Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Prospeto da Vila da Vitória

Prospeto da Vila da Vitória

“Prospeto da Vila da Vitoria Capital da Capitania do Espirito Santo, e distante da foz do Rio do mesmo nome, huma Legoa: na Latitude de 20 g. e 15 m. ao sul, e 334 g e 45 m. de longitude. Foi tirado com Acamara obscura por Jozê Antonio Caldas. Capitam de Infantaria com exercicio de Engr.º Lente da Aula Regia das forteficasoens da Bahia, mandado à dita Capitania do Real Serviso pelo Ilum.º e Exm.º S.r Conde de Azambuja Capitam General e Governador desta Capitania B.ª8 de Sbr d 1767”.

Autor: José Antônio Caldas.

Fonte: Original manuscrito do Arquivo Histórico do Exército, Rio de Janeiro.

Em 1767 o Capitão José Antônio Caldas, servindo na Bahia, foi enviado ao Espírito Santo, para a elaboração de desenhos sobre a Vila de Vitória, Vila Velha e toda a área do porto. Esse “Prospeto” é uma das peças desse conjunto e nos revela a aparência da Vila de Vitória, com a perfeição dos demais trabalhos de Caldas. Nos fundos do desenho, à esquerda, vê-se uma parte superior do Colégio dos jesuítas e sua igreja, com duas torres de formas diferentes, enquadrando um frontão central, com linhas simples, de padrão renascentista. Na mesma linha, junto ao mar, vemos o forte da cidade, com suas ameias. Mais para a direita, no fundo, destacando-se sobre o casario comum, vemos o que deveria ser o fundo da igreja Matriz, situada nas bordas da Cidade Alta, desse lado. Na extremidade direita, isolado entre o arvoredo, vemos o convento franciscano. Junto ao porto, sobrados numerosos, dispostos em linhas sucessivas e escalonadas, em direção à Cidade Alta.

Caldas, nascido na Bahia, formou-se na Aula de Arquitetura Militar da Bahia, tendo sido discípulo de Manuel Cardoso de Saldanha. Foi um dos mais brilhantes oficiais de seu tempo, tendo realizado levantamentos semelhantes de Salvador e de suas fortificações.

REIS FILHO, Nestor Goulart. Imagens de vilas e cidades do Brasil Colonial. Coleção com manual, conjunto de 35 painéis e CD-ROM. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial do Estado, 2000. Manual, p. 12-3. [Nota do editor].

 

Fonte: História do Estado do Espírito Santo, 3edição, 2008 
Coordenação editorial: Fernando Antônio de Moraes Achiamé
Revisão e atualização do texto: Reinaldo Santos Neves
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2015



GALERIA:

📷
📷


História do ES

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

As guerras imperiais e seus reflexos no Espírito Santo – Por João Eurípedes Franklin Leal

O Ururau era em brigue de transporte, armado com seis bocas de fogo, que próximo a barra da baía de Vitória combateu por hora e meia um barco argentino o “Vencedor de Ituzaingu”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Vitória recebe a República sem manifestação e Cachoeiro comemora

No final do século XIX, principalmente por causa da produção cafeeira, o Brasil, e o Espírito Santo, em particular, passaram por profundas transformações

Ver Artigo
A República e o esforço pela expansão do ensino

No que diz respeito ao ensino primário, houve um acentuado aumento quantitativo do número de escolas e de matrículas

Ver Artigo
Administração e serviços públicos na República

Os faróis de Santa Luzia e da Ilha do Francês; as fortalezas de S. João e S. Francisco Xavier, as Companhias de Infantaria e de Polícia e o Batalhão da Guarda Nacional

Ver Artigo
Bibliotecas públicas e jornais na República

A Biblioteca Pública Provincial, em 1889, era servida por um amanuense-bibliotecário e um porteiro

Ver Artigo
A República - Por José Teixeira de Oliveira

Data de 1887 o primeiro clube republicano na terra capixaba, devido à iniciativa de Bernardo Horta de Araújo, Antônio Gomes Aguirre e Joaquim Pires de Amorim

Ver Artigo