Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Congo não é música

Congo da Barra do Jucu na UFES - 2014

Quem disser que o congo é a música capixaba, errou em cheio. É bom não pagar mico, pois congo não é música.

Congo é uma nacionalidade; assim como brasileiro, argentino, americano, etc, cujas músicas mais características são o samba, o tango e o rock. Não se pode chamar o brasileiro, o argentino ou o americano de gênero musical, assim como não se pode chamar o congo de música.

Congo é um rio da África que nasce na região dos Grandes Lagos com o nome de Lualaba e que recebe água dos afluentes Ubangui, Sanga e Cassai, banha Kisangani e Kinshasa; cruza duas vezes o Equador, formando um estuário de 4.640 km, sendo uma poderosa via de penetração ao coração da África, e deságua no Atlântico. Foi, aindauma nação africana dominada pela França, e se tornou independente em 1960 - hoje se chama República Popular do Congo, capital Brazzaville.

Nas Barrancas do Cricaré - São Mateus e Conceição da Barra -, congo é cada participante do Reis de Boi e do Ticumbi, também conhecidos como Baile de Congos. Nesses folguedos, os participantes são definidos por suas posições nos cordões: "primeiro congo", "segundo congo". Como música é imperdoável.

Já a Congada é um auto, cuja tradição começa com o Ciclo de Angola (Século 17), com os negros Cabindas e Benguelas dramatizando as lutas entre as nações de Congo e Bamba. Essa tradição começa antes da simbiose dos cultos bantos com a liturgia da Igreja e, sobretudo, com as reminiscências da rainha Njinga Nbandi.

Agora, honra seja feita ao jongo, se é que ele precisa disso: é um dos mais contagiantes ritmos do cancioneiro popular do Brasil. E quando ouvimos a Banda Amores da Lua, além das bandas da Barra do Jucu, Serra, Viana, Cariacica, Regência e São Mateus, estamos ouvindo o velho jongo como a mais genuína música do Espírito Santo.

Quem assiste às nossas tradicionais bandas de congo, vai é "cair no jongo".

 

Texto: Maciel de Aguiar
Fonte: Jornal A Gazeta

 

Links Relacionados:

 Barra do Jucu 
 Semana do Folclore

Matérias Especiais

A lenda do Frade e a Freira

A lenda do Frade e a Freira

Conta a lenda que há muitos anos atrás um padre apaixonou-se por uma freira. Como o amor entre eles era impossível, foram transformados em pedra para que esse amor fosse eternizado

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

A Madrugada Chuvosa – Por Areobaldo Lellis Horta

Falava-se, à boca pequena, haver o comandante do 3° Batalhão de Infantaria, recebido ordem para depor o presidente do Estado e ocupar o Palácio

Ver Artigo
Quantas montanhas...

E lá fui eu, abraçada ao meu “Reino das Palavras”, instalar o meu reino literário na cidade de Pancas, a 180 quilômetros de Vitória

Ver Artigo
Abastecimento de água em Vitória – Por Areobaldo Lellis Horta

Além desse chafariz, existiam ainda os do Largo de Santa Luzia, em frente ao atual Ginásio São Vicente

Ver Artigo
A Limpeza Pública e a Domiciliar – Por Areobaldo Lellis Horta

Os quibungos (“tigres”), eram lançados ao mar, nos vários cais, às caladas da noite, quando adormecida a cidade

Ver Artigo
Britz - Por Milson Henriques

De qualquer modo vamos ao agradável labor de rememorar os que eu freqüentava, lembrando que havia também as boates Buteko, Cave, Aux Chandelles, Porão 214,...

Ver Artigo