Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Thomas Cavendish

Forte de Piratininga - Acervo: Edward Alcântara

Thomas Cavendish

O ano era 1592. Vasco Fernandes Coutinho Filho havia morrido há três anos e deixado a administração da Capitania do Espírito Santo nas mãos de sua mulher, Luísa Grinalda (ou Grimaldi, como alguns gostam de chamar). Nos últimos anos, Vitória tinha recebido a indesejada visita de franceses e ingleses. Os franceses foram combatidos pelos índios das aldeias jesuíticas, enquanto os ingleses não chegaram a aportar, seguindo sua rota.

Dessa vez porém, os ingleses tinham vindo para invadir. Eles eram comandados pelo corsário Thomas Cavendish. O inglês, muito conhecido por ter sido o terceiro homem a dar a volta ao mundo, entre 1586 e 1588, participou também da fundação da colônia de Virgínia, nos Estados Unidos. Nessa viagem, ele estava vindo de São Paulo, local que ele havia pilhado e destruído sem dó nem piedade. E agora estava nas portas de Vitória pois um português que fazia parte da tripulação indicou a vila como um lugar rico, com engenhos e gado a conquistar.

Cavendish tentou entrar na baia da Vila de Vitória com seus três navios e duas galeras, mas o canal não tinha a profundidade necessária para isso. Como estava anoitecendo, resolveu então esperar o dia seguinte para tentarem invadir a cidade com pequenos barcos. O povo de Vitória, já sabendo dos navios próximos ao canal, ficou com medo de uma invasão durante a noite. Foi assim que resolveram colocar fogo no Morro do Moreno e em todos os morros dali até o Penedo, dando a impressão de que eles possuíam grandes aparatos de defesa.

Enquanto os morros queimavam na noite, a população da vila se juntou e construiu dois fortins de madeira, barro e pedra, disfarçados nas árvores, tanto ao pé do Penedo como aonde viria a existir o Forte São João, do outro lado do canal.

Segundo o diário de um de seus marujos, de nome Antônio Knivet, o corsário inglês não queria invadir a vila, mas seus capitães desejavam ir à terra e tomar a povoação. Assim, pela manhã, cerca de 120 homens de Cavendish comandados pelo Capitão Morgan e pelo Tenente Royden foram em dois barcos em direção a Vitória. Cada um atacou um dos fortins de proteção.

O barco de Royden conseguiu se aproximar do fortim do Penedo e derrotar os capixabas. O outro barco, o de Morgan, encalhou no meio do caminho e foi fortemente atacado a flechas, e o próprio capitão perdeu sua vida. Desesperados, os homens voltaram ao barco, sem conseguir desencalhar a embarcação. Muitos morreram afogados.

Vendo seus companheiros morrendo sob flechadas, os homens de Royden deixaram o Penedo e foram ajudá-los. Para a sorte dos defensores, o segundo barco também encalhou e os capixabas se apressaram em atacar os invasores indefesos pelos dois lados. Com muitas baixas, Thomas Cavendish saiu em busca de seus homens, salvando os que pôde. Ao sair da baia de Vitória, ainda foi atacado pelo Forte de Piratininga (hoje conhecido como São Francisco Xavier). Dos 120 homens, apenas 40 voltaram. Novamente segundo o diário de Knivet, todos eles possuíam algum ferimento de flecha. Alguns chegaram a ter cinco ou seis feridas.

Após a derrota, o corsário desistiu de atacar cidades brasileiras e virou suas velas rumo à África. Apesar disso, não conseguiu alcançar o continente. Durante uma tempestade, Cavendish viu suas cinco embarcações serem dispersadas pelo vento e ele mesmo morreu, na Ilha Ascensão, ainda no ano de 1592.

 

Autor: Fabio Paiva Reis, setembro/2008

Meu nome é Fabio Paiva Reis e eu sou do curso de História da Universidade Federal do Espírito Santo. Estou no último período.

Para escrevê-la, utilizei como base os livros Provincia do Espirito-Santo. Sua Descoberta, Historia Chronologica, Synopsis e Estatistica, lançado em 1879 por Bazilio Carvalho Daemon, e História do Estado do Espírito Santo, de José Teixeira de Oliveira, relançado nesse mês de agosto de 2008 durante a comemoração dos 100 anos do Arquivo Público do Espírito Santo.

História do ES

Como se escrevia a história nos tempos de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Como se escrevia a história nos tempos de Maria Ortiz - Por Mário Freire

Maria Ortiz despejou um caldeirão de água fervente, no Almirante Pieter Pieterszoon Heyn, chefe da expedição holandesa

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Os erros de Thomas Cavendish - Assalto à barra do Espírito Santo (4ª Parte)

"No meu barco havia um marinheiro português. Ele veio para mim e garantiu com a própria vida, que dirigiria meus dois navios, sem acidentes, até à barra do Espírito Santo"

Ver Artigo
Thomas Cavendish e as peripécias de um desembarque malsucedido (1ª Parte)

O desembarque se deu na atual baía de Vitória, Capital do Estado do Espírito Santo, denominada à época (fevereiro de 1592), de barra do Espírito Santo

Ver Artigo
Tomaz Cavendish - Por Norbertino Bahiense

O que se sabe, entretanto, é que ele se deu com os holandeses, numa das suas investidas ao famoso Convento e não com o célebre Cavendish

Ver Artigo
Comentários da Invasão de Cavendish (7ª Parte)

Os historiadores José Teixeira de Oliveira e Maria Stella de Novaes fazem referência ao cacique Jupi-Açu e seus duzentos índios, acampados nas imediações de Vila Velha

Ver Artigo
Epílogo da invasão de Thomas Cavendish (8ª e última Parte)

Como decorrência da apreciação analítica da passagem de Cavendish pelo Brasil quinhentista, dirimir-se-ão algumas dúvidas; velhas certezas poderão ser questionadas

Ver Artigo
O Combate na Baía do Espírito Santo - Cavendish (5ª Parte)

O capitão Morgan lembrou minhas palavras aos marinheiros, mas alguns “cabeças-duras” começaram a praguejar, dizendo que sempre consideraram Morgan um covarde, que fingia sofrer de diarréia, para fugir da briga, quando na verdade, se borrava de medo de tudo

Ver Artigo
Resumo da narrativa de Thomas Cavendish (6ª Parte)

"Revogaram minha licença de marinheiro. Essa nada edificante aventura pelos Mares do Sul fechou as portas do Sete Mares para mim”

Ver Artigo
Desembarque inglês na Baía do Espírito Santo (3ª Parte)

Chegando o ano de 1592, o pirata inglês Thomas Cavendish, depois de repelido da Capitania de São Vicente, onde perdeu muita gente, reuniu-se ao navio Roebuck – comandado pelo capitão Roberto Morgan – e continuando a assolar as costas do Brasil, veio ter à Capitania do Espírito Santo

Ver Artigo
Considerações acerca do desembarque inglês na Baía de Vitória, em 1592 (2ª Parte)

A escaramuça dos marujos de Thomas Cavendish não pode ser considerada como simples e inconseqüente ato de pirataria

Ver Artigo