Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A lenda do Frade e a Freira

Monumento O Frade e a Freira desenhado por D.Pedro II quando da sua vinda ao Espírito Santo em 1860

"O FRADE E A FREIRA", formação granítica gigantesca natural de 683 metros de altitude na divisa de Cachoeiro de Itapemirim com Rio Novo do Sul e Itapemirim, próximo a BR 101. São duas montanhas geminadas que formam as figuras de um Frade e uma Freira como que esculpidas em granito.

Esta é uma das escaladas mais tradicionais do Espírito Santo. A escalada dura 60 minutos e é acessível a qualquer pessoa. O final é no topo do Frade. Lá no alto, em meio à vegetação rasteira e ao assobio dos pássaros, dá para apreciar o mar e as cordilheiras do Caparaó.

Os alpinistas saem dali para um rappel de 300 metros até o "colo" da Freira. Para fazer passeios é só agendar através dos telefones (28) 5511-0443 ou 9884-2020.

O local deu origem a uma bonita lenda, que vale a pena conhecer:

Conta a lenda que há muitos anos atrás um padre apaixonou-se por uma freira. Como o amor entre eles era impossível, foram transformados em pedra para que esse amor fosse eternizado.

Mas, há discrepâncias sobre a lenda. Confira no texto de José Augusto Carvalho:

Em 1938, no livro de edição particular, Escada da vida, o poeta cachoeirense Benjamin Silva inseriu um soneto em que conta a versão mais difundida da lenda.

"Na atitude piedosa de quem reza, / E como que num hábito embuçado, / Pôs naquele recanto a natureza / A figura de um frade recurvado. /§/ E sob um negro manto de tristeza / Vê-se uma freira tímida a seu lado, / Que vive ali rezando, com certeza, / Uma oração de amor e de pecado... /§/ Diz a lenda - uma lenda que espalharam - / Que aqui, dentre os antigos habitantes, / Houve um frade e uma freira que se amaram... /§/ Mas que Deus os perdoou lá do infinito, / E eternizou o amor dos dois amantes / Nessas duas montanhas de granito."

Em 1968, Maria Stella de Novaes publicou um livro de 163 páginas intitulado Lendas Capixabas, pela FTD, em que contesta essa versão eternizada por Benjamin Silva, sob a alegação de que as freiras só chegaram ao Espírito Santo no início do século XX, e que "Uma lenda não pode incidir num anacronismo. Nem discrepar da História"(p. 56).

Rodrigo Campaneli, em 2004, publicou um livro com o título As mais belas lendas capixabas, editado em Vitória pela Casa de Artes Campaneli Ltda. A primeira lenda que ele reconta intitula-se O Frade e a Índia (p. 8-11), em que substitui a figura da freira pela de uma indiazinha, sob a mesma alegação de Maria Stella de Novaes de que a lenda não pode discrepar da História e de que não havia freiras aqui no séc. XVII.

No entanto, uma lenda pode dar-se o luxo de falsear a história. A Canção de Roland, por exemplo, é uma lenda. No entanto, Carlos Magno é, na gesta francesa, imperador da França, usava barba e era um velho de quase duzentos anos. Em primeiro lugar, à época em que se desenrola a cena da batalha de Roncevaux (Roncesvales), Carlos Magno ainda não era imperador (778). Só o seria vinte e dois anos depois. Em segundo lugar, Carlos Magno nunca foi imperador da França, porque a França ainda não existia, no século VIII, como nação. Em terceiro lugar, à época de Roland não se usava barba, mas apenas bigode. A barba longa era moda do século XII, século em que a canção foi escrita. Em quarto lugar, Carlos Magno não atingiu os duzentos anos. À data da batalha de Roncesvales, Carlos Magno tinha pouco mais de trinta anos. Uma lenda, portanto, pode ter anacronismos.

Finalmente, com relação a discrepar dos acontecimentos reais, a Canção de Roland também falseia a História. A batalha em que Roland pereceu não era contra os mouros (que o poeta da canção chama, falsamente, de idólatras), mas contra montanheses bascos.

Assim, ao contrário do que pretenderam Maria Stella de Novaes e Rodrigo Campaneli, uma lenda pode apresentar tanto anacronismos quanto discrepâncias históricas. O fato de uma índia usar um manta, segundo a versão desses dois autores, parece-me mais discrepância histórica do que a que foi apontada na versão de Benjamin Silva.

Que importa na ficção a realidade histórica? A versão que deu nome às montanhas (o amor entre um frade e uma freira eternizado em granito pelo perdão divino) é muito mais poética e muito mais bonita. Por que destruí-la?


Autor: José Augusto Carvalho, jornalista, escritor, tradutor, mestre em Lingüística pela UNICAMP e doutor em Língua Portuguesa pela USP, é mineiro de Governador Valadares e capixaba por adoção.

 

Links Relacionados:

>> Cachoeiro de Itapemirim  



GALERIA:

📷
📷


Matérias Especiais

 Vitória era assim

Vitória era assim

Há cem anos atrás, a capital da província do Espírito Santo, muito embora já gozasse dos foros de cidade, não passava de um povoado 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praça Costa Pereira ou Independência?

Certa vez, de passagem pela Capital, um estrangeiro queixava-se: - A língua capixaba é muito difícil: escreve Costa Pereira e pronuncia-se Independência!

Ver Artigo
Ofícios reservados do príncipe regente D. Pedro I, 1822

Tenha sempre em vista como requisito essencial e objeto em que interessa à causa pública deste reino o exame e conhecimento dos sentimentos dos pretendentes

Ver Artigo
Vale do Mulembá

O Vale do Mulembá fica no bairro Joana D’arc, em Vitória, entre a Pedreira Rio Doce e o loteamento São José. O acesso é pela Rodovia Serafim Derenzi

Ver Artigo
Escolhendo panelas capixabas

Algumas panelas de barro produzidas no Espírito Santo estão ficando grossas, com queima incompleta e perdendo a cor negra profunda, tão característica. Isto se deve a fatores que pretendemos apontar

Ver Artigo
Casa da Memória de Vila Velha - Sua História

Na Prainha, à beira mar, de frente para a Praça Tamandaré, havia um casarão geminado em ruínas, uma das últimas edificações do século XIX, datada de 1893, conforme inscrição em seu frontispício

Ver Artigo