Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

As Minas de Germano da Samarco

A foto mostra um bloco maciço de Itabirito - Fonte: Complexo Samarco – Suplemento especial de A Gazeta, 29 de setembro de 1977

As jazidas de Germano, no município de Mariana. Minas Gerais, onde a Samarco Mineração S.A. iniciou a sua operação de lavra e beneficiamento, tem reservas estimadas em 400 milhões de toneladas de minério de ferro aproveitável. Segundo estudos da empresa esta quantidade estimada é suficiente para a uma produção, por muito tempo, de 10 milhões de toneladas de concentrados anuais para pelet-feed, com 67.5% em teor de ferro.

Prevê que, futuramente, outros corpos nos minérios nas formações do complexo Alegria poderão ser aproveitados e integrados ao projeto. Outros dados revelam que o potencial estimado de todas as reservas dessa área é de 17 milhões de toneladas. A mina de Germano é só para atender à Samarco com 10 milhões de toneladas ano, e poderá passar futuramente para 15 milhões.

LOCALIZAÇÃO

A mina de Germano é parte integrante do chamado Complexo Alegria, localizado em Mariana distante cerca de 140 quilômetros de Belo Horizonte. Segundo o engenheiro Fernando Versiani dos Anjos, do Departameno de Engenharia da Samarco, a estimativa de cerca ele 400 milhões de toneladas de minério de ferro na mina de Germano, foi feita pelo que se mediu até hoje, podendo ocorrer na região uma quantidade bem superior a esta. Falando sobre o Quadrilátero Ferrífero, o engenheiro Versiani dos Anjos enfatizou que se trata de uma região em Minas Gerais, cujos vértices estão ligados a Santa Bárbara, Congonhas, Mariana e Belo Horizonte. O Complexo Alegria é uma denominação que se dá a um dos grandes depósitos que compõe o Quadrilátero Ferrífero em Minas Gerais. A mina de Germano, por exemplo, é parte integrante do Complexo Alegria.

O ITABIRITO

O itabirito é uma rocha metamórfica, laminada, composta predominantemente de quartzo granular e óxido de ferro na forma de hematita ou ghoetita. A percentagem de óxidos de ferro é variável. Quando alcança valores consideráveis na composição da rocha (cerca de 50 a 60% de ferro), constitui um dos mais importantes minérios desse elemento.

As maiores ocorrências de itabirito encontram-se no Brasil. Espessas camadas ocorrem em Minas Gerais, nos municípios de Itabira, Santa Bárbara. Ouro Preto, Mariana, Nova Lima, Brumadinho, Conselheiro Lafaiate e outras vizinhas a estas. Segundo o engenheiro da Samarco Mineração, Fernando Versiani, na Mina de Germano maior parte se consiste em uma variedade de itabirito, contendo cerca de 53% de ferro.

EXTRAÇÃO

A extração do minério de ferro é feita a céu aberto, em bancadas descendentes. Para o desmonte de bancadas, face à friabilidade do corpo de minério, torna-se necessário o uso de explosivos e de perfuração.

Conforme explicações de engenheiros ligados ao setor na Samarco as camadas superficiais que cobrem o corpo são compactas e serão desmontadas com explosivos. Para isso são usadas, sempre que necessário, duas perfuratrizes rotativas alto-propulsoras a ar comprimido, que farão os furos a serem carregados com mistura de nitrato de amônia e óleo combustível (Anfor), explodindo-se as camadas compactas.

O minério desmontado é transportado através de correias com extensão de 2.822 metros que se estende pelas bancadas ligando as frentes em lavra. Uma correia transportadora coletora descendente leva minério até uma empilhadeira, que junta o itabirito. O material estéril é levado por caminhões fora-de-estrada de 32 toneladas de capacidade.

CONCESSÃO

As operações do complexo mina-mineroduto-usina-porto resumem o longo percurso do minério, desde as jazidas até o terminal marítimo construído em Ubu, município de Anchieta. Iniciam-se na lavra das jazidas de Germano, a céu aberto, em bancadas descendentes, seguindo-se a triagem granulométrica em peneiras vibratórias.

As instalações de lavras e concentrado de itabiritos da mina de Germano (integrantes do Complexo de Alegria), situada no município de Mariana, em Minas Gerais, teve a sua concessão transferida pela S.A. Minerado da Trindade (Samitri) para a Samarco Mineração S/A.

 

Fonte: Complexo Samarco – Suplemento especial de A Gazeta, 29 de setembro de 1977
Compilação: Walter de Aguiar Filho, março/2015

Portos do ES

A criação da Vale - Parte II (História da Vale)

A criação da Vale - Parte II (História da Vale)

Firmados em 3 de março de 1942 e tendo como signatários os governos do Brasil, da Inglaterra e dos Estados Unidos, os Acordos de Washington definiram as bases para a organização, no Brasil, de uma companhia de exportação de minério de ferro

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Complexo Samarco – Sistemas Antipoluentes

Técnicos da Samarco afiançaram que "todo o complexo está dotado de equipamentos antipoluentes, tanto no que diz respeito a água quanto à poluição do ar

Ver Artigo
Complexo Samarco – História com Geologia

Grandes massas de minério de ferro estão localizadas no Estado de Minas Gerais numa região denominada de ''Quadrilátero Ferrífero

Ver Artigo
Complexo Samarco – História com Engenharia

O abastecimento de água para as várias finalidades está sendo feito pela lagoa Maimbá e por poços localizados na região de Ubu

Ver Artigo
Complexo Sarmarco – Depoimentos

A Federação do Comércio é favorável ao desenvolvimento de pólos industriais orientados, pois só assim poderemos ver a distribuição equilibrada da riqueza

Ver Artigo
Anchieta, o descobridor do minério de ferro no Brasil

Por estranho e incomum que possa parecer, foi o apóstolo José de Anchieta quem descobriu  pela primeira vez no Brasil, o minério de ferro, no Estado de São Paulo

Ver Artigo
Ponta de Ubu

Uma empresa, denominada SAMARCO, começa a instalar-se em Ponta de Ubu

Ver Artigo