Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Cidade dormitório

Vila Velha, 1936

Nos últimos anos do século XIX e início do século XX não havia trabalho para aqueles que almejavam seguir carreira ocupando cargos de responsabilidade. Aos jovens que completavam o curso primário e aspiravam o primeiro emprego só restava procurá-lo em Vitória, onde as ofertas eram garantidas, especialmente no comércio, no serviço público, no porto e nas empresas ferroviárias.

Portanto, era comum encontrar muitos homens de Vila Velha trabalhando nos mais diversos setores da vizinha capital. Assim, o apelido de "cidade dormitório" era uma brincadeira entre senhores cavalheiros e amigos, inventada pelos ilhéus e dirigida aos canelas-veres que davam duro na capital e, no fim do dia, voltavam para suas casas em Vila Velha, onde não havia nem um bom cinema, nem um teatro, nem mesmo um razoável restaurante. Em Vila Velha, nas primeiras décadas do século XX não havia absolutamente nada para se fazer à noite. Dirante o dia sim, a vida era um eterno sorriso. Uma infinidade de coisas para desfrutar ao ar livre.

O cinema existente era ruim, tanto pelo desconforto como pela qualidade dos filmes que apresentava. Qualquer pessoa de Vitória, a maioria parentes dos vila-velhenses, sabia que era assim. Portanto, após a jornada de trabalho, os laboriosos senhores voltavam para Vila Velha para fazer o quê? Então, senhor fulano, já vai para Vila Velha, para o seu dormitório, não é?

Era tomar banho, jantar e... cama. Essa verdade dava muita raiva e por isso a gozação pegou transformando a vida do vilavelhense num inferno. Mas os continentais acabaram por encontrar uma resposta que acabou com a chacota e foi a seguinte:

- É verdade, vou para Vila Velha onde, há séculos, só dormem os homens machos, que não correram dos índios. Porque os frouxos, fugiram de lá e se esconderam aqui na ilha, onde estão até hoje. (Uma alusão ao primeiro donatário, que, para esquivar-se dos ataques dos índios, refugiou-se na ilha). A partir daí, os respeitáveis senhores da capital esqueceram a maldita brincadeira.

Quando hoje um ou outro desavisado se refere a Vila Velha chamando-a de cidade dormitório, inadivertidamente faz soar o tom pejorativo, como que a sugerir "lugar de preguiçosos", numa viva demonstração de desconhecimento da maliciosa e pitoresca brincadeira entre respeitáveis cavalheiros e amigos do passado.

 

Fonte: Vila Velha - Onde começou o Estado do ES, 1999
Autor: Jair Santos


LINKS RELACIONADOS:

>> Porque Canela-Verde?
>> Canela-verde  
>> Uma Capitania atribulada
>> O porto de Vitória  
>> Notícias de Vila Velha em 1971
>>
 
A cidade em outros tempos 
     Cine "Cici" 
     Como era Vila Velha
    Teatro em Vila Velha 
 
   3ª Ponte 



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Vasco Fernandes Coutinho - Parte II

Vasco Fernandes Coutinho - Parte II

Afugentado o gentio com disparos de armas de fogo, lança-se o capitão às providências iniciais da implantação da donataria, estabelecida a princípio na atual cidade de Vila Velha

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo