Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Coisas de sinuca – Por Pedro Maia

Pedro Maia - Sinuca de bico professor...

Para quem não sabe é bom saber que um salão de sinuca é sempre o ponto onde se fica sabendo de tudo que ocorre na comunidade, seja ela de uma pacata cidade de interior ou de uma capital com ares de metrópole. É no salão de sinuca que os homens, independentes de idade, cor ou religião, se transformam unicamente em parceiros, divididos somente pela habilidade de cada um em manejar o taco e encaçapar as bolas.

Vai daí que ali não tem rico nem pobre, aristocrata ou plebeu, doutor ou operário. É todo mundo uma elite só, onde o que importa é ter a grana para jogar e pagar as despesas que eventualmente ocorrem durante as partidas, porque afinal ninguém é de ferro! E neste clima de igualdade as pessoas desabafam com mais liberdade, tornando o salão de sinuca um dos poucos locais onde realmente se pratica a base da democracia, ou seja, cada um tem o direito de opinião, mesmo que esta não esteja de acordo com a opinião dos outros. E tudo numa boa, sem grilos nem fofocas.

Pois foi no salão do Haulime, em Jucutuquara, que ocorreu o seguinte diálogo entre um professor, bom em Matemática e ruim em sinuca, e um malandrinho, ruim em Matemática, mas bom de taco. Explicava o professor:

— O mal do brasileiro é que ele não raciocina direito. Não é difícil. Vou dar um exemplo: se dez pedreiros constroem um muro em cem dias é lógico que cem pedreiros vão construir este mesmo muro em dez dias.

Foi quando o malandrinho encostou o taco e respondeu à altura:

— To sabendo, ô meu! Quer dizer que se um navio leva dez dias para ir do Rio à Europa, logicamente dez navios vão gastar um dia só. É ou não é?

Mesmo sob a gargalhada geral o malandrinho continuou seu joguinho, encaçapando as bolas sem perceber o espanto do professor.

Pois é! Salão de sinuca é isso aí. Cada qual por si.

 

Capa: Helio Coelho e Ivan Alves
Projeto Gráfico: Ivan Alves
Edição: Bianca Santos Neves  e Lúcia Maria Villas Bôas Maia
Revisão: Rossana Frizzera Bastos
Produção: Bianca Santos Neves
Composição, Diagramação, Arte Final, Fotolitos e Impressão:
Sagraf Artes Gráficas Ltda
Apoio: Lei Rubem Braga e CVRD
Fonte: Cidade Aberta, Vitória – 1993
Autor: Pedro Maia
Compilação: Walter de Aguiar Filho, agosto/2020

Literatura e Crônicas

Quando o Penedo falava, 1927 - Por Elpídio Pimentel - Parte VII

Quando o Penedo falava, 1927 - Por Elpídio Pimentel - Parte VII

Ouvidor era o juiz incumbido, pelo rei, de ouvir todas as queixas, que lhe levavam, afim de punir os culpados

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano Novo - Ano Velho - Por Nelson Abel de Almeida

O ano que passou, o ano que está chegando ao seu fim já não desperta mais interesse; ele é água passada e água passada não toca moinho, lá diz o ditado

Ver Artigo
Ano Novo - Por Eugênio Sette

Papai Noel só me trouxe avisos bancários anunciando próximos vencimentos e o meu Dever está maior do que o meu Haver

Ver Artigo
Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Ver Artigo
Cariocas X Capixabas - Por Sérgio Figueira Sarkis

Estava programado um jogo de futebol, no campo do Fluminense, entre as seleções dos Cariocas e a dos Capixabas

Ver Artigo
Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista

Ver Artigo