Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

Nossa vida no Brasil - Imigração dos EUA para o ES

Nossa vida no Brasil - Imigração dos EUA para o Espírito Santo, Brasil

Prefácio do livro - Nossa Vida no Brasil

 

Considerações iniciais

 

O manuscrito Nossa vida no Brasil foi escrito e organizado por Julia Louisa Lee Hentz Keyes, com contribuições de diversos membros de sua família, em especial Jennie Rutledge Keyes, sua filha, e de John Washington Keyes, seu esposo.

A versão original, de 1874, encontra-se no arquivo histórico do estado do Alabama, em Montgomery, nos Estados Unidos, onde realizamos parte de nossa pesquisa documental de uma investigação mais ampla sobre a imigração confederada para o Brasil. O manuscrito é uma referência importante não apenas para os estudiosos do autoexílio confederado, mas para aqueles que desejam estudar a história capixaba, em especial o norte da então província – hoje Estado – do Espírito Santo.

 

A imigração confederada

 

Em torno de oito a dez mil imigrantes confederados teriam deixado os Estados Unidos (EUA) em direção ao Brasil, México, Cuba, Venezuela e outros países da América Latina, bem como ao Canadá, após o fim da Guerra Civil Americana. O Brasil teria sido o principal destino dos imigrantes sulistas: entre dois a quatro mil indivíduos teriam se dirigido ao Império.

Esses números são insignificantes quando confrontados com o movimento em massa de imigrantes ocorrido no Brasil após fins da década de 1880, em especial italianos, alemães, portugueses e espanhóis. Entretanto, há uma especificidade na imigração confederada: não se tratou de um deslocamento motivado apenas pela busca de melhores oportunidades econômicas, mas, essencialmente, por motivos políticos.

Sendo assim, a imigração confederada constitui uma exceção dentro do cenário dos grandes movimentos populacionais do período. Os Estados Unidos da América eram o principal destino dos imigrantes europeus e, destarte, o movimento realizado pelos sulistas em direção ao Império foi de contrafluxo – o segundo maior da história daquele país, sendo o primeiro aquele realizado pelos toriesque rumaram em direção ao Canadá durante a luta pela independência contra a Grã-Bretanha.

Insatisfeitos com a derrota dos Estados Confederados da América, a abolição da escravidão e a supressão dos direitos políticos daqueles que pegaram em armas contra a União, os sulistas almejaram o autoexílio. Estima-se que algo em torno de 16% a 18% das famílias sulistas, entre os brancos, tenham considerado deixar os EUA após a guerra.

Existiu uma convergência ideológica entre os líderes dos imigrantes e os políticos conservadores sulistas, em especial aqueles que clamavam pela secessão anos antes da Guerra Civil. Muitos dos promotores da imigração ao Brasil no pós-guerra tinham sido agentes políticos pró-secessão, ou mesmo familiares próximos.

Por que o Brasil? Tendo a escravidão sido varrida do sul dos EUA pelos exércitos de Sherman e Grant, o Império, junto com Cuba, era um dos últimos países da América onde a possibilidade de empregar a mão de obra compulsória do negro na lavoura comercial ainda existia. Recorrentemente, o Brasil surge nos jornais sulistas como um paraíso para aqueles insatisfeitos com a ordem social imposta pela derrota na Guerra Civil.

 

Fonte: Nossa vida no Brasil – Imigração Norte-Americana no Espírito Santo 1867-1870
Autora: Julia Louisa Keyes
Tradução e notas: Célio Antônio Alcântara Silva (Historiador)
Publicação: Arquivo Público do Espírito Santo, 2003



GALERIA:

📷
📷


Imigração no ES

Luxemburgueses

Luxemburgueses

Os luxemburgueses foram aqueles que mais se movimentaram pela região de Santa Leopoldina.Eles chegaram ao Espírito Santo por volta de 1859

Pesquisa

Facebook

Matérias Relacionadas

Ida ao Rio Doce - Imigração Americana

Família Keyes indo de encontro ao Rio Doce, onde mais tarde descobririam o caminho até Linhares, citações em relação a política governamental daquela época, como: vantagens para os imigrantes

Ver Artigo
Novamente embarcados - Imigração Americana

Embarcamos essa vez em um vapor brasileiro, o Juparanã, pronuncia-se Juparanah, que rumava a São Mateus, uma cidade portuária além da província para a qual estávamos indo

Ver Artigo
Vitória - Imigração Americana

Chegada dos Keyes a Vitória, primeira imprenssão para com a cidade e seu comércio

Ver Artigo
Primeira descrição - Imigração Americana

Hospedagem dos Keyes, estranhanamento quanto ás questões sociais e culturais dos brasileiros

Ver Artigo
Varejando rio acima - Imigração Americana

Começando a jornada pelo Rio Doce, relato de acontecimentos durante o percursso

Ver Artigo
Acampando, o crepúsculo às margens do rio - Imigração Americana

Primeira note dos Keyes acampando, dificuldades quanto ao costume do clima local e também quanto a viagem de canoa pelo Rio Doce

Ver Artigo
Quase lá - Imigração Americana

Ansiedade e expectativa dos Keyes para chegar em Linhares, receptividade de outras famílias ao chegarem em Linhares

Ver Artigo
Primeiro dia em Linhares - Imigração Americana

Chegada em Linhares, descrição da vila e suas imediações, popularidade da família para com os brasileiros que já viviam ali

Ver Artigo