Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Discurso de João Punaro Bley na 1ª Feira de Amostras

Governador Interventor Punaro Bley - Foto Scanner Walter de Aguiar Filho

Veja abaixo o discurso pronunciado pelo Exmo. Senhor Interventor Federal, Cap. João Punaro Bley na 1ª Feira de Amostras.

Senhores,

É com intenso júbilo que presido a cerimônia de instalação da primeira Feira de Amostras, instituída por iniciativa da Prefeitura de Vitória, e comemorativa do 4º Centenário do Povoamento do Solo Espírito- Santense.

E o faço como gestor dos negócios públicos estaduais, a quem são cometidos na fase atual da vida do País, não só a responsabilidade do progresso desta formosa parcela da comunhão brasileira, como também, da educação, do bem estar e da tranqüilidade e segurança de seus habitantes.

É um acontecimento de alta significação para todos nós.

Sem palavras fantasiadas de retórica, mas movido apenas pelo entusiasmo, que jamais recusamos às iniciativas oportunas e fecundas, rendemos hoje nossa homenagem comovida ao esforçado trabalho dos obreiros do atual congresso espírito-santense, como também aqueles que, em épocas remotas, em porfiadas lutas contra o gentio feroz e a natureza hostil, conquistaram e colonizaram essas maravilhosas e ubérrimas terras, que constituem hoje o próspero e rico Estado do Espírito Santo.

As Feiras de Amostras objetivam, atualmente, oportunidades inadiáveis de propaganda para países ou estados, que desejam viver e prosperar.

Na época presente,quando as rivalidades econômicas atingirem a limites não previstos, a vitória pertencerá àqueles que não recuarem diante de nenhum esforço para afirmar a sua vitalidade, argumentando e melhorando sempre sua produção.

O número crescente desses certames demonstra até que ponto esse meio moderno de expansão corresponde às necessidades da nossa época.

A França com suas feiras de Lyon, Paris e Bordeaux. A Alemanha com as de Leipzig e Frankfurt. A Itália com as de Milão e Bari. Os Estados Unidos com a formidável feira de Chicago. As iniciativas tomadas pelo Distrito Federal, São Paulo, Paraná, Bahia, Pernambuco e outros Estados, nesse mesmo campo de atividade, atestam claramente a importância do conhecimento no campo da propaganda e do comércio.

É mister que se impulsione dessa forma as fontes de riqueza do país, demonstrando às gerações presentes o que o homem realiza, e delineando às gerações vindouras, o roteiro que leva ao porto da liberdade, do trabalho, da luz e da justiça.

Do solo ubérrimo de nossa Pátria e do espírito construtivos dos seus filhos, estão surgindo os sustentáculos do Brasil de hoje, que serão nosso orgulho, nossa opulência, nossa glória de amanhã.

A prosperidade, a grandeza das nações repousa na ação constante de suas forças vivas. E não se pode demonstrar, ao julgamento do público, melhor índice de trabalho, senão desta forma, em que se faz ressaltar, sob variados aspectos, a prodigalidade da natureza e a energia de nossa gente.

Tenho esperanças de que o Espírito Santo, mercê da fecundidade de seu solo, e do ânimo empreendedor de seus filhos, sentirá, num futuro que não se distancia muito, despojado dos grilhões que vêm refreando os passos na jornada gloriosa, os efeitos benefícios desta iniciativa feliz. Para esse objetivo, porém, não se pode prescindir da colaboração de todos, em harmonia com os poderes públicos.

Meus Senhores,

A primeira Feira de Amostra, que se vai inaugurar neste momento, marcará, por certo, um capítulo notável na história da vida econômica do Estado.

Ela terá a suprema virtude de despertar as energias adormecidas e restabelecer a fé nos espíritos menos otimistas. E os benefícios que advirão daqui, determinarão novos rumos à política de expansão econômica do Estado.

Congratulo-me, pois, com o Dr. Seabra Muniz, operoso Prefeito desta Capital, pelo êxito alcançado neste empreendimento e faço os melhores votos para que o Espírito Santo venha sentir, num futuro bem próximo, os benefícios emanados desta obra de tão grande alcance na vida dos povos.



Fonte de pesquisa: Revista do Instituto Histórico e Geográfico do Espírito Santo. Nº 10 dezembro de 1935
Pesquisa de: Walter de Aguiar Filho, maio /2012




GALERIA:

📷
📷


História do ES

Os primitivos donos da terra – Por Levy Rocha

Os primitivos donos da terra – Por Levy Rocha

As vilas de Vitória e Nova Almeida expediram uma ordem proibindo falar-se na capitania a língua dos silvícolas, sendo os infratores sujeitos às penas de prisão

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Quarto Minguante – Marcondes de Souza e Bernardino Monteiro

O período de 1912 ao começo de 1920 corresponde ao princípio e ao fim da crise internacional, oriunda da primeira guerra, que rebentou em julho de 1914 e teve armistício em novembro de 1918

Ver Artigo
Jerônimo Monteiro – Urbanismo em Perspectiva

O volume de terra, material escasso na ilha de Vitória; para aterrar o banhado, não preocupou o governo de Jerônimo Monteiro 

Ver Artigo
As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Ver Artigo
O recrutamento do Ururau - 1827

Gravíssimo incidente abalou o Espírito Santo quando da passagem, pelo porto de Vitória, do brigue de guerra Ururau, em 1827

Ver Artigo
Finda o Governo do Primeiro Donatário - Por Mário Freire

Confiou o governo a Belchior de Azevedo, como Capitão, com os poderes e a jurisdição que o donatário exercera: firmou esse ato na "vila de N. S. da Vitória"

Ver Artigo