Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Luiza Grinalda X Cavendish

Thomas Cavendish famoso pirata inglês e Luiza Grinalda, primeira mulher a governar o Espírito Santo

O acontecimento de maior relevância do governo de D. Luísa Grinalda – de que ficou notícia – foi o ataque de Thomas Cavendish, famoso pirata inglês, à baía de Vitória, em 1592. Notada sua presença a tempo de se organizar a resistência, Cavendish foi duramente batido nas praias vizinhas às vilas do Espírito Santo e Vitória.(44)

Valendo-se de substanciosa documentação jesuítica, Serafim Leite assevera que “a gente [da terra] construiu à pressa dois fortins perto da vila, armaram-se ciladas nos lugares mais altos para esmagar o inimigo com pedras e flechas”.

Como soía acontecer nas horas de perigo grave, os padres da Companhia “trouxeram os índios das aldeias”.(45) Diante da encarniçada e inesperada reação, os assaltantes recolheram-se aos seus navios, não sem perderem oitenta homens, segundo o depoimento de Antônio Knivet.(46)

Este assalto marcou o fim da carreira criminosa do pilhador de Santos – no atual Estado de São Paulo.

 

NOTAS

(44) - “Aos índios goitacazes, acampados nas proximidades de Vila Velha, fora feito urgente apelo, atendendo-o o seu cacique Jupiaçu, com duzentos homens.

Entre o astuto índio e o fidalgo português [Miguel de Azeredo] foi delineado o plano de defesa. Para iludir os inimigos e dar impressão de possuírem grandes recursos, mandaram acender nos morros circundantes à baía, a partir do Moreno e a terminar no Penedo, grandes fogueiras. Ardil que mais tarde se verificou ter surtido efeito, evitando o ataque noturno.

Na bocaina existente ao lado direito do Penedo e na parte fronteira, no morro em que noventa anos mais tarde ergueriam o Forte de São João, no mais apertado passo da Baía da Vitória, construíram apressadamente dois fortins de taipa e pedras soltas, disfarçados nos próprios matos” (MONJARDIM, Cavendish, 121).

(45) - LEITE, HCJB, I, 219-21.

(46) - “No nosso navio havia um português* que recolhêramos da embarcação apreendida, em Cabo Frio; este português, que fora conosco ao Estreito de Magalhães, e aí testemunhara a nossa falência, falou-nos duma vila chamada Espírito Santo, dizendo-nos que poderíamos chegar à frente da mesma com os nossos navios, e aí, sem perigo, lograríamos tomar muitos engenhos de açúcar e boa quantidade de gado.

As palavras deste português fizeram-nos renunciar ao projeto de ida a S. Sebastião, tomando o rumo de Espírito Santo; em oito dias chegamos à embocadura do porto, acabando por lançar âncora na baía e mandar nossos botes sondar o canal; não encontrando estes nem a metade da profundidade que o português nos dissera que encontraríamos, supôs o general que o luso nos havia traído e, sem nenhuma comprovação, fê-lo enforcar de imediato. Neste local, todos os fidalgos que restavam a bordo manifestaram desejo de ir à terra tomar a povoação. O general não o queria de modo nenhum, objetando-lhes diversos inconvenientes; nenhum argumento porém os convenceu, e foram os moços tão insistentes que o general, escolhendo cento e vinte homens dentre os melhores que possuía em ambos os navios, enviou ao capitão Morgan, praça de terra singularmente boa, e ao tenente Royden, como comandantes neste empreendimento. Desembarcaram, pois, diante dum pequeno forte com um dos seus botes e dele expulsaram os portugueses; o outro bote seguiu mais além, onde houve uma escaramuça muito violenta, e a vida destes moços depressa se abreviou, pois apearam num rochedo fronteiro ao forte e à medida que saltavam fora do bote, escorregavam com suas armas para dentro do mar; assim a grande maioria deles pereceu afogada. Em conclusão, perdemos oitenta homens neste lugar e, dos quarenta que se salvaram, nem um só voltou sem uma flechada em seu corpo, chegando alguns a ter cinco e seis ferimentos” (KNIVET, Vária Fortuna, 34-6).

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2017

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo