Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Bar Santos

Bar Santos - Vila Rubim

Não eram uma nem duas. Nem dez nem vinte. Eram centenas as latas de achocolatado (Toddy) que ficavam expostas nas prateleiras ao longo de todo o bar. Elas não competiam com nenhum outro produto que os garçons serviam. Virtualmente anulavam todos eles e davam o tom do ambiente.

Era um bar e não era. Aliás, é assim até hoje. Diferente, pois ali desfilavam, principalmente à noite, brancas roupas dos estudantes de Medicina que faziam plantão na Santa Casa de Misericórdia, além, é claro, dos próprios médicos e paramédicos. Todos desciam para tomar lanche. O bar, portanto, não abrigava bêbados. Ou recebia alguns raros e desorientados.

Mas o mais charmoso do Bar Santos, um pedacinho de chão então com cheiro de século passado incrustado na Vila Rubim, era a canoinha. Um sanduíche simples, de pão cavado, sobre o qual colocava-se o presunto e o queijo para irem ao fogo. O primeiro dourava um pouco. O segundo derramava-se sobre ele. Os dois formavam um par fantástico dentro daquela panelinha de trigo e fermento, e desciam casadinhos para os esfomeados estômagos dos frequentadores.

Um dia o Bar Santos fechou. Passou um tempo e abriu novamente. Não como era antes, agora dirigido por descendentes dos velhos proprietários e tornado também restaurante, mas lembrando muito o velho ambiente. Continua lá, sendo tocado heoricamente, no mesmo clima de antes, dando um certo ar de seriedade àquele pedaço meio desprestigiado da Ilha de Vitória. O canoinha resiste. Junto com ele, outros sanduíches e até a coalhada e o creme.

Bares costumam durar apenas tanto quanto a vida. A Confeitaria Colombo, no Rio de Janeiro, resiste veterana de século graças à continuidade do trabalho dos descendentes daqueles que a fundaram. Em São Paulo, um recanto tradicional, a Salada Paulista, não sobreviveu à parada cardíaca de seu dono, e há muito tempo fechou as portas.

Aqui, novos, os recentes donos do Bar Santos tocam o negócio e preservam um pouco da história recente de Vitória. Não daquela das grandes noitadas boêmias, mas a outra, dos papos mais compromissados, às vezes apressados, em frente a um pedaço de mármore erguido sobre pés de ferro, onde se lancha para continuar a noite de trabalho. Ou então para chegar em casa e cair na cama de barriga cheia. E fazer isso depois de comer canoinha, podem crer, é bom demais.

 

Autor: Álvaro José Silva
Livro: Escritos de Vitória - 8 - Bares, botequins, etc.. - 1995
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012 

 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Fast Bar  
>>
 O Bar Hamburgo
>> Britz  

>>
 O Bar Globo  

Matérias Especiais

Olha aí o chup-chup!

Olha aí o chup-chup!

Relembrando os antigos pregões de Vila Velha na década de 20, que era o repertório de vendedores ambulantes para atrair a "freguesia", vemos que algumas características da vila ainda não mudaram.

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1534 – Por Basílio Daemon

No dia 1º de junho de 1534 deste ano faz el-rei D. João III doação a Vasco Fernandes Coutinho da capitania do Espírito Santo 

Ver Artigo
Ano de 1508 e 1526 – Por Basílio Daemon

Cristóvão Jaques: o descobridor da costa do Espíto Santo que deu nome a praça, hoje conhecida como Praça do Cauê

Ver Artigo
Estórias de Boêmios - Por Hélio de Oliveira Santos

Este livro não tem pretensões literárias. Aviso logo, de antemão ao Dr. Austregésilo de Athaíde, presidente da Academia Brasileira de Letras, que não me convide para concorrer a uma cadeira 

Ver Artigo
Dia da Mulher - Origem

O dia 8 de Março é, desde 1975, comemorado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher!

Ver Artigo
Dia Internacional da Mulher

Queremos registrar aqui o nosso agradecimento a todas as mulheres que contribuem com este site, seja enviando fotos especiais e antigas, textos, ou sugerindo matérias através do nosso Fale Conosco

Ver Artigo