Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O ICM na Constituição Federal de 1967 – Por Eurico Rezende

Capa do Livro: Memórias - Por Eurico Rezende, 1988

EMENDA N° 857

Art. 24. Compete aos Estados e ao Distrito Federal decretar imposto sobre:

...........

II — operações relativas à circulação de mercadorias.

...........

§ 7° Do produto da arrecadação do imposto a que se refere o item II, oitenta por cento constituirão receita dos Estados e vinte por cento, dos Municípios. As parcelas pertencentes aos Municípios serão creditadas em contas especiais, abertas em estabelecimentos oficiais de crédito, na forma e nos prazos fixados em lei federal". (ANAIS da Constituição de 1967 — vol. VI, tomo II.)

Minha emenda se justificava, porque objetivava evitar que aquilo que se achava expresso no inciso II do art. 23 do projeto se transformasse em coisa inteiramente diversa. Por outras palavras, diríamos que o ICM, instituído no inciso II do referido dispositivo em favor dos Estados e dos Municípios, deixaria de ser, porque, operada a sua arrecadação por parte dos Estados, estes teriam a livre disposição de sua quota-parte, ou seja, 80% do arrecadado, enquanto os 20% restantes, pertinentes aos municípios, passariam a constituir apenas suprimentos de um Fundo em favor deles. O seu pagamento, distribuição ou entrega ficariam em depósito naquilo que mencionado artigo denominava:

"...conta Fundo Estadual de Participação dos Municípios..."

Deduz-se daí, antes de mais nada, que o pagamento do que viesse a caber, em cada exercício, a tal ou qual município, poderia ser feito mediante bons ou maus critérios adotados pelos Estados, que teriam liberdade de pagar ou recolher aos cofres municipais o que lhes seria devido, mediante as preferências resultantes da discriminação político-partidária. Não é de admitir-se que, no texto constitucional, se insira tal regra, tanto mais quando se cuida de renda, cujas linhas de disciplinação se devem definir em termos inequívocos, para evitar ou obstar que uma entidade autônoma, de direito público, como, na hipótese, o Município, viesse a sofrer restrição ou embaraços de outra — o Estado — no tocante aos meios indispensáveis aos fins que lhe incumbem, quais os deveres de administrar a área onde realmente vive o povo — o Município.

A emenda evitou, assim, que se criasse mais um perigoso condicionamento de nossas comunidades por parte dos Estados, em matéria de decisivo alcance financeiro.

Lembro-me das vigorosas pressões que governadores do meu partido fizeram contra minha emenda, que lhes tirava das mãos um poderoso instrumento de manobra política. Mas venceram o bom senso e a isenção.

 

Nota do Site: Atualmente, com base na Constituição Federal de 1988, estabeleceu-se que 25% da arrecadação do ICMS ficam com o Município restando 75% para o Estado

 

Fonte: Memórias – Eurico Rezende– Senado Federal, 1988
Compilação: Walter de Aguiar Filho, setembro/2018

Variedades

Academia de Letras

Academia de Letras

A Academia de Letras Humberto de Campos, situada na Prainha em Vila Velha, foi inaugurada pela 3ª vez, no dia 26/10/2006 às 19h, sob convênio com a PMVV que patrocinou a reforma para em contrapartida lá poder funcionar o Conselho Municipal de Educação.


Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Academia Espírito-santense de Letras na minha vida - Por Francisco Aurelio Ribeiro

Academia Espírito-santense de Letras, após um século de vida, continua sua trajetória, sempre em busca de um futuro esperançoso

Ver Artigo
A Proclamação da República e o Espírito Santo

A despeito de não ter havido a participação popular, a Proclamação da República não se explica pelo ato de Deodoro da Fonseca

Ver Artigo
Sítio da Família Batalha – Por Edward Athayde D’Alcântara

Constituído de uma pequena gleba de terras de um pouco mais de três alqueires e meio (173.400,00 m²), fica localizado às margens do Rio da Costa

Ver Artigo
O Exército Brasileiro em solo Espiritossantense

A nova denominação de 3º Batalhão de Caçadores veio do Decreto nº 13.916, de 11 de dezembro de 1919, permanecendo com a mesma, até 24 de janeiro de 1949 

Ver Artigo
Praia do Ribeiro e Ilha da Baleia – Por Edward Athayde D’Alcântara

A ilha da Baleia no período do Brasil Império e Colônia foi considerada como ponto estratégico para defesa da Capitania

Ver Artigo