Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Semana do Folclore

Apresentação de Congo na Barra do Jucu

Fonte: Caderno 2 de A Gazeta

De 22 a 27 de agosto comemora-se a semana do folclore, e o site Morro do Moreno, que resgata tantas histórias de Vila Velha e do Espírito Santo, não poderia deixar a data passar em branco.

Ticumbi, Boi pintadinho, Jongo de São Bartolomeu, Marujada, Congo de Máscaras de Roda D' Água e Reis de Boi são algumas das mais tradicionais manifestações folclóricas do Espírito Santo. Formam a riqueza da cultura popular, ao lado de tantas outras espalhadas pelo Brasil, nascida da mistura de costumes dos índios, brancos e negros.

Veja comentários do folclorista Eliomar Mazoco, presidente da Comissão Espírito-Santense de Folclore sobre as mais famosas manifestações de folclore em terras capixabas:

CONGO

"A brincadeira do congo ou congada não é exclusiva do Estado, existe em Minas, São Paulo e Goiás, por exemplo. Se espalhou no Brasil no rastro da Igreja Católica. Mas a forma como se manifesta no Espírito Santo, com bandas de congo em cortejo, acompanhando as puxadas de mastro, geralmente para São Benedito, as tornam, como já dizia Mestre Guilherme Santos Neves, sem correspondentes em outras regiões do Brasil."

FOLIA DE REIS

"As folias de reis ainda existem em profusão e estão se revigorando. O maior símbolo delas no Estado é Muqui, onde acontece o encontro de folias mais antigo do Brasil. Neste ano, 58 grupos participaram. Também existem em todo o país, com algumas variações, mas com muita identidade entre elas."

BOI PINTADINHO E TICUMBI

"Também na região Sul temos o Boi Pintadinho, nosso boi carnavalesco, e também o Reis de Bois. Já no Norte, os bois cumprem sua função no período natalino. O Ticumbi é uma forma diferente da tradição do congo entre nós. Enquanto no litoral e Centro-Oeste temos bandas de congo em mais de 60 grupos, em Conceição da Barra, temos o Baile de Congos de São Benedito, conhecido como Ticumbi, hoje com apenas 3 grupos. O Ticumbi é menos festivo que as bandas de congo, sendo tratado pelos integrantes como dança religiosa."

CURIOSIDADE: PISQUIM

(Por: Marinalda Rubim Merote, nascida e crescida em uma "rocinha" no interior de Colatina, que um dia foi São Francisco de Novo Brasil, e era distrito de Novo Brasil, hoje é apenas Córrego São Francisco, munícipio de São Domingos do Norte).

O Congo na comunidade de São Benedito - que não é muito diferente do de Cariacica-, possui um integrante das festas religiosas que se chamava Pisquim. No sábado da Aleluia, aparecia no alto de um poste ou de uma árvore próximo a igreja, um boneco (Judas Escariotes) e um caderno que com muitos elementos da poesia (versos, rimas..) descrevia o Judas Escariotes da Comunidade - o pior morador da comunidade. Estas poesias satirizavam o Judas e também outros moradores que durante o ano haviam se comportado mal. Leio sobre o Folclore Capixaba e fico triste porque nunca ninguém menciona o Pisquim.

Veja outras matérias sobre folclore capixaba, escritas por Maria da Glória de Freitas Duarte:

Folclore Capixaba
Congo não é música 
Primeiros Carnavais de Vila Velha
- Antigos Festejos de Vila Velha
- Festas juninas - Rodas

Matérias Especiais

O largo do cuspe – Por Serafim Derenzi

O largo do cuspe – Por Serafim Derenzi

O edifício velho, mas nobre, foi indicado para sede da Academia de Letras, museu, pinacoteca, enfim, para atividades culturais que a cidade reclama

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Posfácio do livro Parabéns Pra Você – Por Cariê Lindenberg

Por fim, o que mais me marca em Maria é a sua determinação, força de vontade e grande fibra

Ver Artigo
Páginas soltas – Por D. Maria Lindenberg

Noventa anos significam uma vida repleta de bons e de maus momentos. De triunfos e de derrotas

Ver Artigo
Depois de Carlos – Por D. Maria Lindenberg

O domingo de 19 de agosto de 1990 deveria ser igual a qualquer outro

Ver Artigo
Em Palácio – D. Maria Lindenberg

Procurei ser amável sem pieguice; elegante, sem os maneirismos da moda; firme sem teimosia

Ver Artigo
O casamento – D. Maria Lindenberg

Sentamos no banco, que rodeava o abacateiro, para apreciar o cair da noite e, pronto, aconteceu: Carlos me deu o maior beijo

Ver Artigo