Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Carta de doação – Limites da capitania

João III de Portugal - Reinado de 1521 até 1557 (coroado em 19 de dezembro de 1521)

Em Évora, a primeiro de junho de 1534, D. João III apôs sua real assinatura à carta de doação a Vasco Fernandes Coutinho de cinqüenta léguas de terra sobre a costa do Brasil.

A demarcação geográfica da capitania, contida no documento, é um espelho dos conhecimentos e da atitude diplomática da Coroa em relação à possessão americana. Diz o diploma que as “cinqüenta léguas de terra se começarão na parte onde acabarem as cinqüenta léguas de que tenho feito mercê a Pero do Campo Tourinho e correrão para banda do sul tanto quanto couber nas ditas cinquenta léguas entrando nesta capitania quaisquer ilhas que houver até dez léguas ao mar na frontaria e demarcação destas cinqüenta léguas ... as quais ... se entrarão e serão de largo ao longo da costa e entrarão na mesma largura pelo sertão e terra firme a dentro tanto quanto puderem entrar, e for de minha conquista”.(1)

No que respeita à testada marítima, nenhuma alusão a acidente físico que determinasse as raias do quinhão. Em profundidade, sertão a dentro, ia até a linha de Tordesilhas, limite convencionado entre Portugal e Espanha para as respectivas expansões territoriais.

Natural, naturalíssima, a ausência de dados certos e definidos. Eram decorridos apenas trinta e quatro anos do achamento da terra. Não teria sido possível às expedições portuguesas que visitaram os mares do Brasil fazerem um levantamento minucioso das setecentas e tantas léguas de costa,(2) lutando, a cada momento, com os audaciosos contrabandistas franceses.

Não se sabe qual o processo ou por que convenção se estabeleceu o rio Mucuri como o limite setentrional da capitania. O rio Itapemirim, ao sul, como contérmino das terras de Vasco Coutinho e Pero de Góis, sabemos que foi objeto de negociações entre os interessados e de uma carta régia homologando o ajustado.(3)

 

NOTAS

(1). Carta de doação, Nota I do capítulo II da Introdução deste livro.

– É curioso que texto assim tão claro desse margem a que o jurisconsulto mineiro FRANCISCO MENDES PIMENTEL afirmasse que sertão a dentro – no sentido leste-oeste – o território da capitania se reduzisse a cinqüenta léguas de testada. Eis as palavras daquele ilustre cultor do direito: “a do Espírito Santo reverterá à Coroa, sem que os donatários tivessem, ao menos, tentado varar o sertão até as cinqüenta léguas de fundo da primitiva concessão...” (Questão de Limites, 47).

No entanto, a carta régia é de uma clareza meridiana: “entrarão na mesma largura [cinqüenta léguas] pelo sertão e terra firme a dentro tanto quanto puderem entrar, e for de minha conquista”.

(2) - CAPISTRANO, Capítulos, 43.

(3) - “Constava de cinqüenta leguas de terras que principiavam ao sul da barra do Rio Mucuri e findavam ao sul do Rio Managé, o atual Itabapoana, mas depois do acordo feito com Pero de Góis [aos catorze de agosto de 1539], donatário da Capitania de São Tomé, que teve a confirmação régia em doze de março de 1543, ficou como limite o Baixo de Pargos, à margem do Rio Itapemirim, do lado do norte” (LAMEGO, Terra Goitacá, V, 370).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

Assembleia Provincial

Assembleia Provincial

Após o Ato Adicional, o primeiro resultado prático da independência do Brasil, para as Províncias, foi indubitavelmente, a instalação das Assembleias Legislativas, eleitas pela soberania popular

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Juízes de direito na Província do Espírito Santo

Reunimos, pois, sob a forma de uma sinopse, aquilo que pode demonstrar à evidência a província do Espírito Santo, baseando assim em documentos e em trabalhos de própria lavra e que aqui descrevemos

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
O Espírito Santo na 1ª História do Brasil

Pero de Magalhães de Gândavo, autor da 1ª História do Brasil, em português, impressa em Lisboa, no ano de 1576

Ver Artigo
Dia do Capixabismo – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O dia de hoje deveria ser feriado estadual e não apenas municipal. O capixaba tem baixa auto-estima e pouco sabe de sua história e de sua cultura

Ver Artigo
Mês da Colonização do Solo Espírito-Santense

O site Morro do Moreno irá publicar matérias especiais sobre a Colonização do Solo Espírito Santense, comemorado em 23 de maio

Ver Artigo