Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

A Lenda da Ilha do Sapo

Ilha do Sapo - Foto: Walter de Aguiar Filho, outubro/2011

Relacionada com a origem do nome da Praia da Sereia, na Praia da Costa. Conto que ouvi uma única vez, quando ainda jovem, teria talvez meus dez anos; e tinha como personagem, um velho pescador chamado João Rita, que morava ali mesmo, na Praia da Costa. Este pescador João Rita, existiu e era conhecido de quase todos os moradores de Vila Velha, nas décadas de 1930/ 1940.

João Rita era muito pobre, mas alegre e gostava de conversar com qualquer pessoa. Palrador que nem papagaio, especialmente com senhoras e crianças. Sua casa era baixinha, sobre a areia da praia. Para adentrá-la deveria abaixar-se. Suas paredes eram feitas com ramagens da mata de restinga fincados no chão e amarradas nas varas horizontais. Não tinha divisão interna, era de um cômodo só e a cobertura era de palha de coqueiro ou de palmeira.

João Rita era um pescador profissional e costumava pescar de todo jeito e em qualquer lugar. Nos dias chuvosos ou de mar revolto, se limitava ao exame do tresmalho sempre armado ao lado de sua casinha, onde existiu um trampolim de concreto armado para divertimento da rapaziada antiga.

Pescava muito em alto-mar e nas pedras adjacentes. Dizem, que, um dia, João Rita apaixonou-se por uma bonita garoupa que morava numa loca da Ilha do Sapo – uma daquelas que compõem o arquipélago próximo. Foi quando ele viu lá no horizonte uma nuvem escura se aproximando devagar. Ele não procurou abrigo, preferiu ficar ali curtindo sua amada. A nuvem ficou enorme, chegando lentamente, envolveu os dois e os levou para o alto, na direção do Convento da Penha para lá se casar. E lá ficaram... Nunca mais se teve notícias de João Rita.

Dizem que, algum tempo depois apareceu, naquele recanto da Ilha do Sapo, uma Sereia, onde nas noites de lua cantava as mais lindas canções. Coisa que se repetiu durante anos.

Por isso, aquele recanto da Praia da Costa ganhou o nome de Praia da Sereia.

 

Nota: Na primeira edição do livro “Vila Velha – Onde Começou o Estado do Espírito Santo”, cito o pintor de paredes Lúcio Bacelar, como perenizador do nome dado à Praia da Sereia, quando em 1930 pintou, na parede da fachada da sua quitanda, a figura de uma linda sereia. Sinal que ele também ouviu a lenda acima descrita.

 

 

Fonte: Vila Velha – Onde Começou o Estado do Espírito Santo, 2ª edição. 2011.
Autor: Jair Santos
Compilação e fotos: Walter de Aguiar Filho, outubro/2011



GALERIA:

📷
📷


Curiosidades

Vila Velha nos anos 40 - Por Therezinha Botelho de Aguiar

Vila Velha nos anos 40 - Por Therezinha Botelho de Aguiar

O burdigão encomendado pelas donas de casa. Na Semana Santa, esses mariscos não podiam faltar na Torta Capixaba. Inhoá é hoje o local onde está a Marinha

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Os vizinhos de Florentino Avidos – Por Jair Corrêa

Fui trabalhar "Flor de Maio". A "Flor de Maio" ficava ali mais ou menos onde hoje está aquele hotel ao lado das Pernambucanas

Ver Artigo
Vitória, explosão demográfica e progresso

Vitória, que, em 1970, tinha 133.019 habitantes, em 1980 já contava com a presença de 207.736 pessoas

Ver Artigo
Década de 50: a nova fase de Vitória depois dos aterros

Depois, com o novo aterro é que formou a Esplanada Capixaba, novas ruas surgiram, entre elas a General Mascarenhas de Morais (Beira-Mar) e a  Av. Princesa Isabel

Ver Artigo
Os guarás

Foram os guarás – pássaros de porte médio e coloração rosada – que deram origem ao nome Guarapari. Guará é a espécie da ave; e paryn, alçapão ou armadilha

Ver Artigo