Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Maximiliano, Saint-Hilaire e Rubim

Pedra de Jucutuquara. Desenho de autor desconhecido com base em desenho original de Maximiliano. Em

Vale demorar um pouco para apreciarmos a situação da capitania tal qual a viram três observadores: o príncipe de Wied Neuwied, Auguste de Saint-Hilaire e Francisco Alberto Rubim.

O primeiro, autor da Viagem ao Brasil – livro que é, “sem contestação possível, um dos mais preciosos e encantadores”(62) – visitou o Espírito Santo em 1816. Ao lado dos apontamentos de ordem essencialmente científica, sua obra contém as mais variadas informações sobre a terra e a gente da região que percorreu. De cada lugarejo ou fazenda registrou deficiências e manifestações de progresso, sem esquecer a vida comercial, a psicologia do povo, a beleza da paisagem, o conforto ou miséria das casas.

Em Muribeca, encontrou trezentos escravos negros, dos quais uns cinquenta aproveitáveis para o trabalho, que era bastante árduo e, quase todo, dedicado à derrubada das matas. Verificou, outrossim, haver ali cultura de mandioca, milho, algodão e um pouco de café.(63) Surpreendeu-se, em Piúma, com uma ponte de madeira – “verdadeira raridade nessas paragens”.(64) Vitória pareceu-lhe, embora “um tanto morta”, “lugar limpo e bonito, com bons edifícios construídos no velho estilo português”.(65) Alarmou-se com a insegurança dos habitantes das margens do rio Doce, onde todos levavam consigo as espingardas quando iam às plantações,(66) escandalizando-se, também, em Linhares, cujos moradores não podiam viajar sem licença prévia, nem lhes era permitido consumir mais de uma garrafa de aguardente, por família, em três meses.(67)

Saint-Hilaire, de justificado conceito, perlustrando o Espírito Santo de sul a norte, em 1818, anotou números, dados históricos, observações sobre indústria, agricultura, comércio, alinhou reflexões a respeito da civilização dos índios, costumes dos brancos etc. etc. Segundo o naturalista francês, a faixa média de território cultivado não ia além de quatro léguas do mar.(68) As florestas e os temíveis botocudos mantinham a quase totalidade dos brancos agarrados à praia, como os caranguejos de que nos fala frei Vicente do Salvador. As condições alimentares eram precaríssimas. Só os ricos comiam carne. A grande massa da população vivia de farinha de mandioca, peixe fresco ou seco, marisco, feijão.(69) Referindo-se a Guarapari, diz que, quando de sua viagem, uma embarcação que viera da Bahia, para levar farinha, achava-se havia três meses ali sem ter podido completar seu carregamento.(70) O comércio de Vitória se limitava à exportação – para o Rio de Janeiro e Bahia – dos produtos da terra e tecido de algodão rústico. Importava-se, principalmente, ferro em barra e instrumentos de agricultura. Entre as praças do Rio e Vitória havia uma diferença para mais, nesta última, de trinta a cinqüenta por cento nos preços das utilidades.(71) Por certo, não existiam lojas de artigos de luxo, pois os homens trajavam-se com uma calça de algodão e camisa do mesmo tecido; as mulheres vestiam camisa de algodão e “saia indígena”.(72)

Rubim ampliou e atualizou os dados remetidos ao conde da Barca em 1816,(73) compondo as Memórias, publicadas em 1840.(74) O livrinho do operoso governador – na parte denominada Breve Estatística – contém informações de muito merecimento, todas assim resumidas:

 

Ver imagem do quadro logo abaixo da matéria.

Vilas 6                                           Ordens Terceiras 2

Povoações 6                                  Portos do mar 7

Freguesias 8                                  Rios principais 10

Capelania curada 1                         Engenhos 75

Colégios de extintos jesuítas 3          Engenhocas 66

Santa Casa da Misericórdia 1            Fogos 3.729

Igrejas de particulares 4                   Almas 24.585

Igrejas filiais 5                                Batizados em 1817 1.087

Conventos franciscanos 2              Óbitos em 1817 824

Conventos do Carmo 1                 Casamentos em 1817 273(75)

 

NOTAS

(62) - OLIVÉRIO PINTO, Prefácio da Viagem ao Brasil, 3.

(63) - MAXIMILIANO, Viagem, 123.

(64) - MAXIMILIANO, Viagem, 132.

(65) - MAXIMILIANO, Viagem, 140.

(66) - MAXIMILIANO, Viagem, 154.

(67) - MAXIMILIANO, Viagem, 158.

(68) - Segunda Viagem, 29.

– “Em fim os Sertões não estão ainda penetrados alem de seis léguas da beira Mar, e em partes menos”, informaria INÁCIO ACIOLI DE VASCONCELOS ao ministro Maciel da Costa, em trinta e um de agosto de 1824 (Pres. ES, III, 81).

(69) - “...feijão que juntam ao peixe, sem mesmo incluir toucinho, de que não fazem uso, porque a preguiça os impede de criar porcos”, conclui SAINT-HILAIRE (Segunda Viagem, 35).

– O príncipe de WIED-NEUWIED depôs: “Nos cerrados que margeiam a costa, habitam famílias pobres e esparsas, que vivem da pesca e da colheita de suas plantações. São em geral negros, mulatos e outras gentes de cor: há muito poucos brancos entre eles; queixam logo ao forasteiro de pobreza e indigência, que só podem provir da preguiça e da falta de iniciativa, porque o solo é fértil. Pobres demais para comprar escravos, e demasiadamente indolentes para o trabalho, preferem morrer de fome” (Viagem, 146).

– Referindo-se aos soldados do Quartel da Regência, anotou: “Essa gente passa muito mal; peixe, farinha de mandioca, feijão preto e, por vezes, um pouco de carne seca, constituem a sua única alimentação. São todos de cor, crioulos, índios, mamelucos ou mulatos” (Viagem, 152).

(70) - Segunda Viagem, 76.

(71) - SAINT-HILAIRE, Segunda Viagem, 100-1.

(72) - SAINT-HILAIRE, Segunda Viagem, 37.

– Viajantes Estrangeiros no Espírito Santo, de Levy Rocha, oferece cuidadoso e rigoroso resumo de quanto foi escrito no século passado pelos que, vindos de outras terras, perlustraram a província capixaba. São páginas de leitura amena e proveitosa.

(73) - Publicações do Arquivo Nacional, XIV, 95-110.

(74) - Memórias para servir à história até ao ano de 1817, e breve notícia estatística da Capitania do Espírito Santo, porção integrante do reino do Brasil. Escritas em 1818 e publicadas em 1840 por um capixaba. Lisboa, na Imprensa Nevesiana, 1840.

(75) - Memórias para Servir à História.

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3ª edição, Vitória (APEES) - Arquivo Público do Estado do Espírito Santo – Secretaria de Cultura, 2008
Autor: José Teixeira de Oliveira
Compilação: Walter Aguiar Filho, junho/2018



GALERIA:

📷
📷


História do ES

A ordem pública na Província do ES

A ordem pública na Província do ES

Não seria de estranhar em uma província cujo policiamento ia pouco além de simples quimera, oferecendo, ademais, condições singulares para estimuladora impunidade

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano de 1877 – Por Basílio Daemon

Chega o vapor Colômbia, procedente de Gênova, com 273 colonos italianos para o núcleo de Timbuí da Colônia de Santa Leopoldina

Ver Artigo
Principais Clubes Republicanos no Sul do Estado

No Espírito Santo, principalmente no sul do estado, a propaganda foi muito ativa e intensa

Ver Artigo
Ano de 1876 – Por Basílio Daemon

Gazeta do Comércio, Vitória, Tipografia da Gazeta do Comércio, 1876. Foi publicado até 1878, sendo substituído pelo periódico Gazeta da Vitória 

Ver Artigo
Viajantes Estrangeiros ao ES – Charles Frederick Hartt

Desceram o rio Itabapoana e pararam no porto de Limeira. Pela praia, seguiram até Vitória, tendo feito importantes coleções nas águas do Itapemirim e em Guarapari

Ver Artigo
A Viagem do Imperador Pedro II à Província do Espírito Santo

Aos 35 anos de idade, estava ele no auge da vitalidade, naquele verão de 1859/1860

Ver Artigo