Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Igreja de São Gonçalo

Igreja de São Gonçalo Garcia - Foto: Walter de Aguiar Filho

Construída com pedra, cal, borra de óleo de baleia e areia. Foi inaugurada em 1766 e abriga a antiga Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte e Assunção, hoje Venerável Arquiconfraria. Da edificação original estão preservados a sacristia e os corredores laterais. Possui fachada com características barrocas, com janelas e portas de vergas curvas. O frontão é do século XIX. Foi sede paroquial e também, enquanto duraram as obras da Catedral. Em 1948, foi tombada como monumento histórico nacional com todo o seu acervo, no qual se destacam as imagens portuguesas setecentistas de Santo Inácio de Loyola e São Francisco Xavier. Suas festas populares são as procissões de Nossa Senhora da Boa Morte e Assunção, dias 14 e 15 de agosto.

A Igreja de São Gonçalo, a preferida das noivas da cidade, é, segundo a crença popular, “a igreja dos enlaces duradouros e felizes”.

À direita, começa a pequena Rua São Gonçalo, que até a década de 1930 possuía calçamento do tipo pé-de-moleque. Ladeada por muros e gradis que delimitavam os fundos dos quintais, era uma rua calma até os anos 40.

Á esquerda, a Rua Moniz Freire, antiga Rua da Assembléia, conservou até bem pouco o casario da época colonial. Em 1980, quatro de suas casas mais significativas, apesar de tombadas pelo Conselho Estadual de Cultura, foram demolidas para a construção do edifício do Fórum Estadual. Das que restam, a mais notável é a Casa da Família Cerqueira Lima (14), cuja fachada é ricamente trabalhada.

Descendo a rua, vê-se o prédio da Loja Maçônica “União de Progresso” (15), a primeira do Estado. Inicialmente instalada em 1872, na Rua Duque de Caxias, promovia, além de suas atividades específicas, aulas noturnas para os trabalhadores. Já na Rua Moniz Freire, a Loja Maçônica foi palco de inflamados discursos em defesa da abolição da escravatura.

O prédio vizinho é a antiga Escola Municipal São Vicente de Paula (16), antes ginásio particular dirigido pelo padre Aristóbulo Barbosa Leão. Originalmente residência unifamiliar, seu mais ilustre moredor foi José de Melo Carvalho Moniz Freire. Duas vezes presidente do Estado, de 1892 a 1896 e de 1900 a 1904, a ação de Moniz Freire em Vitória foi a de prepará-la para ser uma capital moderna, à altura do desenvolvimento que ele planejava para o Espírito Santo.

 

Fonte: Roteiro Histórico I - 2ª Edição, administração prefeito João Carlos Coser, Outubro/2007
Fotos: SEDEC/GPU/CRU
Compilação e Scaner das Fotos: Walter de Aguiar Filho, Junho/2011


 




GALERIA:

📷
📷


Monumentos

Palácio Anchieta

Palácio Anchieta

No início da colonização do Espírito Santo os jesuítas começaram a erguer uma igreja e sua residência provisória na Cidade Alta, imediações onde se localiza hoje o Palácio Anchieta

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Farol de Santa Luzia – Por Elmo Elton

A 07 de setembro de 1871, a luz do farol já anunciava aos nautas, antes incertos, a segurança da aproximação do porto

Ver Artigo
O Farol de Regência - Por Geraldo Magela

O farol foi inaugurado no dia 15 de novembro de 1895, no governo Muniz Freire, que defendeu na Câmara do De­putados a necessidade de sua instalação

Ver Artigo
Orografia - As 10 mais altas Montanhas do Espírito Santo

Mestre Álvaro (ou Alvo). É uma bela montanha que se ergue, isolada, em extensa planície, ao norte da cidade de Vitória, no vizinho Município da Serra 

Ver Artigo
Grandes Construções - As 10 mais destacadas por Eurípedes Queiroz do Valle

Situa-se na Ponta de Piranhém ou Tubarão que lhe dá o nome no extremo norte da baía de Vitó­ria

Ver Artigo
O Itabira e o Frade e a Freira - Por Gabriel Bittencourt

O Itabira: esguio monólito que os cachoeirenses fizeram símbolo da cidade, e os intelectuais de sua Academia de Letras transformaram-no no seu escudo e emblema

Ver Artigo