Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Loteamento da Praia da Costa

Foto antiga com a Praia da Costa ao fundo

A ocupação da orla litorânea da cidade começou com o loteamento das terras pertencentes à família Motta durante o segundo mandato do prefeito Eugênio Pacheco de Queiroz, por volta de 1940. A divisão da gleba foi projetada pelo topógrafo Francisco Assumpção de Carvalho (Carvalhinho), que radicou-se na cidade e casou-se com a jovem Zilda Caldeira, filha de família tradicional, com quem teve 3 filhos. A área loteada estava localizada entre a praia da Sereia, a base do Morro do Moreno, o rio da Costa e o limite das terras de Manoel Ferraz Coutinho.

De início, os lotes não despertaram interesse entre os moradores locais, ainda que oferecidos com áreas amplas para receberem residências espaçosas a preços acessíveis. Na verdade, o vilavelhense foi surpreendido com tal tipo de coisa porque ao longo de muitos anos acostumou-se à idéia de que era dono absoluto do seu espaço e do mar infinito. Foi assim que viveu desde a transferência da sede da capitania para a ilha até a metade do século. Todo filho de Vila Velha podia ser comparado às gaivotas no seu vôo livre, flutuando bem alto ao sabor do vento nordeste, que sopra constantemente trazendo o cheiro do mar. Na realidade, ele só despertou com a presença de gente diferente morando em casa nova, logo adiante. Era mais um amigo que ganhava, alegrou-se, mas depois percebeu que perdia um pouco do espaço que pensava ser seu.

Logo depois surgiu o loteamento da segunda grande área litorânea compreendida entre a praia da Costa, o loteamento da propriedade Motta, o rio da Costa e as terras de outros proprietários do lado sul da cidade. Era a gleba conhecida por sítio Flexal ou Frechal, de propriedade de Manoel Ferraz Coutinho. O empreendimento teve a autoria de Albuquerque e Clodomir de Sá Adnet, que vieram de Vitória e fundaram a Sociedade Imobiliária Nossa Senhora da Penha. O loteamento foi aprovado pelo prefeito Domício Ferreira Mendes, em 1950.

E assim, Vila Velha foi descoberta pelas empresas imobiliárias, e como a procela que se lança sobre o rochedo, assim chegaram as empresas de construção que há alguns anos vêm "coroando" Vila Velha como o município que mais cresce no estado. A cidade conta atualmente com uma infinidade de forasteiros, cujos modismos a transformaram, repentinamente, numa cidade cosmopolita e muito estranha.

 

Fonte: Vila Velha - Onde começou o Estado do Espírito Santo - 1999
Autor: Jair Santos



GALERIA:

📷
📷


Bairros e Ruas

Rua Graciano Neves (ex-rua do Reguinho)

Rua Graciano Neves (ex-rua do Reguinho)

Descia por essa artéria uma vala, formada por água da Fonte Grande, daí a denominação de Rua do Reguinho 

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Primeiros moradores do Farol de Santa Luzia

Os primeiros moradores da região do Farol de Santa Luzia, na Praia da Costa, Vila Velha, foram...

Ver Artigo
Arrabaldes de Vitória - Os 10 mais frequentados por Eurípedes Queiroz do Valle

Primitivamente a expressão significava o habitante desse arrabalde. Passou depois a significar os que nascessem em Vitória. Hoje é dado a todo espírito-santense

Ver Artigo
Centro de Vitória

Palco de batalhas ferrenhas contra corsários invasores, espaço para peladas de futebol da garotada, de footings de sábados e domingos, praças, ladeiras e ruas antigas curtas e apertadas, espremidas contra os morros — assim é o Centro de Vitória

Ver Artigo
Cercadinho – Por Edward Athayde D’Alcântara

Ao arredor, encosta do Morro Jaburuna (morro da caixa d’água), ficava o Cercadinho

Ver Artigo
Avenida Jerônimo Monteiro (ex-rua da Alfândega)

Atualmente, é a principal artéria central de Vitória. Chamou-se, antes, Rua da Alfândega, sendo que, em 1872, passou a denominar-se Rua Conde D'Eu

Ver Artigo