Morro do Moreno: Desde 1535
Site: Divulgando desde 2000 a Cultura e História Capixaba

Pontes e desafios – Por Ana Maria Quirino

Ponte do Camelo em Jardim América, 1956

Quando, do interior de Minas, os meus vieram buscar vida mais ampla no Espírito Santo, encontraram seu primeiro cantinho nos arredores de Vitória e logo um desafio se apresentou a mim e as minhas pequenas pernas de criança recém e tardiamente iniciada na arte de andar: uma precária pinguela se interpunha entre o quintal de nossa casa e a rua.

Em princípio, meus passinhos cambaleantes de criança visitada pela poliomielite não davam conta de cruzar aquele rústico pedaço de madeira sofrivelmente equilibrado entre as duas margens de uma pequena vala povoada de barrigudinhos e outros peixinhos coloridos que meus irmãos mais velhos chamavam de "libitis", nome que jamais descobri se, de fato, existe.

Na idade de ir para a escola, outro jeito não houve senão encarar o desafio diário de atravessar aquele meu primeiro ensaio de ponte. Registrem-se alguns poucos e humilhantes episódios de ter que voltar para casa com meu uniforme de blusa branca e saia pregueada vermelha totalmente enlameado, cadernos salvos pela providencial sacola de arroz.

Os anos foram passando e meu território se ampliou em direção à ilha de Vitória. Para passear no Parque Moscoso, era preciso atravessar a "Ponte do Camelo", sobre um rio Marinho ainda limpo, e a gigantesca "Cinco Pontes", toda gradeada, para o ônibus não cair no mar. Na ida e na volta, era obrigatório que eu e meus irmãos contássemos as cinco pontes que, afinal, formavam uma só.

Horizontes se abrindo, mais uma ponte no meu itinerário até a universidade, agora com o significativo nome de "Ponte da Passagem". Passei, passamos, passaram-se os anos. Vitória difícil de alcançar. Percurso longo, travessia complexa. Necessárias outras pontes: uma segunda, uma terceira que, para mim, poderiam ser chamadas de quinta, de sexta, de sétima...

Hoje... ah, hoje sou da ilha, trabalho na ilha, vivo na ilha. Já conquistei Vitória. E se hoje ultrapasso seus limites através de suas iluminadas pontes, e depois retorno para meu lar na ilha, meus olhos ainda brilham, já não de surpresa e susto, mas de puro deleite.

 

Fonte: Escritos de Vitória, 27 - Pontes, 2010
Autora: Ana Maria Quirino. Mineira, de Mantena, radicada no Espírito Santo desde os dois anos de idade. É graduada em Letras-Português e Mestre em Letras, pela Universidade Federal do Espírito Santo. Atualmente trabalha no Instituto Federal do Espírito Santo e mora na ilha de Vitória desde 2006.
Compilação: Walter de Aguiar Filho, maio/2020

Literatura e Crônicas

Aquele Braço de Mar - Por Mário Gurgel

Aquele Braço de Mar - Por Mário Gurgel

Fomos ver, de bem longe, o espetáculo emocionante da draga, tirando do fundo das águas da baia a areia, para jogá-la na face do mar calmo

Pesquisa

Facebook

Leia Mais

Ano Novo - Ano Velho - Por Nelson Abel de Almeida

O ano que passou, o ano que está chegando ao seu fim já não desperta mais interesse; ele é água passada e água passada não toca moinho, lá diz o ditado

Ver Artigo
Ano Novo - Por Eugênio Sette

Papai Noel só me trouxe avisos bancários anunciando próximos vencimentos e o meu Dever está maior do que o meu Haver

Ver Artigo
Cronistas - Os 10 mais antigos de ES

4) Areobaldo Lelis Horta. Médico, jornalista e historiador. Escreveu: “Vitória de meu tempo” (Crônicas históricas). 1951

Ver Artigo
Cariocas X Capixabas - Por Sérgio Figueira Sarkis

Estava programado um jogo de futebol, no campo do Fluminense, entre as seleções dos Cariocas e a dos Capixabas

Ver Artigo
Vitória Cidade Presépio – Por Ester Abreu

Logo, nele pode existir povo, cidade e tudo o que haja mister para a realização do sonho do artista

Ver Artigo