Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Massena e Fanzeres - Mestres da Arte no ES

Escudo de Homero Massena para teto do teatro Carlos Gomes.

Uma polêmica muito popular no Brasil foi entre Noel Rosa e Wilson Batista. O primeiro, compositor já respeitado; o segundo, recém chegado de Campos, deslumbrado com a boemia da Lapa, Rio de Janeiro.

A perspectiva de Noel era muito diferente da de Wilson. Ele teve como referência a "nata" da malandragem; o outro, malandro folclórico (o otário). O resultado foi bom para os dois, fizeram uma música em parceria dedicada a Ceci, mulher que amaram.

Levino Fanzeres, pintor de renome nacional, visitava o boêmio Homero Massena em Vila Velha, que recebia também Hélios Selinger, o grande simbolista brasileiro. Sua casa era generosa e muito interessante. Massena admirava profundamente o trabalho de Fanzeres, destacando seus crepúsculos e pinturas históricas.

Entretanto o quadro do colega que ele mais elogiava era uma paisagem, gênero em que Massena era mestre: "Senochenes", tema europeu medalha de ouro na Bélgica, que está no Palácio Anchieta (rasgada e pedindo socorro há mais de trinta anos). Fanzeres foi Prêmio Nacional de Viagem, Museu Nacional de Belas Artes; Massena foi Prêmio de Viagem do Governo de Minas. Massena fundou a Escola de Belas Artes do ES; Fanzeres a mais concorrida e produtiva escola livre de pintura no Brasil, Quinta de Boa Vista, Rio. Fanzeres representou oficialmente a pintura nacional com exposições individuais promovidas pelo Governo no exterior; Massena tem obra no Palácio do Governo francês nos Campos Elíseos e em nossas embaixadas, de Paris e Londres. Fanzeres domina a coleção do Palácio Domingos Martins - AL; Massena domina a do Palácio Anchieta.

Aqui não há polêmica. No Estado, há pouco interesse pela nossa história e por obras de artistas locais. Poucos capixabas conhecem estes dois grandes mestres: um, o mais importante pintor para o Espírito Santo; o outro, o mais importante pintor nascido no Estado. Se ambos são importantes e têm intenso brilho, embora sejam diferentes, é um caso de estrela dupla de priomeira grandeza.

 

Autor: Kléber Galvêas

Matérias Especiais

Ano de 1741 - Por Basílio Daemon

Ano de 1741 - Por Basílio Daemon

É criada neste ano a comarca da Vitória nesta capitania do Espírito Santo, sendo a sede na vila da Vitória independente da do Rio de Janeiro

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Casa da Memória de Vila Velha - Sua História

Na Prainha, à beira mar, de frente para a Praça Tamandaré, havia um casarão geminado em ruínas, uma das últimas edificações do século XIX, datada de 1893, conforme inscrição em seu frontispício

Ver Artigo
A Herança Cultural Afro - Capixaba

Roger Bastide destacava, por volta de 1950, que não foi apenas no Rio de Janeiro que a Macumba difundiu-se, pois já era bem popular no Espírito Santo

Ver Artigo
Hermógenes - Amor pela Barra

Aos 12 anos, Hermógenes embarcou com a mãe e o irmão Ivo no navio de cabotagem Lud e, após longa viagem, aportaram em Vitória. Foi morar em Paul, município de Vila Velha

Ver Artigo
Memória Capixaba - O Arquivo e a Biblioteca (II) – Por Gabriel Bittencourt

O novo Congresso Legislativo construído sobre os escombros da antiga igreja da Misericórdia, que fora arrasada por ordem de Jerônimo Monteiro

Ver Artigo
A Polícia Militar na Historiografia Capixaba - Por Gabriel Bittencourt

A Policia Militar jamais suscitou tanta evidência, seja na imprensa ou no seio da comunidade cultural, como neste ano em que comemora 150 anos de existência

Ver Artigo