Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Caribexaba - Por Paulo DePaula

Tudo começou a partir de um convite. Visitar Barbados, a ilha paradisíaca do Caribe, a pérola das Antilhas, descoberta pelos portugueses, no mesmo ano que Vasco Coutinho chegou ao Espírito Santo, 1535.

Lembrei-me de ter passado por ela anos atrás: suas colinas verdejantes, seus flamboyants exuberantes, e aquele imenso mar de um azul turquesa infindo.

Uma pérola do mar, que os portugueses deixaram pra lá, e os espertos ingleses logo a abocanharam, sem se prescindir, para o seu povoamento, de muitos da Silva, e Pereiras e outros portugueses exilados do Recife, devido às suas crenças judaicas. No campo santo judaico de Bridgetown, grande número das lápides são escritas em português.

Mas muito bem fizeram os ingleses com a ilha, pois antes mesmo que a pátria mãe houvesse uma biblioteca pública, já Bridgetown, Barbados, a possuía.

O convite de visitar Barbados me reporta a ter, quando criança, convivido com alguns barbadianos em nossa ilha de Vitória, em meados do século XX. O Professor Lionel, por exemplo, que ensinava inglês em nossa casa...

Antes da viagem, uma visita ao arquivo público, onde, com a presteza de Agostino Lázzaro e do arqueólogo Climar Franceschetto, logo tinha às vistas fotos e documento de barbadianos de quem me lembrava. Tinham vindo pro Estado em 1924 – em sua maioria – e perfaziam um total de 17 famílias que residiam, originalmente, - quase em sua totalidade, na comunidade de Santo Antônio. Novamente refletindo o bom nível educacional da Ilha de Barbados, não havia entre esses imigrantes, analfabetos. Alguns eram professores, e todos trabalhadores qualificados que logo se empregam na construção da Ponte Florentino Avidos, mulheres hábeis, (Renato Pacheco cita os gostosos “quitutes” das Barbadianas) e que aqui criaram novas raízes, se acapixabaram.

Pode um nome ser mais capixaba que o de Hermínio Blackman? Professor, vereador, nome de rua... um orgulho capixaba que descende desse tronco que a árvore barbuda nos legou. Os cipós que desciam pelas árvores e se enroscavam nela, em Barbados, deram o nome á árvore, e ao país. Assim Portugal deixou aos ingleses, pelo menos o nome da Ilha e nós trouxemos às origens portuguesas esses caribenhos ingleses que aqui se mesclaram com brasileiros, pomeranos, italianos... e são autênticos capixabas. Caribexabas. Uma dádiva do Caribe à cultura capixaba.

 

Fonte: Jornal A Crônica - Vila Velha, 15 de maio de 2006
Autor: Paulo DePaula
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2014

Genealogia Capixaba

A genealogia paterna de Anchieta

A genealogia paterna de Anchieta

A 16 janeiro de 1966, no Jornal El Dia de Santa Cruz de Tenerife, publicava o historiador Antônio Rumeu de Armas, artigo sobre “O pai do Apóstolo do Brasil e sua vinculação à Ilha”

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Excertos das Memórias de João Punaro Bley

Reuni nossa Comissão Executiva, secretários e prefeitos quando francamente expus o que pensava da futura governança do Estado

Ver Artigo
Augusto Manoel de Aguiar Filho

Augusto Manoel de Aguiar Filho era o irmão mais velho de Aristeu Borges de Aguiar (Presidente   Capixaba, 1928-1930)

Ver Artigo
Árvore Genealógica Família Aguiar

Num olhar quase infinito, vemos claramente que todas as famílias vão se misturando entre si até chegarmos a origem da vida. Portanto, se não somos todos irmãos, só se Deus criou o mundo com mais de um casal além de Adão e Eva

Ver Artigo
As Famílias Portuguesas Radicadas no Espírito Santo

Conforme o genealogista Paulo Stuck Moraes, não tivemos um fluxo imigratório concentrado de portugueses para o Espírito Santo como o italiano e, em menor escala, o germânico

Ver Artigo
Os filhos de Luiz Barbosa Leão

Luiz Barbosa Leão, de seu casamento com Vitória Maria, falecida a 15 de novembro de 1915, teve quatro filhos: - Miguel, Maria da Conceição, Rosa da Conceição, Luiz e Grata da Conceição

Ver Artigo