Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Igreja de São Gonçalo – Vitória ES

Igreja de São Gonçalo - Foto: Walter de Aguiar Filho,julho/2011

Em 1707, já existia no local uma capela construída pelas irmandades de Nossa Senhora do Amparo e da Boa Morte.

Em 1715, as irmandades solicitaram ao Bispado a permissão para a construção de uma nova igreja, consagrada ao santo português São Gonçalo Garcia, somente concluída em 6 de novembro de 1766. No século XX, a igreja viveu período áureo, pois, por quase 20 anos, serviu como sede paroquial e exerceu funções de Matriz e Catedral da cidade de Vitória.

Sua fachada e altar-mor, com entalhes em madeira pintados a ouro, possuem características da arquitetura barroca. Em 1948, foi tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN.

 

Centro Histórico de Vitória

Vitória, chamada pelos povos nativos do tronco tupi-guarani de Guananira, Ilha do Mel, foi posteriormente dominada e colonizada por portugueses que a deram como sesmaria a Duarte Lemos, batizando-a de Iha de Santo Antônio, em 1537. Devido à abundância de água potável, o primeiro donatário do Espírito Santo transferiu para cá a sede da Capitania Hereditária.

A sesmaria só foi chamada de Vila de Nossa Senhora da Vitória em 8 de setembro de 1551, data de sua fundação oficial.Nesse mesmo ano instalou-se no Espírito Santo a Companhia de Jesus, com início da construção do Colégio de São Thiago, atual Palácio Anchieta.

Até o século XVIII, a Capitania do Espírito Santo abrngia também o território das "minas gerais", a maior região aurífera do Brasil colônia, mais tarde desmembrada e anexada aos Esrados de São Paulo e Minas Gerais.

O traçado colonial da cidade foi mantido atpe o século XX quando uma série de transformações urbanas típicas de desenvolvimento capitalista vigente se fizeram presentes na arquitetura e na paisagem. A área da cidade foi alterada por grandes aterros e obras viárias, principalmente após as exigências comerciais da cultura cafeeira.

A partir da década de 1970, o crescimento habitacional e demográfico levou à verticalização urbana. Essa transformações agregaram-se aos traçados indígenas, africanos e portugueses, caracterizados na arquitetura e na cultura. A cidade preserva em seu centro histórico muito do modo de viver do seu povo.

 

Fonte: Projeto Visitar

O Projeto Visitar, foi criado em 2006 pela Prefeitura Municipal de Vitória como parte de uma política pública para revitalização do centro da cidade. A criação de roteiros turísticos, o monitoramento nos monumentos, o envolvimento da comunidade, a preservação da memória, as pesquisas e a difusão cultural, fazem parte das diversas ativadades deste projeto e propõem-se resgatar os caminhos da história.

O objetivo maior do Projeto Visitar é promover e consolidar o Centro Histórico de Vitória. Para isso transforma a visitação ao patrimônio e o incentivo à cultura das comunidades locais em uma oportunidade de levar os moredores e turistas a conhecer os símbolos e bens que os povos construíram ao longo dos tempos.

 

Compilação: Walter de Aguiar Filho, julho/2011



GALERIA:

📷
📷


Monumentos

Bustos Públicos - Os 10 mais conhecidos

Bustos Públicos - Os 10 mais conhecidos

O busto do Interventor se encontra na pequena Praça existente no final da Avenida que contorna a Praia da Costa

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Orografia - As 10 mais altas Montanhas do Espírito Santo

Mestre Álvaro (ou Alvo). É uma bela montanha que se ergue, isolada, em extensa planície, ao norte da cidade de Vitória, no vizinho Município da Serra 

Ver Artigo
Grandes Construções - As 10 mais destacadas por Eurípedes Queiroz do Valle

Situa-se na Ponta de Piranhém ou Tubarão que lhe dá o nome no extremo norte da baía de Vitó­ria

Ver Artigo
O Farol de Regência - Por Geraldo Magela

O farol foi inaugurado no dia 15 de novembro de 1895, no governo Muniz Freire, que defendeu na Câmara do De­putados a necessidade de sua instalação

Ver Artigo
O Itabira e o Frade e a Freira - Por Gabriel Bittencourt

O Itabira: esguio monólito que os cachoeirenses fizeram símbolo da cidade, e os intelectuais de sua Academia de Letras transformaram-no no seu escudo e emblema

Ver Artigo
Praça João Clímaco

Localizada em frente ao Palácio Anchieta, a Praça João Clímaco, ex-praça Afonso Brás, foi durante três séculos chamada ora como largo do Colégio, ora largo Afonso Brás

Ver Artigo