os amantes de esportes de aventura. Ao chegar à cidade é comum ver parapentes e asas-delta colorindo o céu

Ver Artigo