Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Guaraparim

Ruínas da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, Guarapari, ES

A origem desta cidade de Guarapari como tantas outras deste imenso Brasil, nasceu à sombra da Cruz. O nome vem da palavra indígena guará, garça (segundo os naturalistas "ibis rubra") e parim, manca, segundo o P. Jacome Monteiro em Relação da Prov. do Brasil, ano de 1610. (Esta seria a expressão correta para falarmos Guaraparim e não Guarapari, pois a palavra parí, armadilha, não satisfaz gramaticalmente nem ecologicamente).

Um missionário de Tenerife, a maior das Ilhas Canárias, província da Espanha, de nobres famílias da Península, Llarena, Loyola, Núnez e Anchieta e ainda soldado do grande santo Inácio de Loyola arribou e estas terras brasileiras a 13 de julho de 1553.

Era o Apóstolo José de Anchieta. Depois de haver evangelizado em outros cantos deste país, veio para a Capitania do E. Santo ao lugar chamado Reritiba, hoje Anchieta. "Neste ano de 1585, conduzido pelo zelo da civilização dos índios e bem-estar dos mesmos, partiu daquela aldeia vizinha para fundar com o nome de Aldeia do Rio Verde ou Aldeia de Santa Maria de Guaraparim, este reduto".

Era este lugar uma das quatro reduções que os jesuítas formaram na província do E. Santo, a última do Beato José de Anchieta. A primeira foi a de São João, de 1562, entre a Serra e Vitória. A segunda a de Reritiba, 1565. A terceira a de Reis Magos, Nova Almeida, 1569. A quarta e última a de Santa Maria de Guaraparim. Depois desta última redução, Anchieta deixou de ser Provincial e Diretor e, extenuado, recolheu-se a Reritiba onde veio a falecer a 9 de junho de 1597.

Em Guaraparim, no alto de uma colina levantou uma igreja e convento para os missionários, sob a invocação de Santa Ana ou, como diz também a história, de Santa Maria.

Antes daquela data acima, em 1558, existia próximo a Guaraparim um núcleo de índios Temiminós chefiados pelo Jaguaruçu, ou Cão Grande, e que depois se misturava com os Tupiniquins, índios do Esp. Santo. Porém a aldeia maior a fundou oficialmente Anchieta, Provincial naquela data de 1585.

Para a inauguração de Guaraparim, compôs o mais extenso e vivo Auto tupi de sua coleção, como a personagem original da Alma de Pirataraka, índio que há pouco acabara de falecer. Este auto é o mais indianista, preparado todo em tupi porque os índios desta recente aldeia pouco ou nada sabiam de português.

Consistia em louvores a Maria Imaculada e sua proteção sobre Guaraparim, terminando com a dança de dez meninos que louvam a vitória de Maria.

Confirma-se por este Auto que a igreja era dedicada a Sant'Ana e N. Srª. da Conceição era a padroeira da aldeia e ainda que se teria terminado em 1585 a igreja e para sua inauguração Anchieta teria escrito este Auto.

 

Fonte: Guarapari é o seu nome - 2ª edição - 1987
Autor: Pe. Antonio Núnez
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2012

Matérias Especiais

O Anacoreta Pedro Palácios

O Anacoreta Pedro Palácios

Em Medina do Rio Seco nasceu,
Na vila de Vasco Coutinho trabalhou e viveu;
O curumim e o índio da tribo salvou,
Na Prainha, aos colonos as mãos estendeu,
Mas foi na capela da Penha que seu nome escreveu.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Praça Costa Pereira ou Independência?

Certa vez, de passagem pela Capital, um estrangeiro queixava-se: - A língua capixaba é muito difícil: escreve Costa Pereira e pronuncia-se Independência!

Ver Artigo
Ofícios reservados do príncipe regente D. Pedro I, 1822

Tenha sempre em vista como requisito essencial e objeto em que interessa à causa pública deste reino o exame e conhecimento dos sentimentos dos pretendentes

Ver Artigo
Vale do Mulembá

O Vale do Mulembá fica no bairro Joana D’arc, em Vitória, entre a Pedreira Rio Doce e o loteamento São José. O acesso é pela Rodovia Serafim Derenzi

Ver Artigo
Escolhendo panelas capixabas

Algumas panelas de barro produzidas no Espírito Santo estão ficando grossas, com queima incompleta e perdendo a cor negra profunda, tão característica. Isto se deve a fatores que pretendemos apontar

Ver Artigo
Casa da Memória de Vila Velha - Sua História

Na Prainha, à beira mar, de frente para a Praça Tamandaré, havia um casarão geminado em ruínas, uma das últimas edificações do século XIX, datada de 1893, conforme inscrição em seu frontispício

Ver Artigo