Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Alerta contra a desertificação - Por Augusto Ruschi

Augusto Ruschi

Ruschi avisava, em 1940, que boa parte do ES já estava sob risco de se tornar um grande deserto.

Logo que começou a mapear o ecossistema capixaba, Augusto Ruschi percebeu a tendência à desertificação em algumas regiões, por ser região tropical com latossolos (solos de origem de pedra). Retirando-se a cobertura florestal, a erosão carrega tudo, exatamente como na África. Alerta que se não houvesse reflorestamento, o Espírito Santo se tornaria um deserto.

A advertência é de 1940. Ruschi foi chamado de lunático. Passou a vida inteira tentando mostrar ao governo que era preciso reflorestar e preservar a natureza. Acabou criando o projeto Mata Atlântica no Brasil. Seu filho André lembra que os estudos atuais confirmam tudo o que o pai dizia sobre desertificação. Hoje, as pesquisas são complementadas por fotos de satélites.

Ruschi calculava que 15% do Espírito Santo já eram um pré-deserto. Mês passado, um mapeamento divulgado mostrava que 15,5% do Estado estão desertificados. “O erro foi de meio por cento”, Observa André Ruschi, que o acompanhou por longos anos, absorvendo os ensinamentos, a sabedoria e a dinâmica filosófica do pai.

André segue pesquisando e elaborando teorias e metodologias sobre educação ambiental para crianças, projeto desenvolvido na Estação Biologia Marinha, em Santa Cruz, criada por Ruschi em 1970. O trabalho mantém a essência de Augusto Ruschi: o amor pela natureza, a pesquisa desenvolvida no campo e a necessidade de contribuir para a mudança indispensável à sobrevivência da vida no planeta. Algo como o tripé da Revolução Francesa, lembrado por Ruschi na inauguração: Liberté, Egalité, Fraternité.

Para André Ruschi, este é o momento da mudança. “Pela primeira vez, temos que nos defrontar com a real ameaça de extinção da raça humana e de toda a vida no planeta. Por isso, as pessoas estão se reunindo para decidir o que fazer quanto à questão ambiental”. É de opinião que “o fim de aproxima, com velocidade: vão acabar as matérias-primas, os adubos químicos, os combustíveis fósseis e as reservas naturais. Convivemos com a loucura nuclear, o envenenamento do ambiente, a contaminação do lixo, a fome desesperadora. O mundo está entrando em convulsão. Daí a importância de mudarmos a relação do homem com o seu meio ambiente, através do trabalho com as crianças, que são a renovação da vida humana e do planeta”.

Para ele, é preciso evitar o colapso da vida na Terra. Uma nova ética ecológica, construída a partir da educação ambiental, poderá evitar um desastre. “Existem saídas. Elas estão ao alcance de nossa inteligência e sensibilidade. Existem homens que sabem quais são as saídas e se propõem transmitir e intercambiar estes conhecimentos”.

André lembra palavras do pai: “O número de homens na Terra não será determinado pelas leis do homem, mas sim pelas leis da natureza. Certa gente vai me responder: no momento chegado, o homem saberá criar novas fontes de alimentação? Que sabeis disto e que sabeis do momento? Alguns me dirão ainda: Depois de nós, o dilúvio!!! Certamente, exatamente o dilúvio. E é justamente porque pode ser previsto, que nós pedimos aos outros que nos ajudem a evitá-lo”.

 

Fonte: Jornal A GAZETA de 24/12/1999
Acervo: Casa da Memória de Vila Velha
Compilação: Walter de Aguiar Filho, junho/2012 



Ecologia

Reflorestamento no Moreno

Reflorestamento no Moreno

Nem bagunça, nem brincadeira fora de hora. O que se viu neste domingo no Morro do Moreno, em Vila Velha, foi algo bem distinto. Cerca de 300 crianças e adolescentes acompanhados de instrutores e soldados do Exército, fizeram um trabalho de reflorestamento da área

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Um grito ecológico em 1925

Existia nas proximidades da casa de residência do ilustre jurisconsulto Ferreira Coelho, uma belíssima árvore, que era um atestado glorioso do que foi a nossa floresta há séculos atrás 

Ver Artigo
Dia Mundial da Água

A Assembléia Geral das Nações Unidas criou em 22 de fevereiro de 1993, o Dia Mundial das Águas, a ser comemorado em 22 de março de cada ano

Ver Artigo
Descida Ecológica do Rio Jucu

Ela foi a grande motivadora para a criação do Consórcio Jucu-Santa Maria e é o primeiro movimento do Estado a mobilizar a sociedade para discutir os problemas das águas

Ver Artigo
Empresa utiliza água da chuva captada de enxurradas da Pedra Azul

A propriedade capta a água da chuva no momento que ela cai pela Pedra Azul, na forma de enxurradas, por meio de dois lagos e quatro reservatórios

Ver Artigo
Estações biológicas de Santa Lúcia e de São Lourenço

Elas estão numa região marcada pela diversidade florística. Situadas no município de Santa Teresa

Ver Artigo