Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Fonte da Capixaba – Por Maria Stella de Novaes

Chafariz da Fonte da Capixaba

Uma linda cunhã, da tribo que dominava a Ilha de Duarte de Lemos, hoje Cidade da Vitória, ralava-se ao amor de um bravo guerreiro lusitano, ádvena, porém, que se desinteressava das belezas indígenas, — fossem paisagens ou mulheres. Suspirava pela sua terra natal, que ficava distante, e, saudoso, concentrava-se no que lá deixara, com o seu coração. Tencionava, talvez, acumular riqueza, no Brasil, a fim de regressar, aparelhado para a aquisição de terras e outros bens, antes mesmo de procurar o seu primeiro amor.

Ao coração da índia, entretanto, cruciava a indiferença do guerreiro branco. Ignorando a causa de tal atitude, aos seus carinhos puros e sinceros, ela chorava, chorava, até que, impressionado, um pajé, seu avô, resolveu providenciar algo, para resolver a situação. Numa concha, semelhante ao búzio encantado do Penedo, recolheu as lágrimas daquela paixão e, numa noite destinada à celebração dos mistérios de Jurema, — invocando Janaína, a cabocla sereia do mar, e o caboclo das encruzilhadas, fez brotar da terra a maravilha de uma fonte belíssima, cujos predicados eram a doçura de uma carícia e o murmúrio de um suspiro de amor, na espessura agreste da mata!

No trabalho intenso de sindicar recursos de defesa da Ilha, certo dia, o guerreiro sentiu-se abrasado e procurou dessedentar-se, na fonte misteriosamente originada, naquele sítio, pelo amor, desfeito em lágrimas, de uma índia capixaba. Logo, seus olhos, deslumbrados, descortinaram as belezas, que o cercavam, e o jovem lusitano, subiu, subiu, cada vez mais fascinado pela magia do meio, encanto acentuado, com o murmúrio indefinível da água.

Mais uns passos e, na espessura da mata, a suavidade de uma melodia, quase imperceptível, guiava-o para o sombreado de uma fronde rósea de uma sapucaia secular. Já, o guerreiro se esquecera do amor distante, em Portugal. Inebriara-se, pelos atrativos da terra capixaba. Quedou-se, por isso, estático, perante a visão fascinante de um vulto de mulher recostado no tronco recoberto de ipoméias floridas. Era a índia forte e bela, filha da selva capixaba.

Então, o guerreiro, antes, excêntrico e indiferente, sentiu o milagre do Amor! ...

Nunca mais, o seu pensamento se alou às plagas lusitanas...

A Fonte da Capixaba continuou, porém, a guardar o sortilégio haurido, na bênção do velho pajé: — "Quem bebe da sua água não mais se afasta do Espírito Santo".

Torna-se capixaba, — de coração!

"Esta lenda nos foi descrita, pelo Dr. Heráclito Amâncio Pereira".

 

Fonte: Lendas Capixabas, 1968
Autora: Maria Stella de Novaes
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2015

Folclore e Lendas Capixabas

O Morro do Alecrim – Por Maria Stella de Novaes

O Morro do Alecrim – Por Maria Stella de Novaes

Pescadores da Praia de Inhoá ouviam prantos e lamentações, que pareciam vir de um oratório encantado, existente no do Morro do Alecrim

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

O Enfermeiro das contas brancas - Por Maria Stella de Novaes

Era assim chamado um irmão leigo franciscano, que viveu alguns anos, em Vitória, e passou, depois, a residir na Ermida das Palmeiras, onde preparou a construção do Convento

Ver Artigo
O Poço de Anchieta – Por Maria Stella de Novaes

Sofria a população de Iriritiba, ou Reritiba, e suas vizinhanças as conseqüências de forte e prolongada estiagem

Ver Artigo
A Pedra do Diabo – Por Maria Stella de Novaes

Na Pedra do Diabo, existem sinais, — relevos e incisuras, semelhantes a marcas de pés e cruzes

Ver Artigo
O Tesouro de Caçaroca – Por Maria Stella de Novaes

A foz do Marinho, onde entrou e foi subindo... subindo, até que, no lugar chamado Caçaroca, submergiu toda a imensa riqueza

Ver Artigo
O Penedo – Por Maria Stella de Novaes

Conta-nos uma lenda que o Penedo é mágico, por isso, na passagem de um navio pela sua frente, os viajantes devem atirar-lhe moedas

Ver Artigo
A Cruz de Muribeca - Por Maria Stella de Novaes

Lembra-nos o lugar chamado Muribeca, no Município de Itapemirim, um dos mais antigos redutos, ou fazendas, fundados pelos jesuítas, no Espírito Santo

Ver Artigo
A Árvore Negra do Queimado – Por Maria Stella de Novaes

A Insurreição do Queimado representa, de certo, no Espírito Santo, a passagem mais dolorosa do século XIX

Ver Artigo
O Fantasma da Penha - Por Maria Stella de Novaes

No caminho da Penha, (hoje Ladeira do Convento), ainda sem a calçada de lajes e divisão, nos Sete Passos murados, havia uma pavorosa assombração! 

Ver Artigo
A morte do Asceta - Por Maria Stella de Novaes

E, lá, na ermida em que se deu o desenlace, ajoelhado ainda e mãos postas no altar, Frei Palácios parece, enlevado, a rezar!

Ver Artigo
Capixaba - Por Maria Stella de Novaes

Uma lenda relacionada com a chegada rumorosa dos lusitanos à Capitania do Espírito Santo conta-nos que, entre os ádvenas, havia um jovem de cabelos dourados

Ver Artigo