Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

R A R I D A D E

Acerca do autor e de sua obra pouco se sabe da vida de Pero Magalhães Gândavo, natural de Braga, filho de pai flamengo, ignoram-se as datas do seu nascimento e morte, mas pensa-se que ainda vivesse em 1576, ano em que foi impressa a Historia.

Humanista distinto, versado em latim e redigindo com grande facilidade, foi professor na região entre Douro e Minho tendo conhecido a obra de autores seus contemporâneos como Sá de Miranda, João de Barros, André de Resende e Camões, este último colaborou, com um certo número de tercetos e um soneto, na edição da Historia.

Publicou em 1574 as Regras que ensinam a maneira de escrever a ortographia da lingua Portuguesa e O Tratado da Província do Brasil, talvez escrito em 1569 embora só aparecido em 1826 no 4º vol. da Colecção de notícias para a historia da Geografia das nações ultramarinas.

Permaneceu no Brasil algum tempo onde se sabe que D. Sebastião, por alvará de 29 de Agosto de 1576, o nomeou provedor da fazenda em S. Salvador da Baía considerando os serviços por ele prestados em "trelladar alguuns liuros e papeis de meu serviço".

Segundo Vasco da Graça Moura, ao voltar a Portugal tornou-se copista da Torre do Tombo onde poderá ter constatado com Damião de Góis e Luís de Camões.

A Historia da Provincia de Santa Cruz, impressa em 1576, foi traduzida desde cedo em castelhano e mais tarde em francês e inglês permanecendo quase desconhecida, embora segundo Henri Ternaux seja uma das "mais notáveis que apareceram no século XVI, sobre a descrição de países longínquos." Integra-se no ciclo literário da revelação da terra e do homem do Brasil.

Em estilo simples, pouco comum na época, Gândavo descreve a descoberta feita por Pedro Álvares Cabral e retoma os mesmos temas do Tratado dissertando sobre a geografia e a história natural do país e os costumes dos índios. É um louvor ao Brasil insistindo no seu clima, águas, fertilidade e riqueza, abundante em açúcar, algodão e pau-brasil e apela à fixação dos portugueses no novo continente.

Sente-se já o entusiasmo pela terra que considera entre as Províncias da América "sem contradição a melhor para a vida do homem", mantendo a objetividade nos seus relatos e não se deixando perturbar com os mitos que enchem os escritos de alguns viajantes da época.

Segundo o Padre Leite de Faria, desta obra de extrema raridade existem nove exemplares dispersos por diversas Bibliotecas Europeias e Americanas.

 

Fonte 1:Tratado da Provincia do Brasil - Instituto Nacional do Livro (Diretor - Augusto Meyer), Ministério da Educação e Cultura,1965
Dicionário da Língua Portuguesa - Textos e Vocabulários - Coleção Organizada e Dirigida por A.G. Cunha
Reprodução da Biblioteca Sloaniana do Museu Britânico
Edição preparada pelo professor Emmanuel Peeira Filho
Fonte 2: Biblioteca Nacional de Portugal - Tesouros
Autor: Pêro de Magalães de Gândavo
Pesquisador: Walter de Aguiar Filho, jan/2011
Fotos: Escaneadas do próprio livro

 

 

 

       

 

 

 

 



GALERIA:

📷
📷


História do ES

Literatura Capixaba no Final do século XIX

Literatura Capixaba no Final do século XIX

Os escritores capixabas só conseguiram algum destaque nacional quando saíram do Espírito Santo. Isso aconteceu com Almeida Cousin e outros que publicavam suas obras no Rio de Janeiro

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Palavras que vieram da África

A influência do negro na nossa cultura foi bastante expressiva. Os hábitos e costumes africanos penetraram no nosso cotidiano

Ver Artigo
Epidemias e Ameaças - Por Serafim Derenzi

Os franceses, que ameaçaram a costa em 1551, voltaram em 1558 ao Porto de Vitória, onde dormiram 

Ver Artigo
A febre amarela no Espírito Santo em 1850

A Providência Divina vela certamente sobre a população desta Província que, sem o seu auxílio, estaria hoje extinta por falta de recursos da medicina

Ver Artigo
Varíola, cólera, fome em meados do Século XIX no ES

Já em fevereiro de 1855, um ofício do barão de Itapemirim falava em mais de mil vítimas 

Ver Artigo
Porto de Cachoeiro foi marco de crescimento

“Mas o transporte fluvial era tão importante, que a sede da colônia veio para o porto das embarcações, o Porto de Cachoeiro, que hoje é Santa Leopoldina”

Ver Artigo