Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Meio-Fio - Tipos Populares de Vitória

Mercado da Vila Rubim.

Chamava-se Francisco Soares Pedrosa. Alagoano. Passou a viver em Vitória a partir de 1940, vindo não sei de onde. Andava, invariavelmente, de terno branco, amarfanhado, com jornais enfiados nos bolsos do paletó. O chapéu, de palha do Chile, já muito desbotado pelo tempo, ele o trazia na mão, não se preocupando, assim, em esconder as orelhas, parcialmente decepadas. Diziam-no portador de razoável instrução. Teria sido guarda-livros, quando moço. Porque portador de defeito numa das pernas, caminhava quase sempre, - certamente para disfarçar o desequilíbrio das passadas -, com um pé no passeio e outro na rua, daí o apelido de Meio-Fio. Às vezes, aparecia com um dos pés enfaixados, apoiando-se em bengala antiga, dessas de biqueira de aço.

Quando alguma pessoa lhe apontava o defeito, se já era sua conhecida, limitava-se a lamentar a "falta de educação moral e cívica dos homens de hoje", sendo que, caso contrário, esbravejava, irritadíssimo.

Era branco, pálido, de rosto miúdo, "pele de tuberculoso, seca, áspera, com manchas cor de ferrugem", a barba sempre por fazer. Trazia, dia inteiro, ao canto da boca murcha, retorcida, um cigarrilho salivado, raramente aceso. Não era de fazer gaiatices. Gostava, isto sim, de conversa a porta dos bares, com os que lhe fingiam atenção, narrando a estes “imaginários episódios de sua participação na Revolução Constitucionalista de 1932" Não mendigava. Receberia proventos de aposentado?

Foi assassinado, covardemente, em Vitória, no mercado da Vila Rubim, em madrugada de janeiro de 1962, por marginais vindos de fora, que o pisotearam até deixá-lo em estado de coma, os mesmos que, antes, lhe haviam tomado a carteira de notas. Faleceu na Santa Casa de Misericórdia.

 

Fonte: Velhos Templos e Tipos Populares de Vitória - 2014
Autor: Elmo Elton
Compilação: Walter Aguiar Filho, fevereiro/2019

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano Novo - Ano Velho - Por Nelson Abel de Almeida

O ano que passou, o ano que está chegando ao seu fim já não desperta mais interesse; ele é água passada e água passada não toca moinho, lá diz o ditado

Ver Artigo
Ano Novo - Por Eugênio Sette

Papai Noel só me trouxe avisos bancários anunciando próximos vencimentos e o meu Dever está maior do que o meu Haver

Ver Artigo
Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Ver Artigo
Cariocas X Capixabas - Por Sérgio Figueira Sarkis

Estava programado um jogo de futebol, no campo do Fluminense, entre as seleções dos Cariocas e a dos Capixabas

Ver Artigo
Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista

Ver Artigo