Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Origem da palavra Capichaba

Dr. Antônio Francisco de Athayde

Capixaba do mais puro quilate, capixaba quatrocentão, poderíamos dizer, orgulhoso e envaidecido da terra que o viu nascer, e que o agasalhou na serenidade daquele sono, de que não se acorda, Antônio Athayde publicou, no volume IX da Revista deste Instituto, alentado estudo, verdadeira monografia, que intitulou — A semântica do vocábulo indígena — CAPICHABA.

E dedica, aos espírito-santenses, tão notável trabalho, com as seguintes e carinhosas palavras — "Lede com patriotismo as desataviadas páginas desta Memória... e, orgulhai-vos, pois, de vos chamarem Capichabas".

Em o estudo, ora referido, Antônio Athayde tudo investiga, e cita mestres, e debate o problema da grafia da palavra capichaba, quando escreve:

"incontestavelmente, o diagrama CH se pronuncia em alguns idiomas como se fosse — X —; porém, para o nosso caso, a grafia Capichaba com CH, conforme já expusemos, é etimologicamente certa. É, portanto errado, escrever Capichaba com X, como errado é pronunciar Anchieta de origem espanhola, dando ao grupo CH o valor sônico de K, que só é permitido nos vocábulos de origem grega. Conforme já ficou provado, o vocábulo Capichaba, tem o valor semântico de lavoura de milho em plena floração. Foi o plantio consecutivo do milho pelos índios mansos, entre o forte de S. João e a ladeira Pernambuco na vila nova de Vitória, que apelidou esse bairro de Capichaba e, mais tarde transmitido este nome aos próprios indígenas ali aldeiados cognominou a tribo dos "Capichabas". esse nome foi uma bandeira de combate, foi o orgulho dos nossos maiores. Foi do heroísmo desta destemerosa gente da vila de Vitória, resistindo à tirania dos primeiros invasores da ilha e posteriormente amparada pelos missionários, que se começaram a contar as glórias da nossa terra. Foi o marco inicial do nosso provincialismo, isto é, a manifestação do nosso regionalismo, o primeiro amor ao torrão natal".

Longe de mim a convicção, a certeza de ter prestado, a Antônio Francisco de Athayde homenagem à altura de seus méritos, à altura de sua pujança intelectual, à altura do muito que ele serviu ao Espírito Santo, do muito que ele fez pela sua gente, pela sua gleba, como Capichaba de escol.

E por tudo isso repito-lhe, uma vez mais, o conceito lapidar, pleno de sabedoria: — "não se pode bem avaliar a relevância dos serviços prestados por um homem, senão depois da sua morte".

 

Fonte: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo, Nº 21 – ano, 1961
Autor: Professor Nelson Abel de Almeida
Solenidade:  Sessão solene de 22 de setembro de 1960, no IHGES em homenagem ao Centenário de Antônio Francisco de Athayde
Compilação: Walter de Aguiar Filho, fevereiro/2015
Nota: veja o discurso na íntegra no site em (Centenário do Dr. Antonio Athayde - Parte I e Parte II)

Curiosidades

Cobrança de pedágio na Ponte da Barra do Jucu

Cobrança de pedágio na Ponte da Barra do Jucu

Quando Saint-Hilaire esteve no Espírito Santo, ao chegar em Vila Velha, em 1818, observou que a ponte de madeira construída sobre o Rio Jucu, tinha uma “porta” que só era aberta para passagem de pedestres e de mercadorias mediante o pagamento de uma taxa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado

Ver Artigo
Pedra da Onça - Por Seu Dedê

Localizada à margem esquerda do canal da Costa, braço sul. De frente ao Shopping Praia da Costa 

Ver Artigo
Ponga de Bonde – Por Edward Athayde D’Alcântara

Existe uma diferença entre carona e ponga

Ver Artigo
Praia da Sereia - A origem do nome

A origem do seu nome remonta aos primeiros anos do século XX, quando chegaram a Vila Velha, vindos do Rio de Janeiro, alguns construtores para construir o Terceiro Batalhão de Caçadores

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Wied, Freyreiss e Sellow

Pouco antes de iniciarem excursão pelas províncias do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Bahia, chegou à Corte, em meados de junho de 1815, Maximiliano Alexandre Philipp, Prinz von Wied-Neuwied

Ver Artigo