Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Duas Palavras – Por Gabriel Bittencourt

Livro do Gabriel Bittencourt

Este livro decorre de nossa atividade de historiador ao longo dos últimos treze anos. Durante esta época, nos tornamos, também, algumas vezes, assíduo colaborador da imprensa. Primeiro, por período efêmero, como redator de economia de A Tribuna; depois, tendo optado pela carreira universitária, continuamos a ela ligado, por elo inquebrantável, na medida em que o jornal se constitui veículo ideal para divulgação do estudo de nossas coisas e informação ao homem capixaba.

Na seleção dos artigos, deixamos de lado muitas de nossas publicações, realizadas aqui e alhures, tanto pelos temas, bastante diversificados, como pela redundância de alguns. Não se trata de uma renegação, mas, questão de ordenamento, lógica e método de organização, primando-se pela coerência dos textos e subordinação ao tema principal: — Espírito Santo.

Por feliz coincidência, em obediência possível à ordem de assuntos, iniciamos por um de nossos primeiros artigos — "São Mateus: mais de 400 anos de solidão" (trabalho que recebeu, a 5 de maio de 1976, em Brasília, o Prêmio Rondon de Estudos Regionais — 2.° lugar), sendo que os últimos artigos e pesquisas estão mais ligados à nossa atualidade, quer como Conselheiro de Cultura do Estado ou consultor para assuntos culturais do "Jornal do Povo" da TV-VITÓRIA/ MANCHETE; onde temos oportunidade, semanalmente, de falar de nosso patrimônio histórico, de nossa cidade.

Daí o prefácio de Marcello e Cybelle de Ipanema, historiadores da imprensa, jornalistas cariocas e professores do Curso de Comunicação da UFRJ, sendo o primeiro identificado na luta pela defesa do patrimônio natural, artístico e cultural do Rio de Janeiro, tendo sido ali, também Conselheiro.

Para os dois últimos assuntos optamos por sua disposição em anexo. O primeiro destes "A pesquisa...", conquanto pertinente de todo ao local regional, em que pese a eliminação de inúmeros dispositivos que caracterizam uma publicação de revista científica, é ainda um texto muito acadêmico, conquanto importante para nossa historiografia, quiçá documento único do gênero, "quebra" a disposição das demais apresentações. O último, "Nazaré...", publicado em A Tarde, de Salvador (BA), pelas particularidades que encerra em relação às raízes do autor.

Trabalho de historiador que busca oferecer uma contribuição aos estudiosos ou interessados das nossas coisas, dos muitos caminhos que estão ainda por desbravar para a historiografia capixaba, ou chamar atenção para monumentos que merecem, pela sua beleza, notabilidade e importância, a vigília constante do homem espírito-santense, - eis, em síntese, o que representa o presente volume.

Muitas pessoas ajudaram a tornar possível esta publicação ou contribuíram na sua realização. Particularmente gastaria de registrar o incentivo e a inestimável colaboração do saudoso Elmo Elton, a quem dedico esta obra; a cooperação do poeta e escritor Roberto Almada, que pacientemente leu e apresentou sugestões, e Antonio Augusto Rosetti, cujas iniciativas facilitaram sobremaneira o apoio empresarial para sua impressão.

 

Vitória, abril de 1987.

 

Fonte: Notícias do Espírito Santo, Livraria Editora Catedra, Rio de Janeiro - 1989
Autor: Gabriel Bittencourt
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro 2021

Variedades

Na borda do infinito – Por Luiz Carlos Almeida Lima

Na borda do infinito – Por Luiz Carlos Almeida Lima

Bebia num bar... SCANDINAVE... outro porto, outra terra a proteger caravelas... preso como âncora no lodaçal

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

UMA FEIRA, COM AMOR - Por Luiz Sérgio Quarto

Vá, mesmo que não tenha vivido no interior. Mas vá com a seguinte condição: a de expor o seu interior. Feito isso, será bem-vindo. Ou melhor: festejado

Ver Artigo
Cienfuegos no bar do Valfredo na Vila Rubim - Por Gilson Soares

O relógio na parede do Bar da Vila marcava meio-dia. Era a hora. O bando de bêbados inventou de enumerar em coro, sob a batuta de Cienfuegos, as batidas do velho relógio 

Ver Artigo
Bananas, Curiós e Peroás - Por Marien Calixte

Ali chegavam as canoas vindas de Caçaroca, Jucu, Tanque, Cariacica, via rio Marinho. Também vinham do rio Santa Maria.

Ver Artigo
Bota Muito - Por Cariê Lindenberg

Era um ritual quase religioso: frequentar o botequim do mercado da Vila Rubim apelidado pelo pessoal de, "Bota Muito", por razões que acredito óbvias

Ver Artigo
Frases de Caminhão - Por Eurípedes Queiroz do Valle

As 10 mais espirituosas Frase de Caminhão do Espírito Santo, 1971

Ver Artigo