Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Divisão das terras do Donatário – Alguns aquinhoados

Pedra da Caiçara - local morou e morreu o Donatário

Ao mesmo tempo em que eram tomadas as providências preliminares de instalação, Vasco Fernandes Coutinho exercia um dos poderes conferidos pelo soberano na carta de doação – “dar e repartir todas as ditas terras de sesmarias a quaisquer pessoas de qualquer qualidade e condição que sejam”.

Desapareceram os registros das primeiras cessões de terras, mas, pelo menos das ilhas situadas na baía,(9) se conhecem os nomes dos aquinhoados.(10)

Assim é que a primeira junto à barra – atual ilha do Boi – foi distribuída a D. Jorge de Menezes; a imediata – hoje ilha dos Frades – a Valentim Nunes.(11)

Ambas, por muitos anos, conhecidas pelos nomes dos seus proprietários. Gabriel Soares de Sousa, meio século depois, descrevendo o litoral da capitania, dirá:

“A primeira ilha, que está nesta barra, se chama de D. Jorge, e mais para dentro está outra, que se diz de Valentim Nunes”.(12)

Para ele, donatário, de acordo ainda com a carta de doação, separou um trato de terra onde construiu um engenho e foi residir.(13) Vale acentuar que era prerrogativa sua e dos seus sucessores a exclusividade de fazer e possuir “moendas de agua, marinhas de sal, e quaesquer outros engenhos, de qualquer qualidade que sejam, que na dita capitania e governança se puderem fazer”, acrescentando o diploma que “pessoa alguma não possa fazer as ditas moendas, marinhas, nem engenhos sinão o dito Capitão e Governador, ou aqueles a quem elle para isso der licença”.(14)

 

NOTAS

(9) - O seu nome atual é baía de Vitória.

(10) - DAEMON, no seu livro tão farto de informações, mas, infelizmente, incompleto, pois que lhe faltam as indicações das fontes onde se instruiu, referindo-se a 1539, diz: “Neste ano estabeleceu-se Pedro da Silveira em as terras que lhe foram doadas, que julgamos ter sido em o município de Itapemirim, em o lugar denominado Caxangá, e onde por muito tempo se via ruínas de antiga povoação. Alguns cronistas querem que fosse esse estabelecimento perto das margens do rio Itabapoana, mas outros o dão a cinco léguas da donataria de Pero de Góis” (Prov. ES, 59).

– “Não obstante as inquietações que produziam os índios, mas anteriormente à grande sublevação, foi em sete de outubro de 1541 concedida uma sesmaria a Braz Teles de Menezes, cavaleiro da casa do infante D. Luís, a Francisco Sernige e a Diogo Fernandes” (Chancelaria de D. João III, liv. 47, fl. 1, apud P. DE AZEVEDO, Primeiros Donatários, 203).

(11) - Valentim Nunes seria mesmo dos primeiros aquinhoados? A dúvida surge à vista de registro constante do Livro de Tombo do Colégio de Jesus do Rio de Janeiro (Anais da BN, vol. 82, p. 9). Trata-se de assentamento aposto em provisão datada de Almeirim, a seis de janeiro de 1576.

Mencionado assentamento não está datado, mas, obviamente, é posterior à expedição daquele diploma. E reza: “Registado no L.º do Registro de Valentim Nunes, almox.e nesta Cap.ta do Spu. Sancto à fol. 98, digo, na Volta de 98, à fol. 99 per mim scrivão Gaspar de Bouro”.

(12) - SOARES, Notícia, I, 168.

(13) - “Vasco Fernandes Coutinho ordenou ainda a construção de um engenho e principiou a abrir uma situação e nela foi residir no lugar conhecido hoje por Sítio Ribeiro, pertencente ao Sr. Paulino. No local ainda se vêem derrocados paredões, restos de alicerces e paredes em ruínas, tudo disseminado; ali residiu também Vasco Fernandes, filho, e D. Grinalda, que fizeram diversas doações. Mais tarde pertenceu à família Freitas, dizendo a crônica que os padres jesuítas dela também foram senhores, e que em escavações feitas ali ou em trabalhos de agricultura se têm encontrado dinheiro e objetos antigos” (DAEMON, Prov. ES, 55-6).

(14) - Carta de doação, nota I do capítulo II da Introdução deste livro.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, julho/2018

História do ES

Igreja dos Reis Magos

Igreja dos Reis Magos

A igreja e a residência dos Reis Magos em Nova Almeida, município da Serra, formam um dos mais belos conjuntos arquitetônicos jesuíticos do Espírito Santo do período colonial

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Por que Morro do Moreno?

Desde o início da colonização do Espírito Santo, o Morro do Moreno funcionava como posto de observação assegurando a defesa de Vila Velha e de Vitória

Ver Artigo
Jesuítas no Espírito Santo

Em 1549 partiram da Bahia – escalaram no porto da “povoação do Espírito Santo” Leonardo Nunes e Diogo Jácome

Ver Artigo
Origem do nome das cidades do ES

Muitas vezes, por um simples motivo, surge a origem do nome de uma cidade, como por exemplo, o hábito dos moradores de tomar um cafezinho que, de tão ralo, mais parecia água doce. Daí veio o nome da cidade de Água Doce. E o nome da cidade de Águia Branca, de onde surgiu essa idéia? 

Ver Artigo
Araribóia X Villegagnon

Araribóia, comandante de duzentos temiminós que o Espírito Santo mandou à luta contra os franceses de Villegagnon

Ver Artigo
Perlustrando a costa - Limites com a capitania de S. Tomé

Vasco Coutinho em 1539 passou um assinado a Pero de Góis – donatário de São Tomé – demarcando limites entre as duas capitanias

Ver Artigo