Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Grupo Escolar Vasco Coutinho - Marco Cultural de Vila Velha

Monumento indelével da cultura de Vila Velha, semeando os princípios básicos de Educação e ensinamentos aos homens, ontem crianças, e às crianças, homens de amanhã, o Grupo Escolar “Vasco Coutinho” é o mais conceituado estabelecimento de ensino primário do Município e um dos melhores de todo o Estado.

Fundado em 1931, ainda nos primórdios do atual desenvolvimento de nossa terra, época repleta de dificuldades, cheia de obstáculos e carente de recursos, o “Vasco Coutinho” floresceu aos poucos, qual semente regada com carinho e dedicação, para alcançar nos nossos dias o apogeu de seu objetivo: oferecer o que de melhor for possível aos alunos que o freqüentam.

Inicialmente funcionando em uma casa particular situada à rua D. Jorge de Menezes, viu, no dia 23 de outubro de 1933, a concretização de uma primeira vitória: era inaugurado seu prédio próprio. Este prédio é o que ainda existe maior e com melhores instalações, porém com a mesma missão que já na época desempenhava, mesmo contando apenas com a primeira ala – a que faz face com a Praça Duque de Caxias - Esta primeira ala possuía instalações para o Diretor, cinco salas e uma cozinha.

As aulas eram ministradas em dois turnos apenas, contando com um Diretor – Professor Ernani de Souza – dez professores primários, um auxiliar e dois professores de Educação Física.

O Professor Ernani, baluarte inegável dos dias difíceis, foi o Diretor no período de 1933 a 1947, sendo esta a maior gestão, até hoje, de toda história do “Vasco Coutinho”.

Ultrapassando os limites esperados, engrandecendo a si próprio pelas inéditas conquistas, enaltecendo o trabalho de todos os que ao seu florescimento se dedicavam, já na final de 1947 o “Vasco Coutinho” marcava uma época no setor educacional vilavelhense: contava com mais de 600 alunos, funcionando em três turnos, com 15 regentes de classe. Mais ainda, já possuía várias instituições: Merenda Escolar, Caixa Escolar, Cooperativa, etc.

No decorrer de sua brilhante trajetória o “Vasco Coutinho” contou com 15 diretores, inclusive os substitutos (vide folha anexa). Personalidades idealistas e desprendidas, todos eles, através dos tempos procuraram abrilhantar a história do Grupo, ornamentando sua aparência externa, melhorando suas instalações, aumentando suas dependências e, que é mais importante, buscando forjar, nas incansáveis e silenciosas horas de trabalho, um ambiente de amor, confiança e carinho, meio ideal para a criança em formação.

Hoje o “Vasco Coutinho” impera no merecido conceito que, com tantas lutas, lhe foi erguido ao longo das datas. Ele é parte integrante da comunidade vilavelhense. Com as suas dependências bem ampliadas, uma cozinha bem montada, um gabinete acolhedor, classes muito limpas e saudáveis, os jardins que circundam o pátio interno dando mais um toque de luz à paisagem já salpicada de flores tão lindas – as crianças travessas – constitui, de fato, o tão decantado “segundo lar” que deve ser para cada criança a escola primária.

A harmonia existente na vivência dia a dia do corpo docente e discente é concreta, quase palpável, preocupando-se cada professora e demais funcionários em oferecer à criança não só a informação necessária, mas uma educação completa baseada na existência de um clima de bem estar originado no amor que aí germina a se expande.

O carinho com que os alunos são tratados, indistintamente, surpreende a muitos, mas é, inegavelmente, este carinho que gera um clima de estabilidade e confiança indispensável na formação de personalidades fortes que, no amanhã tão promissor que se anuncia, lançar-se-ão destemidas, intrépidas e tranqüilas nos duros embates da vida.

Atualmente, na indiscutível linguagem dos números, constatam-se a heróica evolução do “Vasco Coutinho”: um Diretor, cerca de 2.000 alunos, 42 regentes de classes, 6 auxiliares, 1 bibliotecária, 2 merendeiras, 1 orientador, 12 professores de Educação Física, 12 serventes e ainda um curso supletivo noturno com 10 professores e 315 anos, constituem uma alentadora estatística que nos alegra e estimula na busca constante de maiores aperfeiçoamentos.

E foi procurando esta perfeição que a atual Diretora Tia Euphélia, desenvolvendo uma das mais dinâmicas administrações já experimentadas pelo Estabelecimento, promoveu, recentemente, uma grande reforma em todo o Grupo. Agora ele se encontra todo festivo em suas novas roupagens: grandes muros o circundam, ocasionando maior segurança para as crianças; todas as salas receberam lustres; suas janelas que espreitaram na pacata morosidade dos dias passados os lances eloqüentes de nossa história sofreram algumas transformações; enfim, todo pintado de novo “Vasco Coutinho” é uma nota alegre na paisagem tranqüila desta Vila Velha histórica.

Prescindindo de sua aparência externa, sua existência interior - a mais importante – palpita de vida o entusiasmo: a Caixa Escolar encarrega-se de assistir aos menos favorecidos, minimizando assim as agruras tão dificilmente esquecidas de uma infância infeliz; a Biblioteca, muito bem montada, é peça fundamental e motivação constante para a aprendizagem dos pequeninos. E dos mais modernos o Método de Ensino ministrado no “Vasco Coutinho” pelo seu bem preparado corpo docente.

Aqui esta em rápidas pinceladas, o Grupo Escolar “Vasco Coutinho”. Porém não será com descoloridas palavras, num texto impessoal que se conseguirá descrevê-lo. Para alcançar-se a profundidade de seu valor na nossa sociedade, para entender-se a mais íntima contextura de sua essência social e influência humana na existência de nosso povo seria necessário penetrar nas próprias raízes de sua estrutura e conhecer a solidez de seus princípios. Ali crianças e professoras, amigos de todas as horas nas relações mestre-aluno, lutam juntas em prol de um futuro melhor, em favor de um Brasil grande, autônomo e invencível.

Atrás de seus portões, onde predomina o “slogan”: AQUI MORA O AMOR, reside a certeza do dever cumprido por cada um, a satisfação de participar de um grandioso trabalho feito em comum no sentido de conduzir a futura sociedade ao verdadeiro caminho: vereda de glórias, de conquistas, de supremacia e de paz!

 

ANEXO AO TRABALHO: GRUPO ESCOLAR VASCO COUTINHO – MARCO CULTURAL DE VILA VELHA: A MAIS ANTIGA CIDADE ESPIRITOSANTENSE

 

RELAÇÃO DOS DIRETORES DO “VASCO COUTINHO” DESDE SUA FUNDAÇÃO:

Estas pessoas são os artífices do atual destaque do Grupo Escolar “Vasco Coutinho. São elas merecedoras de toda a gratidão da sociedade vilavelhense.

 

N° DE ORDEM

NOMES

PERÍODO

1

FLÁVIO MORAES

1931/1932

2

AFRODISIO CARVALHO

1932/1933

3

ERNANI DE SOUZA

1933/1947

4

ASSISOLINA DE ANDRADE

1947/1952

5

IRACEMA SILVA DE OLIVEIRA

1952/1954

6

ORMANDINA M. DA SILVA

1954/1956

7

SOEMIS VALADARES

1956/1962

8

SULTANYA NADER VALADARES (Substituta)

1962/1962

9

ARACI BOTELHO BARBOSA

1962/1963

10

ORMY SANTANA (Substituta)

1963/1964

11

MARIA DE LOURDES SOBREIRA CALON

1964/1965

12

YEDA DE MORAIS CARVALHO

1965/1966

13

LÚCIA VEREZA MIRANDA

1966/1966

14

LENY QUINTAIS MENEZES

1966/1968

15

EUPHELIA MOREIRA VIEIRA

1968

 

(Atual Diretora)

 

 

 

Observações:

- Sultânya Nader Valadares foi Diretora no período de 05 a 13 de setembro de 1962.

- Assisolina Andrade – Período: 1947 a 29 – 7 – 52.

- Ormy Santana – Período: 03 – 10 – 63 a Julho de 1964.

- Lúcia Vereza Miranda – 2 meses no ano de 1966.

 

 

Fonte: Trabalho realizado pela diretoria da Escola no ano de 1970, na gestão de Euphelia Moreira Vieira
Participação dos alunos: Edmar Checon de Freitas, Cláudio Cometti Dias e Gilson Pimenta
Acervo: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, outubro/2013



GALERIA:

📷
📷


Vasco Fernandes Coutinho

Reabilitação Histórica de Vasco Fernandes Coutinho

Reabilitação Histórica de Vasco Fernandes Coutinho

Mandou V. S. dar sepultura decente aos ossos do primeiro donatário, Vasco Fernandes Coutinho, que, soterrados em uma área, ainda se conversam relíquias dele

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

65 anos após o desembarque de Vasco Fernandes Coutinho

Muito progredira a capitania desde a chegada da Grorya à enseada do Espírito Santo. Vivo estivesse, o primeiro donatário poderia dizer, com justo orgulho, que não fora vão o sacrifício que se impusera para plantar a bandeira do seu rei nesta nesga do solo brasileiro

Ver Artigo
Donatário Francisco de Aguiar Coutinho, parente do Vasco

Aguiar Coutinho só assumiu a direção da capitania depois de 1605. Durante sua administração, Azeredo foi parte e testemunha de dois importantes acontecimentos 

Ver Artigo
Ainda Vasco Coutinho Filho

Coube aos ingleses pregar um susto a Vasco Coutinho (filho). Surgindo frente ao Espírito Santo, as três naus de que se compunha a expedição

Ver Artigo
Morre o segundo donatário e assume sua esposa

Sucedeu-lhe na direção da capitania sua viúva, D. Luísa Grinalda, que nomeou seu adjunto no governo o capitão Miguel de Azeredo punha a expedição 

Ver Artigo
Tourinho, Adorno, metais e pedras preciosas

Tourinho é considerado o “descobridor das esmeraldas”. Promoveu uma expedição sob a direção de Antônio Dias Adorno

Ver Artigo