Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Bonde em Vila Velha e Vitória

Bonde na Prainha em 1936

Em Vila Velha o bonde fazia um percurso de dez quilômetros sobre a linha férrea. Eram dois bondes – um saía de Paul, o outro de Vila Velha. O cruzamento entre eles se dava na estação de Aribiri.

Ali havia uma garagem para os serviços de reparo e manutenção dos bondes.

Os passageiros completavam a viagem para Vitória atravessando a baía nos botes dos catraieiros ou em lanchas. Havia duas lanchas: a Elizabeth e a Santa Cecília. Elas pertenciam à empresa que mantinha os bondes e fornecia eletricidade a capital do Estado e a Vila Velha.

O bonde era todo aberto e ventilado. Quando chovia era necessário baixar as cortinas de lona. Mesmo sem desenvolver grande velocidade, o bonde encurtava o tempo dos percursos entre as localidades que servia. As paradas eram indicadas pelos postes com uma faixa pintada de branco.

Os assentos dos bondes eram de madeiras, mas confortáveis. Em cada um cabiam cinco pessoas sentadas. Na hora de maior movimento, muitos passageiros viajavam em pé entre os bancos. Era comum os homens irem nos estribos, do lado de fora do veículo.

Havia também o reboque, que era um vagão menor, com menos conforto. Ele era ligado à parte traseiro do bonde, nos horários de maior movimento. Neles, o preço das passagens era mais barato e permitia-se o transporte de pequenos volumes.

A eletricidade que movia os bondes vinha pelos fios dos postes. O motorista chamava-se motorneiro e o cobrador das passagens, condutor. O condutor trabalhava percorrendo o estribo com o dinheiro na mão. Fiscais controlavam o movimento dos passageiros e o trabalho dos motorneiros e dos condutores. Todos usavam uniformes e quepes.

 

Fonte: Vila Velha: Nosso Município
Autores: Luiz Guilherme Santos Neves/ Léa Brígida Rocha de Alvarenga Rosa/ Renato José Costa Pacheco, ano 2003

Confira essas fotos inéditas do bonde em Vila Velha e Vitória. As fotos são do acervo particular do Pesquisador Edward D'Alcântara, residente em Vila Velha.



GALERIA:

📷
📷


Bonde

A última lancha da noite

A última lancha da noite

O usuário que estivesse em Vitória e precisasse pegar o último bonde em Paul arriscava-se a não consegui-lo se perdesse a lancha em direção àquele ponto

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

A chegada do Bonde em Vila Velha, 1912

Vitória a Capital, após breve período de ter linha de bonde puxada a burro, e depois eletrificada, impulsionou o surgimento da reivindicação de dotar Vila Velha de linha de bonde, 

Ver Artigo
Autoridades no Bonde

Segundo Milton Caldeira, ao conseguirem as autoridades militares a extensão da linha de bondes até o 50º BC, alguns anos após a instalação dessa praça de guerra em Piratininga

Ver Artigo
Entrevista do Site Morro do Moreno com o condutor do bonde em Vila Velha - em 27/04/05

Confira a entrevista feita com o Condutor do Bonde em Vila Velha JOÃO SIMÕES, o CABEÇÃO uma das grandes personalidades da cidade.

Ver Artigo
Inauguração do bonde em Vila Velha (12/04/1912)

Naquela linda manhã de outono, iluminada por um sol ameno, as pessoas formavam grupos nas ruas da cidade e confraternizavam

Ver Artigo
A invenção do bonde

Essa invenção deve-se ao alemão Werner Siemens, o qual, no ano de 1879, apresentou-a na Exposição Industrial de Berlim, vindo a patenteá-la no ano seguinte

Ver Artigo
Ponto final: Paul

O ponto final de bonde, em Paul, por ser um local de espera para embarque e desembarque, ensejava ali e em suas adjacências a existência de um pequeno comércio

Ver Artigo
JK, bondes e a Marinha Capixaba

A vida do Presidente Juscelino Kubitschek vem atraindo a atenção dos brasileiros por causa da minisérie JK, exibida pela Rede Globo. O site Morro do Moreno não possui qualquer conotação política, mas devido à importância histórica de Juscelino, levantamos algumas informações sobre o presidente e o ES. Confira!

Ver Artigo
O bonde que me coube

O "Caderno Dois" está me pedindo um depoimento sumário sobre a "época dos bondes" e, assustado, me vejo peça da memória da cidade...

Ver Artigo