Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Nazi-Fascismo no ES

Comício da Aliança Nacional Libertadora

A radicalização política e ideológica marcou os anos 30 do século XX. Na Europa, o nazi-facismo de Hitler e Mussolini lutava contra o comunismo de Stalin. No Brasil, representando esses dois campos doutrinários, digladiavam-se a Ação Integralista Brasileira – AIB – de Plínio Salgado e a Aliança Nacional Libertadora – ANL – de Luís Carlos Prestes. No Espírito Santo, o integralismo vai conquistar milhares de adeptos, apesar de não terem surgido, na mesma proporção, seguidores do comunismo que devessem ser combatidos.

A aceitação do integralismo no Estado foi tamanha que o primeiro congresso da AIB foi realizado em Vitória, em 1934. Em razão de sua oposição ao comunismo, o integralismo contou, para sua difusão, com o apoio de membros do clero católico. O colaboracionismo dos padres deu credibilidade ao movimento, especialmente para comunidades de descendentes de italianos e alemães, onde a adesão ocorreu em massa.

Os principais centros de divulgação do integralismo no Espírito Santo, foram Castelo, Ibiraçu, Venda Nova, Santa Tereza, Santa Leopoldina, Domingos Martins e Cachoeiro de Itapemirim. Ou seja: regiões colonizadas por italianos e alemães. Por quê?

O historiador Agostino Lázaro sugere um leque de respostas. Em primeiro plano, ele destaca o anticomunismo do integralismo: os descendentes de imigrantes não queriam correr o risco de perder as terras que a duras penas foram conquistadas por seus pais. A propriedade privada, para os integralistas, era um bem sagrado e inviolável. Sagrados também eram, para eles, “Deus, Pátria e Família”. Os comunistas podiam afirmar a mesma coisa?

A simpatia pela versão brasileira do fascismo europeu também pode ser explicada, de acordo com o já citado historiador capixaba, pelo carisma de Plínio Salgado, por seus discursos inflamados e empolgantes. Pelo rádio, o líder comunicava-se com seus discípulos. Chegou a visitar Castelo, onde esteve em contato direto com os fãs. Muitos choravam ao ouvi-lo ou vê-lo discursando.

O que também transformou o integralismo em algo sedutor foi o seu ritual político: as concentrações integralistas eram um espetáculo à parte. As mensagens eram dirigidas aos trabalhadores, às crianças, aos pais, às mães, à juventude – ninguém era esquecido. O uniforme – as “camisas verdes” – chamava a atenção. Os desfiles eram disciplinados. Havia, também, as bandeiras, os distintivos, as flâmulas, o símbolo sigma (“soma” em grego) e a saudação “Anauê!” (“você é meu irmão”, em tupi-guarani). O fascismo era para seus adeptos, uma verdadeira e divertida festa.

Ainda de acordo com Agostinho Lázaro, a grande maioria que se inscreveu da AIB nem sequer tinha consciência de que estava se submetendo a uma ideologia política: simplesmente engrossava fileiras.

Havia um certo fanatismo político. Em Venda Nova, por exemplo, 90% da população atendeu ao apelo integralista. Como escreveu o vendanovense Máximo Zandonadi, ele próprio um jovem líder integralista na época, “os poucos alheios ao movimento eram menosprezados, odiados, tachados de comunistas e ateus”. Em Santa Tereza e em Domingos Martins, onde foram eleitos prefeitos integralistas, marchas cívicas demonstravam o poder da ideologia. Jornais circulavam escritos em alemão e italiano, divulgando a doutrina fascista.

Nessas localidades, fazia-se o culto à personalidade de Plínio Salgado, mas, indiretamente, também reverenciavam-se os mentores internacionais da causa fascista: o fuhrer alemão, Adolf Hitler, e o duce italiano, Benito Mussolini. Como a maioria dos fascistóides capixabas descendia de italianos e alemães, talvez fosse uma forma de manter os vínculos com a pátria original de seus ancestrais.

Nota do Site: FASCISMO - membro do PNF Partito Nazionale Fascista fundado por Benito Mussolini na Itália em 1919 . O termo deriva de fascio, o símbolo romano dos magistrados representado por um machado rodeado de varas. Simbolizava a unidade do povo (as varas unidas) e o poder da justiça do Império (o machado). É também usado de forma negativa, indicando um individuo radical, forte e intransigente.

 


Fonte: História do Espírito Santo – Uma Abordagem Didática e Atualizada 1535 – 2002 
Autor: José P. Schayder
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2012
 



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Secular questão de limites entre o Espírito Santo e Minas Gerais - Parte IV

Secular questão de limites entre o Espírito Santo e Minas Gerais - Parte IV

O ato, destarte, praticado pelos Governadores de Minas Gerais e Espírito Santo, é ato meramente administrativo, estritamente administrativo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Entradas: A exploração do interior - João Eurípedes Franklin Leal

As entradas organizadas para exploração do interior da capitania do Espírito Santo visavam, principalmente, as riquezas minerais, como a sonhada Serra das Esmeraldas, e a procura de ouro

Ver Artigo
O Espírito Santo no Romance Brasileiro

A obra de Graça Aranha, escrita no Espírito Santo, foi o primeiro impulso do atual movimento literário brasileiro

Ver Artigo
Anotações a respeito de Frei Pedro Palácios

Nasceu em Medina do Rio Seco, na Espanha, perto de outra cidade maior, Medina Del Campo. Ambas hoje são cidades turísticas e perto da famosa Salamanca

Ver Artigo
Victória – Cidade Presépio, 1937

A linda capital do Espírito Santo. A cidade de Vitória está situada numa ilha banhada por águas do oceano Atlântico

Ver Artigo
Os cônsules no Espírito Santo

São representantes junto ao Governo do Estado, com residência nesta capital

Ver Artigo