Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Bar Santos

Bar Santos - Vila Rubim

Não eram uma nem duas. Nem dez nem vinte. Eram centenas as latas de achocolatado (Toddy) que ficavam expostas nas prateleiras ao longo de todo o bar. Elas não competiam com nenhum outro produto que os garçons serviam. Virtualmente anulavam todos eles e davam o tom do ambiente.

Era um bar e não era. Aliás, é assim até hoje. Diferente, pois ali desfilavam, principalmente à noite, brancas roupas dos estudantes de Medicina que faziam plantão na Santa Casa de Misericórdia, além, é claro, dos próprios médicos e paramédicos. Todos desciam para tomar lanche. O bar, portanto, não abrigava bêbados. Ou recebia alguns raros e desorientados.

Mas o mais charmoso do Bar Santos, um pedacinho de chão então com cheiro de século passado incrustado na Vila Rubim, era a canoinha. Um sanduíche simples, de pão cavado, sobre o qual colocava-se o presunto e o queijo para irem ao fogo. O primeiro dourava um pouco. O segundo derramava-se sobre ele. Os dois formavam um par fantástico dentro daquela panelinha de trigo e fermento, e desciam casadinhos para os esfomeados estômagos dos frequentadores.

Um dia o Bar Santos fechou. Passou um tempo e abriu novamente. Não como era antes, agora dirigido por descendentes dos velhos proprietários e tornado também restaurante, mas lembrando muito o velho ambiente. Continua lá, sendo tocado heoricamente, no mesmo clima de antes, dando um certo ar de seriedade àquele pedaço meio desprestigiado da Ilha de Vitória. O canoinha resiste. Junto com ele, outros sanduíches e até a coalhada e o creme.

Bares costumam durar apenas tanto quanto a vida. A Confeitaria Colombo, no Rio de Janeiro, resiste veterana de século graças à continuidade do trabalho dos descendentes daqueles que a fundaram. Em São Paulo, um recanto tradicional, a Salada Paulista, não sobreviveu à parada cardíaca de seu dono, e há muito tempo fechou as portas.

Aqui, novos, os recentes donos do Bar Santos tocam o negócio e preservam um pouco da história recente de Vitória. Não daquela das grandes noitadas boêmias, mas a outra, dos papos mais compromissados, às vezes apressados, em frente a um pedaço de mármore erguido sobre pés de ferro, onde se lancha para continuar a noite de trabalho. Ou então para chegar em casa e cair na cama de barriga cheia. E fazer isso depois de comer canoinha, podem crer, é bom demais.

 

Autor: Álvaro José Silva
Livro: Escritos de Vitória - 8 - Bares, botequins, etc.. - 1995
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2012 

 

 

LINKS RELACIONADOS:

>> Fast Bar  
>>
 O Bar Hamburgo
>> Britz  

>>
 O Bar Globo  

Matérias Especiais

Crônica Campeã

Crônica Campeã

O texto abaixo ficou em 1º lugar no concurso literário promovido pela Prefeitura de Vila Velha em 2002

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

De vento em popa

Era uma atração; um programa pra lá de quente quando, nas manhãs de domingo aconteciam, na baia de Vitória, lá pelos anos 55... 60... as concorridas regatas a remo

Ver Artigo
Referências bibliográficas do livro

Já vi quem iniciasse a leitura de um livro pelas suas referências bibliográficas. Para os macróbios da historiografia será de grande valia

Ver Artigo
Massena e Fanzeres - Mestres da Arte no ES

Levino Fanzeres, pintor de renome nacional, visitava o boêmio Homero Massena em Vila Velha, que recebia também Hélios Selinger, o grande simbolista brasileiro

Ver Artigo
Segunda Viagem ao Interior do Brasil. Espírito Santo

Esse lugar (Lagoa Juparanã) será, certamente, então, um dos mais bellos do imperio do Brasil 

Ver Artigo
Edificações de Vitória

Preservando a memória do Centro, Vitória guarda também o Teatro Carlos Gomes, a sede do Palácio Anchieta, o Mercado da Capixaba, o Teatro Glória, o Arquivo Municipal, o Palácio Domingos Martins

Ver Artigo