Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

De como Anchieta leu (ensinou) latim

Padre José de Anchieta catequização

Como em São Vicente estava a maior parte dos nossos, que então havia no Brasil, e não tivessem nenhum gênero de estudos por falta de mestres, o Pe. Nóbrega não nos deixava estar ociosos: antes com muito fervor que ele tinha e grande zelo da perfeição os trazia abrasados em fervor de devoção, mortificação e todas as mais virtudes com vivo exemplo e contínuas práticas espirituais. E assim enquanto não tiveram estudo, toda a sua ocupação era ocupar-se em Deus com muita oração e procurarem muito de propósito sua própria perfeição. E com isto nosso Senhor os quis dispor para que depois das letras, fizessem melhor assento [aproveitamento].

Chegado, pois, o Irmão José a São Vicente, logo o Pe. Nóbrega ordenou lesse [desse aula] de Gramática aos Nossos e a muitos moços de fora, filhos de portugueses. O qual ele fez por alguns anos em Piratininga, por haver lá mais comodidades para a sustentação dos nossos, com muito proveito de todos e não com menos trabalho seu. Porque além do fato que o ler [estudar] traz consigo sofrer a rudeza ou negligência dos discípulos, teve ele outros particulares, pela muita pobreza que se padecia e falta de outras achegas [instrumentária necessárias]. Não havia artes nem livros por onde os estudantes apreendessem e por isso era-lhe necessário suprir com sua pena escrevendo-lhes com sua mão o necessário para suprir a falta de livros. E como todo o dia vinha bem ocupado, era forçado a cortar pelo sono. E assim ordinariamente não dormia senão 3 ou 4 horas e às vezes menos, e algumas noites e – não poucas – lhe aconteceu passá-las em claro escrevendo até pela manhã.

Também a casa de sua habitação, onde liam, era tal e tão pequena que o fumo de tal maneira tomava posse dela que lhes era necessário e menos trabalho, saírem à rua e sofrer os grandes frios e geadas do que a fumaça. [mais do que fumaça]. Juntava-se a isso que como não tinham outra cama senão redes, nem outros cobertores mais que o fogo debaixo delas ao modo dos índios, e os frios dalí são muito grandes. Era-lhe necessário, acabada a lição da tarde, irem mestre e discípulos buscar a lenha e trazê-las às costas e depois boa parte do sono gastavam em atiçar o fogo para puderem dormir alguma coisa. Por tudo isso passava o irmão com muita igualdade de ânimo e alegria de coração por ver que com esses seus trabalhos se iam preparando obreiros que trabalhariam nesta grande vinha do Senhor, da conversão dos naturais da terra.

 

Fonte: Anchieta: um santo desconhecido? – 2014
Organização: Padre Illário Govoni
Compilação: Walter de Aguiar Filho, janeiro/2020
Onde comprar o livro: Santuário de Anchieta, Anchieta/ES ou Marques Editora, Belém-PA

Religiosos do ES

Os Náufragos Jesuítas, em 1573

Os Náufragos Jesuítas, em 1573

Aos 28 de abril de 1573, os padres Tolosa, Luis da Grã, Antônio da Rocha, Vicente Rodrigues, Fernão Luiz, Irmãos Bento de Lima e João de Souza, viajando para Porto Seguro, naufragaram na foz do Rio Doce

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

De como Anchieta aprendeu a língua do Brasil

Este zelo, que por via da língua aproveitar [ajudava] aos índios, não se diminuiu nele com a velhice e pesadas enfermidades

Ver Artigo
Anchieta - De como foi enviado ao Brasil

Assim para bem de muitos veio em companhia do Pe. Luís da Grã no ano de 1553

Ver Artigo
La última Mirada - Por José Paulino Alves Junior

Naquela tarde, Anchieta não quis ficar junto à janela, como era costume

Ver Artigo
A Igreja e o Convento de São Francisco

A Igreja e o Convento de São Francisco tiveram suas construções iniciadas em 1591 pelos padres Antônio dos Mártires e Antônio das Chagas

Ver Artigo
O Pregador do Evangelho – Por Frei Antônio de Sta. Maria Jaboatão, OFM

Frei Antônio de Sta. Maria Jaboatão, OFM (1695-1779), compôs a sua famosa obra NOVO ORBE SERÁFICO BRASÍLICO, em meados do século XVIII

Ver Artigo