Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Crendices, Orações e Benzimentos

Crendices, Orações e Benzimentos

As orações, rezas, benzimentos, e responsos eram muito usados pelos nossos antepassados. E nesse gênero também, o nosso folclore é rico. Constituíam um fato curioso porque a religião se associava à superstição sem que, com isto, os devotos deturpassem a sua fé.

No Estado da Bahia ainda é comum os católicos praticantes, louvarem Iemanjá, respeitarem o Caboclo, a Cabocla, a Mãe d’água, usarem benzimentos, etc.

Dentre as nossas usanças recolhemos as seguintes:

Para tirar “olhado”, principalmente nas crianças que, com sua beleza pura e inocente, estavam sujeitas com mais facilidades aos “maus olhos”, havia esta oração:

“Deus, quando andou pelo mundo,
numa casa chegou e encontrou:
homem bom e mulher má,
esteira velha em canto molhado.
Deus te tire este olhado,
Pelas Três Pessoas da SS. Trindade,
Padre, Filho e Espírito Santo – Amém”.

Repetia-se a mesma coisa três vezes, fazendo cruzes com um raminho de mato. Quando as folhas murchavam (isto sempre acontecia com o calor da mão) e a benzedeira bocejava três vezes, a criança estava com “olhado”.

Caxumba era curada do seguinte modo: o doente dizia: “caxumba, minha caxumba, com você não quero nada; tome lá esta “imbigada”. E dava umbigadas em três cantos da casa.

Os antigos tinham benzimentos para tudo. A erisipela, por exemplo, era “medicada” com os seguintes versos:

“Pedro e Paulo foram a Roma,
e Jesus Cristo encontrou.
Este lhes perguntou:
Então, que há por lá?
Senhor, erisipela má.
Benze-a com azeite,
e logo te sarará”.

Mesmo as pessoas mais piedosas, que levavam uma vida plasmada pela religião, não deixavam de acreditar nos benzimentos e levavam seus filhos para que as benzedeiras os curassem de seus males, como: torceduras, “ventre caído”, icterícia, torcicolo, “olhado”, etc., e também não deixavam de usar, pendurados no pescoço, cruzes e patuás.

Ao se deitarem, além das orações comuns, rezavam a que vamos transcrever numa homenagem àquela que no-la ensinou:

“Com Deus me deito, com Deus me levanto,
Com a graça de Deus e do Espírito Santo.
Se dormir muito, acordai-me,
com todas as tochas de vossa Trindade,
na mansão da eternidade”.

Para curar icterícia a pessoa doente teria que urinar num tijolo quente.

Torceduras – a benzedeira munia-se de uma trouxinha de pano com agulha e linha. Fazendo orações, massageava a parte doente e de vez em quando dava uns pontos na trouxinha, perguntando ao paciente:

- O que coso?
- Carnes quebradas e nervos torcidos.
- Isto mesmo eu coso.

Assim, sempre dando massagem e costurando o pano, repetia a operação três vezes.
Cobreiro curava-se fazendo cruzes de tinta de escrever em toda a região afetada pela dermatose, atribuída ao contato das roupas com alguma cobra, e rezando-se esta oração:

“Santana gerou Maria, Maria gerou Jesus.
Assim como estas Palavras são verdadeiras,
Deus seque este cobreiro,
Com a cruz de N. S. Jesus Cristo. Amém”.
 
Quando a cidade era infestada por qualquer epidemia, a par da fé que depositava na Virgem Santíssima, usavam também pregas atrás da porta de entrada, tentando impedir a entrada do mal, uma oração escrita em forma de cruz:

Além das inúmeras orações e benzimentos, invocavam os Santos nas suas necessidades.
Para curar a vista invocavam a proteção de Santa Luzia:

“Santa Luzia passou por aqui,
com o seu cavalinho comendo capim.
Perguntei se queria água, disse que não.
Perguntei se queria milho, disse que sim”.

Enquanto estas palavras eram pronunciadas puxava-se a pálpebra superior.

Para afastar baratas repetiam-se estas palavras em todos os cômodos da casa:

“Jesus, Maria, São José, São Bento, tirai as baratas deste aposento”.

Rogava-se a proteção de Santa Bárbara e São Jerônimo para aplacar as tempestades.

“O taumaturgismo do “responso” do santo lisboeta trazido para o seio de Deus em Pádua” – Santo Antônio – era invocado para encontrar objetos perdidos e para arranjar casamento. Colocava-se sob a sua imagem bilhetinhos com os pedidos e o nome da pessoa amada.

“São Brás, no prato tem mais”.

Muitas eram as crendices dos nossos ascendentes.

Ao lado do travesseiro do recém-nascido, colocava-se uma tesoura de aço aberta ou mesmo uma faca, sobre o livro Horas Marianas, aberto na página onde se via uma estampa da Sagrada Família para afugentar as bruxas que vinham durante a noite sugar o sangue da criança.

Quando se tomava purgante, segurava-se uma chave para evitar vômitos.

O medo do Saci Pererê herdamos dos nossos ancestrais índios. Já a crença no lobisomem, na bruxa, na mula-sem-cabeça, na pata e todas essas crendices “zoometamórficas” nos vieram do folclore ariano.

 

 

Fonte: Vila Velha de Outrora
Autora: Maria da Glória de Freitas Duarte – Vitória,1990
Compilação: Walter de Aguiar Filho, abril/2012 

 

 

Links Relacionados:

 Semana do Folclore
 O nosso folclore

 Folclore Capixaba
 Guarapari - turismo e folclore

Folclore e Lendas Capixabas

O despertar de um sonho – Por Adelpho Monjardim

O despertar de um sonho – Por Adelpho Monjardim

Com voz pausada e mansa falou-lhe de um tesouro enterrado no Convento de São Francisco

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Folclore de Vila Velha

D. Maria da Glória de Freitas Duarte realizou todo esse trabalho com rara dedicação e um grande carinho por sua terra

Ver Artigo
Torta Capixaba - Folclore

A muita gente há de parecer estranho que se encaixe, no domínio do folclore, essa arte dos quitutes, essa ciência de forno e fogão, esse engenho de compor um prato apetitoso 

Ver Artigo
Guarapari - Turismo e Folclore

Guarapari é chamada “cidade saúde” devido à radioatividade das areias pretas 

Ver Artigo
O nosso folclore

Fazem parte do nosso folclore uma série de rezas e benzimentos curiosos.

Ver Artigo
Semana do Folclore

De 22 a 27 de agosto comemora-se a semana do folclore, e o site Morro do Moreno, que resgata tantas histórias de Vila Velha e do Espírito Santo, não poderia deixar a data passar em branco...

Ver Artigo