Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

A promoção – Por Pedro Maia

Capa do Livro "Cidade Aberta" - Autor: Pedro Maia

João era cabo do batalhão e tratava da bóia servida no quartel. Podia não ser um bom soldado, mas era um excelente cozinheiro, o que lhe garantia a sobrevivência numa boa, sem ter que fazer muita força.

Mas um dia João saiu do quartel e se meteu numa bruta confusão, terminando por espancar um padre e dois pastores protestantes que reuniam fiéis em uma praça da cidade. Preso e levado ao quartel por uma escolta de militares, ali ele foi de pronto castigado pelo comandante, que o rebaixou para soldado raso.

Então começaram a acontecer coisas incríveis no regimento: o feijão estava sempre duro, o arroz era servido sem sal, o café ficou ralo e destemperado, e até o pão, que era feito com todo carinho, passou a ser uma massa pegajosa e intragável. A situação chegou a tal ponto que se tornou necessária a intervenção do comandante. João, agora soldado raso, foi chamado ao gabinete do homem.

— O que está acontecendo com a nossa cozinha? — indagou o comandante.

Cabisbaixo e com aquela cara que todo soldado faz quando está perto do comandante, João passou a mão pela cabeça e lascou:

— Bem, seu comandante, o negócio é que antes quem tratava da bóia era um cabo. Agora botaram um soldado e, como o senhor sabe, um soldado não pode, nem tem por onde, fazer o que o cabo pode e sabe fazer. Então a idade da bóia caiu desta maneira...

No outro dia o João era de novo cabo e tudo voltou a ser como dantes, no quartel de Abrantes.

 

Capa: Helio Coelho e Ivan Alves
Projeto Gráfico: Ivan Alves
Edição: Bianca Santos Neves
Lúcia Maria Villas Bôas Maia
Revisão: Rossana Frizzera Bastos
Produção: Bianca Santos Neves
Composição, Diagramação, Arte Final, Fotolitos e Impressão: Sagraf Artes Gráficas Ltda
Apoio: Lei Rubem Braga e CVRD
Fonte: Cidade Aberta, Vitória – 1993
Autor: Pedro MaiaCompilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2020

Literatura e Crônicas

Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano Novo - Ano Velho - Por Nelson Abel de Almeida

O ano que passou, o ano que está chegando ao seu fim já não desperta mais interesse; ele é água passada e água passada não toca moinho, lá diz o ditado

Ver Artigo
Ano Novo - Por Eugênio Sette

Papai Noel só me trouxe avisos bancários anunciando próximos vencimentos e o meu Dever está maior do que o meu Haver

Ver Artigo
Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Ver Artigo
Cariocas X Capixabas - Por Sérgio Figueira Sarkis

Estava programado um jogo de futebol, no campo do Fluminense, entre as seleções dos Cariocas e a dos Capixabas

Ver Artigo
Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista

Ver Artigo