Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

As Cruzes da Estrada – Por Adelpho Monjardim

Capa do Livro: O Espírito Santo Na História, Na Lenda e No Folclore

Quem passar pela rodovia que liga Ibatiba, às margens da BR-262, à sede do município de Iuna, notará, não sem espanto, e íntima interrogação, as cruzes que enxameiam à beira da estrada. Cemitério? É a impressão, logo desfeita pela ausência dos requisitos de um Campo Santo. Refeita a mente do primeiro choque, da primeira impressão, compreende-se a razão daquelas cruzes — a vindita, o crime organizado; o braço assassino a soldo para silenciar um importuno. É a violência imperando, tanto no campo como nos grandes centros, desafiando a Lei e a Justiça. É o sindicato do crime, contrafação cabocla da Máfia e da Camorra.

Acobertados pelas trevas noturnas, favorecidos pela cumplicidade do ermo, os sicários executam as nefandas tarefas, dirimindo pela via mais rápida questões de terceiros. Na maioria os casos se prendem a questões de terras, de família ou dívidas.

Pelas estradas as cruzes se vão multiplicando como desmentido à civilização, retorno à barbárie.

Segundo a lei natural de que nada se perde e tudo se transforma, aquelas cruzes, que não foram testemunhas, mas assinalam a consumação de crimes, ingressaram no folclore local.

Curioso! Naquela zona conflagrada, sacudida pela violência, onde matar faz parte do cardápio diário; onde os homens não temem a morte, por coisa alguma os mais bravos se aventuram, às horas mortas, por aquela estrada.

É a voz corrente que, nas caladas da noite, os ali enterrados abandonam as covas e vagueiam pela estrada, aterrorizando mesmo os irracionais.

Contam que certo valentão resolveu tirar a limpo a versão, pois não acreditava em assombração, em almas d'outro mundo e quejandos. Chamava-se Pedro. Foi, é certo, mas não voltou. Nunca mais se soube dele. É o único que não tem cruz ali.

 

Fonte: O Espírito Santo na História, na Lenda e no Folclore, 1983
Autor: Adelpho Poli Monjardim
Compilação: Walter de Aguiar Filho, novembro/2016

Folclore e Lendas Capixabas

Pedro Palácios – Por Adelpho Monjardim

Pedro Palácios – Por Adelpho Monjardim

A loca em que viveu, no sopé do morro, junto à subida para o Convento, transformou-se em monumento histórico

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Por que Peroás e Caramurus? - Por Areobaldo Lellis Horta

À garrida "oficialidade" ao passar a igreja da Misericórdia, onde está hoje o edifício da Assembléia, a guarda, postada à porta do Palácio, bradou "às armas" e o pequeno pelotão ali existente, formou, sob o comando de um sargento

Ver Artigo
A Pedra dos Ovos – Por Adelpho Monjardim

Consiste a interessante formação em compacto bloco de granito, sofrivelmente oval, superposto a outro menor, em perfeito equilibro

Ver Artigo
Horas de Lazer nos anos 40 em Vila Velha – Por Seu Dedê

As brincadeiras eram comuns a todas as crianças, sem distinção de classe social. Tínhamos muitas e muitas

Ver Artigo
Carta ao meu cumpade Almando Azevedo (Aribiri, Vila Velha)

Meu cumpade que sódade / que vontade de chora, quando me alembra das noiques / que ensaiemo no Celestiá, foi só pra toma amizadi / com o cumpade do Arraia

Ver Artigo
A Manteigueira Assombrada – Por Maria Stella de Novaes

Desse romance entre a mulher índia e o colono luso, resultou a lenda de uma "assombração", para a Casa da Manteigueira

Ver Artigo