Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Peixe na telha - Por Walter de Aguiar Filho

Peixaria de Guarapari

É carnaval. O mercado de peixes de Guarapari está lotado. Há uma movimentação grande de pessoas circulando com vestígios de confete e purpurina, levando nas mãos peixes, camarões e, claro,  latinhas de cerveja. 

Encontro um conhecido de Vila Velha que logo me dá uma dica preciosa: “Vai ao peixeiro da banca da esquina. Os produtos lá são de primeira qualidade!”. Lembro imediatamente do tempo em que era criança e ia para Guarapari no verão com meu pai e meu tio Paulo. Os dois também tinham seus macetes. O principal era comprar badejo direto do Siriba, um pescador que ancorava seu barco às margens do canal, bem próximo ao local onde hoje fica o mercado de peixes.

Só pela sua simpatia, o peixeiro da banca da esquina já me dá a sensação de que realmente seu produto é de primeira. E é. Faço uma festa comprando um quilo e meio de camarão (médio e descascado) e um bitelo de um dentão de três quilos. Não desejo me alongar na receita deste peixe, mas é essencial comprar antecipadamente azeite extra virgem, pimentões coloridos (um de cada cor, verde, amarelo e vermelho) e meia dúzia de bananas da terra. Isso adianta bastante, pois não é em qualquer lugar que estes ingredientes estão à mão e com preços módicos.

Para facilitar ainda mais a compra dos produtos da receita, na frente da peixaria há umas barraquinhas onde compro quatro maços de coentro, três limões, uma cabeça de alho, seis cebolas e um saquinho de colorau, esse para ser usado somente no preparo do camarão.

Entro no carro com toda a parafernália e zarpo. Imagino que o pessoal já está me aguardando com certa suspeição, para saber que negócio é esse de peixe na telha e suponho que você também. Então, vamos logo à receita:

Coloque o peixe numa forma de alumínio de tamanho próximo ao do bicho. Se ele ficar mal acomodado, um pouco inclinado, corte um pequeno pedaço do rabo para ajeitá-lo melhor na forma. Outro ponto importante é a limpeza do peixe. Mande tirar apenas as vísceras e as escamas, mantendo a espinha dorsal. Peixe sem a espinha pode ficar todo retorcido depois de assado.

Tem muita gente que gosta de fazer uma farofa, colocar na barriga do peixe, costurar e só aí levar ao forno. Não recomendo. Não é uma dica muito prática. Além de dar um trabalho danado, o peixe fica inchado igual a uma bola!

Sei que você deve já estar agoniado e pensando: Que receita de peixe é esta que não sai nunca! Tá estressado? Abre uma latinha. É só uma brincadeira. Vamos voltar à receita. Lembra onde parei? Não lembra mais? Vou lembrá-lo.

Depois de colocar o peixe na forma, coloque sal e limão. Faça o mesmo com os camarões em um recipiente a parte.   Deixe-os descansando, abra outra latinha e vá cortar os temperos. Pique as cebolas, os pimentões, o coentro, a cabeça de alho e reserve. Este processo é demorado. Entre o pica-pica e uns golinhos, dá para beber mais duas latinhas.

Voltemos ao peixe. Agora que está marinado, faça com uma faca quatro rasgos na parte superior e acrescente azeite, cebola, pimentão, alho, mais sal a gosto e leve-o ao forno por um período de uma hora e meia (fogo médio).

As bananas da terra devem ser pouco cozidas à parte na água fervendo, de maneira que fiquem firmes e não venham a desmanchar. Reserve-as.

Quanto aos camarões, que também já estão marinados com limão, deve-se escorrer toda a água e colocá-los numa frigideira grande com alho e azeite aquecido. Dê uma rápida tostada. Cuidado para não cozinhar muito e os camarões ficarem pequenos, duros e emborrachados. Só uma tostadinha. Quando o som de fritura mudar para o som de cozimento, desligue o fogo e reserve-os. É uma verdadeira farra, agora já tem até ouvido entrando na receita.

Tem também muita reserva. Reserve o peixe pra lá e reserve o camarão pra cá, para quebrar essa redundância abra outra latinha e depois em uma outra panela, acrescente alho, azeite, pimentão, cebola e coentro (a cebola e os pimentões são tirados da forma do peixe, que já está em andamento no forno). Junte a essa mistura caldo de frango, colorau e as bananas. Deixe ferver um pouco, em seguida acrescente os camarões. Esse prato já está pronto.

Preste atenção numa coisa. O andamento do peixe no forno deve ser acompanhado. Volta e meia abra a porta do forno e observe o volume d’água e o cozimento do peixe. O tempo de forno, como já falei, é de uma hora e meia ou um pouco mais.

Uma dica importantíssima é que o peixe deve ser servido por uma pessoa que entenda para não despedaçá-lo. Após servir todo o lado superior do peixe, retire toda a espinha dorsal.

Sirva no prato o peixe e os camarões com as bananas da terra, acompanhados de arroz branco e farinha de mandioca. Esta receita dá para oito pessoas.

E você deve estar se perguntando: - Por que o nome dessa receita é peixe na telha? E eu lhe respondo. Abra uma latinha, vá tomando e picando os temperos e o que for lhe dando na telha, vá fazendo. Mas, um último lembrete: vá com uma certa moderação nos temperos, principalmente no sal, nas latinhas nem precisa se falar...

Se gostou da dica e não for dirigir, então abra uma latinha pra comemorar, pois é carnaval!

 


Ingredientes da receita:

Dentão – 3kg

Camarões – 1 ½ kg

Pimentões – vermelho, amarelo e verde (01 de cada)

Bananas da terra – 06 unidades

Coentro – 04 maços

Limões – 03 unidades

Alho – 01 cabeça

Cebola – 06 unidades

Coloral – 01 saquinho

Azeite extra-virgem – 01 lata 200ml

Cerveja em lata – 01 Caixa

 

Autor: Walter de Aguiar Filho - Membro da Academia de Letras Humberto de Campos, Instituto Histórico e Geográfico do ES (IHGES) e Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha - Casa da Memória (IHGVV - CM)

Escritores Capixabas

Elmo Elton - Discurso de Posse no IHGES em 12.06.1981

Elmo Elton - Discurso de Posse no IHGES em 12.06.1981

Moravam meus pais próximo à Praça João Clímaco. A praça era um ponto de atração, tinha jardim com coreto, este sempre animado por vibrante banda de música...

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Peixe na telha - Por Walter de Aguiar Filho

Só pela sua simpatia, o peixeiro da banca da esquina já me dá a sensação de que realmente seu produto é de primeira. E é. Faço uma festa comprando um quilo e meio de camarão e um bitelo de um dentão de três quilos

Ver Artigo
Identidade(s) capixaba(s) – Por Francisco Aurélio Ribeiro

O conceito de "Identidade" é complexo, pouco desenvolvido e pouco compreendido, na contemporaneidade

Ver Artigo
Tímidos Ensaios – Por Monsenhor Eurípedes Pedrinha (1891)

Cuidou para logo Coutinho assentar habitações na margem direita dessa mimosa baía, e trocar-lhe o nome de Mboab

Ver Artigo
Ouro Negro

No começo de 1960, o Espírito Santo vivia o pior momento da sua história. A cafeicultura, que sustentava a economia desde a segunda década do séc. XIX

Ver Artigo
Hermogem

Eu, Tertolino Balbino, desde os meus 25 anos que eu cunhecí o senhor Hermogem Fonseca.

Ver Artigo