Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando há 16 anos Cultura e História Capixaba

O Circo em Vila Velha no tempo do Seu Dedê

A Prefeitura antiga, o Colégio Vasco Coutinho e o pátio da Praça Duque de Caxias, local onde eram montados os circos nos anos 40

Circo, quanta saudade...

"Furar o pano" do circo era o termo usado pela molecada para passar por baixo do pano e assistir ao espetáculo de graça. Era assim: de bilhete comprado legalmente, entravam no circo, bem antes do espetáculo começar, um ou dois meninos. Dirigiam-se ao último degrau da arquibancada e escolhiam um lugar onde o pano estivesse frouxo e fácil de ser levantado. Disfarçadamente, ficava um sobre a bancada, colocando a cabeça para fora do pano e dava o sinal combinado para que a turma de fora soubesse que estava tudo certo e era só aguardar o sinal de "já"!

Dentro do circo havia o perigo de ser apanhado pelos borés. Os borés eram ajudantes locais, contratados para armar e desmontar o circo e seus apetrechos antes e durante o espetáculo, manter a limpeza e, sobretudo, rondar dentro do circo durante o espetáculo, visando os furadores de pano.

Naquele tempo o circo era circulado por uma lona branca e separado dos invasores por uma cerca de arame farpado. Fora do circo um policial requisitado pelo proprietário fazia também a ronda, para evitar invasão.

Os furadores iniciavam do lado de fora sua parte, vendo se era possível arrancar um ou mais grampos da cerca de isolamento do circo; abriam uma vala sob o arame e aguardavam. A furiosa, pequena banda formada por músicos, animava a platéia tocando marchinhas (tipo a bandinha Lira do Xopotó), anunciando que o espetáculo ia começar. É a hora!

O policial do lado de fora, na sua ronda, não percebia o local a ser furado porque a turma previamente tinha tudo planejado; passar sob a cerca era moleza, o chão arenoso sob o arame já estava cavado; o circo é circular e o policial, ao passar, tendia a seguir em frente; era nesta hora que o de fora falava: Suspende o pano! Se lá dentro a barra estava livre, o pano era levantado e um dos garotos de fora forçava o arame enquanto outros se esgueiravam sob o mesmo e adentravam no circo; estes ocupavam novos lugares e continuavam o fura aqui, fura ali e acolá. Em pouco tempo todos já estavam acomodados. Muitas vezes algum espectador ajudava a garotada depondo a seu favor.

Anos mais tarde surgiu o circo dos "Irmãos Temperani" que, em vez de cerca de arame farpado, usava o tapume de folhas de zinco como proteção, o que dificultou a entrada dos furadores de pano; mesmo assim, nada segurava o Aloir do Seu Amazonas: conseguiu furar o circo, escalando um dos cabos de aço de sustentação dos mastros, passando por cima do alambrado.

Não mais podendo assistir a todos os espetáculos a gente recorria ao hoje tem. Era assim: às 14 horas havia um ajuntamento de garotos (não se usava a palavra moleque) aguardando a saída do palhaço com suas pernas de pau para anunciar o espetáculo. Apoiado sobre o alto do muro do Grupo Vasco Coutinho, o palhaço calçava as pernas de pau e as calças. Levantava-se e em passadas largas, tendo às mãos um grande cone de lata pintado com alegorias e um bocal que levava a boca e gritava:

— Hoje tem espetáculo?

E a garotada: Tem sim senhor!

— O palhaço o que é?

— É ladrão de mulher!

— Oh raio! Oh sol! Suspende a lua!

— É o palhaço que está na rua!

— Hoje tem espetáculo?

— Tem sim senhor!

— A mulher no buraco?

— Tem sim senhor!

Depois de muita barulheira o cortejo parava e o palhaço apresentava o programa e a hora do espetáculo para a noite. A seguir, tudo ia se repetindo de parada em parada, até retornar com a garotada ao circo. Era chegada a hora da distribuição das senhas à garotada, para o ingresso ao espetáculo. Era costume também, na falta de senhas ou ingressos, marcar o pulso do garoto com uma tinta azul ou vermelha credenciando-o à entrada.

Os circos eram montados no largo destinado à Praça Duque de Caxias. Após a construção da praça, o local destinado foi atrás do Grupo Escolar Vasco Coutinho, de frente à Rua Soldado Aquino de Araújo e lado com a Rua Antônio Athayde. Os últimos circos foram armados no terreno vago da família Laranja, na Avenida Jerônimo Monteiro, lateral com a Rua Henrique Laranja.

 

Fonte: Memória do Menino... e de sua Vila Velha – Casa da Memória Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha-ES, 2014.
Autor: Edward Athayde D’ Alcantara, conhecido carinhosamente por Seu Dedê
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2020

Curiosidades

Colégio Maria Ortiz

Colégio Maria Ortiz

O certo é que certa magnificência do centro do poder, já pelo peso maior da arquitetura eclética, já como referência sempre constante na imprensa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Viajantes Estrangeiros ao ES – Barão de Humboldt

Basilio Daemon refere-se à possível passagem do Barão de Humboldt, no ano de 1800, pelo Espírito Santo

Ver Artigo
Tropeiros percorrem em 20 dias 650 quilômetros de história

Ao longo de 20 dias, um grupo de 13 capixabas está revivendo parte da história do Brasil Colônia ao refazer os passos de Dom Pedro pelo interior do Estado

Ver Artigo
Pedra da Onça - Por Seu Dedê

Localizada à margem esquerda do canal da Costa, braço sul. De frente ao Shopping Praia da Costa 

Ver Artigo
Ponga de Bonde – Por Edward Athayde D’Alcântara

Existe uma diferença entre carona e ponga

Ver Artigo
Praia da Sereia - A origem do nome

A origem do seu nome remonta aos primeiros anos do século XX, quando chegaram a Vila Velha, vindos do Rio de Janeiro, alguns construtores para construir o Terceiro Batalhão de Caçadores

Ver Artigo